Em Lisboa, há obras que se eternizam. Os mais novos já nem conhecerão o significado da expressão popular que, durante muito tempo, retratou essa situação – as “obras de Santa Engrácia”, que se referiam ao prolongar dos trabalhos, ao longo de séculos, na Igreja do Panteão Nacional. Mas tanto eles como a restante população lisboeta encontram pela frente, ainda hoje, e diariamente, obras que sistematicamente não cumprem prazos.

Um bom exemplo são as obras de repavimentação do Largo do Caldas – de seu, nome Largo Adelino Amaro da Costa. Iniciaram-se em Janeiro deste ano, com um prazo de conclusão que fazia prever o seu fim em Março/Abril. Mas, afinal, em vez dos três meses estimados, os trabalhos já levam oito meses de duração. E a perspectiva é de só terminarem em Setembro, ou mesmo em Outubro.

Ao longo desse tempo, a vida de muita gente é afectada, porque há desvios no trânsito, numa zona da Baixa onde o tráfego se tem tornado cada vez mais intenso, mas também porque os peões são empurrados para as faixas de rodagem e têm de caminhar no asfalto, que é cruzado em simultâneo por dezenas de automóveis. Isto quando podem andar por ali a pé, porque vários moradores da área já tiveram mesmo de fazer desvios e caminhar por percursos muito mais longos, em alturas em que foi vedado também a eles o acesso a determinadas ruas.

O Corvo contactou o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, que desde logo enjeitou responsabilidades pelo atraso das obras e esclareceu: “A obra é da Câmara Municipal de Lisboa e é a ela que se devem pedir os esclarecimentos”, disse Miguel Coelho, adiantando já ter ele próprio questionado a este respeito os responsáveis autárquicos.

“De facto, os trabalhos atrasaram muito, mas, segundo a informação que me foi prestada pela câmara, deverão estar concluídas dentro de um mês ou mês e meio”, diz o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior.

Miguel Coelho não sabe exactamente a que se deveu tanta demora. Mas parece que a culpa foi… “da chuva”. E “do Inverno rigoroso”.

“A explicação que me foi dada é que as chuvas, que foram muito intensas este Inverno, atrasaram os trabalhos”, afirma o autarca, tentando justificar a situação com o argumento que tem sido invocado até à exaustão para muitos incumprimentos de prazo.

O Corvo contactou a Câmara Municipal de Lisboa, em particular o gabinete do vereador Jorge Máximo, responsável pelas obras no Largo do Caldas, e apurou que “a previsão para o términus dos trabalhos é o fim do mês de Setembro”.

Os atrasos registados deveram-se a vários factores, nomeadamente a  “constrangimentos provocados pelo desvio de tráfego, que impossibilitou ter sempre em execução duas frentes de trabalho”. Além disso, registaram-se “imprevistos, quando da abertura de caixa de fundação do pavimento a aplicar, com vários desvios e adaptação de caixas de concessionárias e respetivos cabos”.

Por fim, para o atraso contribuiu “a execução de caixas de inspeção ao coletor, que não estavam previstas” e houve ainda “algumas paragens de trabalho para possibilitar a recolha e inspeção por parte do arqueólogo permanente em obra”. A resposta da autarquia não esclarece, porém, o que foi encontrado pelo arqueólogo de serviço.

 

2014-08-08 15.47.24

 

As obras estão a cargo da empresa espanhola Fitonovo, prestadora de serviços ambientais e de obras de infraestruturas viárias, que em Portugal tem diversos contratos e, em Lisboa, é responsável por 19 empreitadas que lhe foram adjudicadas pela Câmara Municipal – de acordo com os dados relativos a contratos públicos. Entre elas está a criação do Jardim da Cerca da Graça, uma obra que tinha conclusão prevista para Setembro de 2013, mas que nunca foi terminada e está agora parada, desde há vários meses.

Em Espanha, a Fitonovo está presentemente em tribunal, por suspeitas de subornos em troca de contratos municipais, num caso que levou já à detenção de cinco pessoas, entre elas o filho do dono da empresa José António Gonzalez, que admitiu ter pago para obter contratos municipais, em particular no município de Sevilha.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

  • Atento
    Responder

    Sou residente na Baixa Pombalina, e assino por baixo tudo o aqui escrito, e ainda confirmo que este Presidente de Junta nunca sabe nada…. nunca ninguém reclama nada etc. Como também nunca responde aos residentes de forma objectiva (quer pessoalmente e nem falo por email que nem se digna a responder). Fomos bem enganados …
    Deveriam também fazer uma reportagem sobre a forma selvagem como as esplanadas (R correiros, R Augusta, Rossio) cada vez mais ocupam a via publica de forma selvagem, e durante a noite (após o fecho) deixam todo o equipamento (mesas cadeiras toldos) na via publica, em caso de incêndio poderá ser um Chiado II ….

  • Pedro Das Brocas
    Responder

    uma questão do mundo moderno… a que todos deveríamos estar atentos.. obras qque demoram… =P

  • Inês B.
    Responder

    Passam-se dias em que não se vê ninguém lá a trabalhar. Ou apenas 1 ou 2 pessoas. Na Calçada do Marquês de Tancos, as obras ficaram a meio e é tudo deixado ao abandono (lixo dos trabalhadores por todos os lados)…mas mais grave: tiraram uma antiga fonte/bebedouro que se encontrava junto ao bar das imagens. Onde é que ela está?

  • Aqui mora gente
    Responder

    Artigo esclaredor a bem da transparência.

  • moradora
    Responder

    Essa do atraso se dever à chuva é boa. Ontem de manhã por exemplo chovia a potes e não se podia com o barulho das obras na Calçada Marquês de Tancos. Inventem outras desculpas sff. E despachem-se, já agora. Com duas pessoas a trabalhar apenas percebe-se que seja difícil fazerem tudo em nove meses. Ou em 10.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com