Com a apresentação do “Manifesto contra o desastroso encerramento das livrarias da Cidade  de Lisboa no centenário da Livraria Sá da Costa”, foi ontem concluído o último capítulo de mais uma livraria histórica da zona central da cidade. A declaração da insolvência pelo Tribunal de Comércio de Lisboa, esta semana, ditou o desfecho aparentemente irrevogável do estabelecimento situado no Chiado, fundado em 1913 e que se mudou para as actuais instalações trinta anos depois. Foi o epílogo de um processo aberto há três anos e, em paralelo, também da luta dos cinco livreiros que tentaram manter a livraria aberta. Não conseguiram. Foram eles quem redigiu o manifesto ontem apresentado. Nele, os livreiros afirmam que o fecho da Sá da Costa é um “sinal  dos tempos – bem paradigmáticos desta apagada e vil tristeza em que o país, e nós com ele, nos encontramos mergulhados”. A zona do Chiado e a sua histórica envolvência têm sido “palco de uma razia, de devastação”, dizem.

 

Fotografias: Carla Rosado

 

CR_LivrariaSaCosta 009 20713

CR_LivrariaSaCosta 007 20713

CR_LivrariaSaCosta 006 20713

CR_LivrariaSaCosta 005 20713

CR_LivrariaSaCosta 002 20713

CR_LivrariaSaCosta 003 20713

CR_LivrariaSaCosta 001 20713

 

  • António Rosa de Carvalho
    Responder

    Manuel Salgado elegeu a Baixa, coração estratégico da cidade de Lisboa, como palco globalizado de eventos e animação, e área apenas e exclusivamente de residência temporária através de mais de 100 projectos para Hotéis além dos inúmeros Hostels.
    A ideia de residir, habitar, Identidade Local, assegurada por famílias, foi completamente posta de parte …
    Agora, nos Bairros Históricos essas mesmas famílias, acossadas pela crise disponibilizam as sua casas, que se tornaram inabitáveis a partir de 5a Feira devido à “Animação” de rua, “boteillon” e afins, para aluguer, através de sites como o Airbnb.
    Claro que este fenómeno sem planeamento e sem controle em termos de Hotelaria Paralela está já a concorrer já de forma determinante com a Hotelaria Clássica.
    Adivinha-se neste conjunto de circunstâncias, inevitávelmente o desastre de saturação do mercado com uma oferta que vai largamente ultrapassar a procura.
    Chama-se a isto mau Planeamento Urbanístico, assim como a ausência total de estratégia e planeamento na área do Urbanismo Comercial, tem vindo a provocar o desaparecimento de vários estabelecimentos Tradicionais que garantem a Identidade de Lisboa como Cidade Autêntica e não como palco /Globalizado de eventos e “Happenings”.
    António Sérgio Rosa de Carvalho

  • António Rosa de Carvalho
    Responder

    Os resultados das políticas, estratégias e visão futura de Manuel Salgado para a Baixa:
    “Referindo-se ao espaço ocupado pela Sá da Costa, lê-se no manifesto que é um “lugar cobiçado demais, pelos negócios do dinheiro graúdo” que impossibilita que alguém ou uma entidade, interessados nos “valores imateriais”, a possam resgatar da “ditadura financeira rapace e usurária”.
    “No manifesto, os livreiros afirmam que o fecho da Sá da Costa é um “sinal dos tempos — bem paradigmáticos desta apagada e vil tristeza em que o país, e nós com ele, nos encontramos mergulhados — a zona do Chiado, a sua histórica envolvência, tem sido palco de uma razia, de devastação”.
    Trabalhadores da Sá da Costa responsabilizam “ditadura financeira” pelo fecho da livraria.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com