A polémica empreitada de requalificação em curso na freguesia da Ajuda deverá terminar no próximo mês, disse ao Corvo a Lisboa Ocidental SRU, empresa municipal responsável pela obra.

De qualquer modo, a empresa estuda a possibilidade de intervir em duas artérias não incluídas no plano inicial – travessas Paulo Martins e da Memória – onde poderá haver “obras por mais 2 a 3 meses”, disse Teresa do Passo, presidente da administração da empresa.  A informação consta de uma resposta da dirigente da SRU a um conjunto perguntas enviado pelo Corvo aquando da reportagem sobre as obras (Moradores da Ajuda dizem que obras danificam casas).

A empreitada, que motivou queixas de alguns residentes por causa de danos nas suas casas, devia ter acabado em Janeiro, mas o tempo chuvoso, a dureza do solo rochoso, “atrasos das intervenções da EDP” e “diferenças entre o ‘cadastro’ de infraestruturas enterradas e a sua real localização e estado de conservação” exigiram mais tempo, disse a mesma fonte.

Teresa do Paço reconhece que, em zonas como a Travessa da Memória e a Rua João Castilho, houve valas abertas por “um período superior ao previsto”, mas atribui este precalço a “atrasos das intervenções da EDP”. Moradores destas artérias atribuiram alguns danos nas suas habitações ao tempo excessivo que estiveram alagadas as valas contíguas aos edifícios. “Estiveram abertas mais de um mês e foram abertas pelo empreiteiro da SRU”, queixou-se um morador.

Questionada sobre quando e como irá a SRU reparar os danos que alguns moradores lhe imputam, Teresa do Passo respondeu: “As reclamações são analisadas pela empresa Vibeiras, SA, que, como empreiteiro das obras, é também responsável pelas patologias que das mesmas possam ter resultado. As reparações têm sido efetuadas à medida que se averiguam as responsabilidades. Salienta-se que, para a execução de empreitadas de obras públicas, os empreiteiros têm de possuir um conjunto de seguros que cobrem, entre outros, estes riscos.”

A Lisboa Ocidental diz ter conhecimento de cinco reclamações de estragos nas habitações.

A administradora entendeu não ter de comentar um relatório de uma corretora de seguros relativo ao “assentamento” de um rés-do-chão da Trav. da Memória, aparentemente resultante do tempo excessivo de abertura de valas, o qual afirma expressamente que tal situação “devia ter sido acautelada pelo dono da obra” – neste caso, a empresa municipal.

A responsável da empresa considera que a relação entre a SRU e os moradores se desenvolveu “de forma positiva” apesar de se tratar de um tipo de obras “sempre muito difícil para a população” e para “as empresas que as executam”. A empreitada, refere, contribuirá, entre outras coisas, “para aumentar o valor patrimonial e comercial do bairro.”

“Tendo em conta estas compreensíveis, mas inevitáveis dificuldades, que penalizaram moradores, comerciantes e utilizadores, as reclamações recebidas ficaram até aquém do que se poderia esperar”, diz ainda a administradora da SRU.

 

Texto e fotografia: Francisco Neves

 


Comentários
  • Dina Reis
    Responder

    Sr. Francisco boa tarde. As obras aqui na Ajuda parecem quase terminadas mas os problemas começam a aparecer. Agora é o cheiro a esgotos que nem uma janela se pode abrir, é simplesmente intragável. Quanto às obras a serem feitas nos prédios nem sei quando será pois os relatórios da intervenção ou seja o que lhe queiram chamar não nos são comunicados. Os meus vizinhos também têm queixas e nada lhes foi dito, está tudo na mesma e sem solução à vista.
    A resposta que nos é dada é para aguardar pois está tudo em estudo. Amanhã vou voltar à SRU para ver como está o assunto mas pelo que vou ouvindo nos comentários dos outros é que nada há de novidade e a minha casa continua a piorar. Já não sei o que mais fazer, mesmo com tantos técnicos a virem cá ver nada me foi dito. Terei que aguentar até quando? Esperar por uma desgraça? Nem quero pensar nisso mas o medo está connosco diariamente! A ver vamos que mais conversa nos dirão mas não estou à espera de nada de bom! Enfim, ver para crer!

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com