Este fim-de-semana, ainda serão bem evidentes os sinais da falta de limpeza da cidade. A greve ao trabalho normal por parte dos funcionários camarários do sector terminou às 5h deste sábado, mas começa agora a paralisação às horas extraordinárias, que durará até 5 de Janeiro. Muito do trabalho de recolha é feito nesse período, devido à falta de pessoal, recordou o Sindicato dos Trabalhadores do Município de Lisboa, que convocou a greve. Protesta-se contra a transferência dos trabalhadores dos quadros da câmara para as juntas de freguesias com novas competências. Indiferentes a isso, muitos lisboetas decidiram atirar os detritos para a via pública.

 

Fotografias: Samuel Alemão

 

fotografia-127

fotografia-125

fotografia-128

fotografia-130

fotografia-129

fotografia-132

fotografia-135

fotografia-131

fotografia-134

  • Afonso
    Responder

    Triste fado

    • Ricardo
      Responder

      O que é um facto é que o mesmo personagem que não consegue resolver esse problema recorrente na cidade é o mesmo que fez isto com a cumplicidade do inquilino de Belém certamente.

  • A Costureira Ciclista
    Responder

    Isto não augura nada de bom… Principalmente porque aos detritos do Natal se vão juntar os da passagem do ano que serão, maioritariamente, restos de comida. Uma questão de tempo até tudo isso começar a atrair bicharada … Compreendo que esta tenha sido uma boa altura para a greve, dado que causa um maior impacto. No entanto, apenas vejo os efeitos dessa mesma greve: o lixo a acumular. Protestos e manifestações: nada. Os trabalhadores arriscam-se assim a que a sua greve seja vista como uma forma de gozar do Natal e passagem de ano junto da família e não como uma forma de protesto. Seja como for, até ao fim da greve, é uma boa altura para quem ainda não recicla, começar a fazê-lo! É uma excelente forma de reduzir drasticamente a produção de resíduos em casa 😀

    • Afonso
      Responder

      Entregues à bicharada já estamos todos faz algum tempo.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com