O novo ar do Largo da Graça

PORTFÓLIO
Paula Ferreira

URBANISMO

São Vicente

20 Março, 2017

Ainda há um estaleiro à vista. Mas as obras de requalificação do espaço público no Largo da Graça, integradas no programa Uma Praça em Cada Bairro, estão quase a terminar. E a receita empregue ali é a mesma aplicada a outras zonas da capital: uma área maior e com melhor piso para os peões e para quem anda de bicicleta, melhor mobiliário urbano e menos espaço para os carros. No fim-de-semana em que as atenções estiveram viradas para a inauguração do projecto de reabilitação da zona do Cais do Sodré e do Corpo Santo, a fottógrafa Paula Ferreira foi até à Graça ver as mudanças que já se sentem. Isto quando se entra na recta final de uma intervenção que, há largos meses, vinha dificultando a vida aos moradores, aos comerciantes e a todos os que ali passavam. O resultado dessa intervenção, todavia, parece ter argumentos mais que suficientes para, rapidamente, fazer esquecer tal sacrifício.

MAIS PORTFÓLIOS

COMENTÁRIOS

  • Cláudio da Silva
    Responder

    Gosto

  • Rui
    Responder

    O único senão destas obras, é não acabar de vez com o estacionamento à superfície. Em cada praça, deveria fazer-se um parque subterrâneo, para os moradores (e outros) estacionarem aí o carro,no caso dos moradores pagando uma avença mensal. Isto permitiria libertar a totalidade da praça para fruição publica: jardim, parque infantil, esplanadas, etc.

  • rui rocha
    Responder

    Jardim como mais cimento menos plantas!!!o lago ficou perigoso para as criancas.rr

  • Ginka
    Responder

    Gostaria de ter ouvido os que comerciantes, utilizadores da zona, moradores e freguesia têm a dizer sobre o assunto. As fotografias são lindas e dizem mais mas acho que falta a parte jornalística.

  • Paulo Ferrero
    Responder

    Gosto mas tem árvores a menos, placas de chão “confortável” a mais e a marcação da placa do jardim junto à igreja ficou esbatida o que não convinha, pois o jardim merece ser reconhecido em todo o perímetro e não só do lado Sul, por causa do muro. Aplauso para a recuperação e manutenção do quiosque junto aos eléctricos, zona que ficou bem melhor. Aguarda-se pela abertura da zona de estacionamento em frente à escola…

  • Eugenia Neves
    Responder

    Não gosto

  • felipe adão
    Responder

    enche-se daqui até ali com calçada e está feito. nada de canteiros, árvores nem pensar. a área impermeabilizada continua a mesma, se calhar até aumentou.
    e um prémio para quem conseguir abrir os olhos enquanto passeia, num dia de sol, nesta zona.

  • Lufino Lisboa
    Responder

    Passo a passo, Lisboa vai ficando mais bonita!

  • Lufino Lisboa
    Responder

    Susana Mouzinho, São Mouzinho

  • Margarida Costa
    Responder

    Tem aspectos positivos mas tem muitos outros negativos. A falta de consideração para com os moradores. Lisboa é não é só para bem dos turistas. Há que pensar no bem estar e segurança dos moradores. Onde fica a praça de táxis da Graça? Se houve um qualquer problema com um carro na zona do jardim da Graça como chega lá um reboque? Para já não falar de como as ruas ficaram estreitas para passar com um carro, ainda mais quando as pessoas estacionam ao lado dos pinos… Se houver um incêndio como será para chegar os meios de socorro a essas ruas??? Os arquitectos devem sair dos ateliers e saber do dia-a-dia dos habitantes da zona. Há passeios exageramente largos e outros estreitos de tal forma que, por exemplo, com as mesas fora do restaurante Mourisca, temos de vir para a rua para passar… Enfim… e tanto mais que haveria para dizer…

    • Cipriano
      Responder

      No largo da Graça aos sábados e domingo, chegava a haver 3 filas em paralelo de carros estacionados. Por quem ? Por aqueles que iam ao café, ao pão, MB e lojas diverso e moravam a 2 passos do Largo ! Quem estava devidamente estacionado, quando queria sair, tinha de esperar pela chegada de 2 e/ou 3 condutores, durante largos minutos, até eles satisfazeres os seus prazeres e estavam-se nas tintas para quem tinha de esperar. Quando chegavam ainda refilavam com quem lhes chamava a atenção da sua transgressão. Vc. devia ser uma destas pessoas. que dizem mal de quem defende a cidadania em todos os lugares públicos e até no Bairro da Graça. Gente que só sabe dizer mal, coitados.

    • rui rocha
      Responder

      exato. como passam carros dos bombeiros? e qual distancia ficam dos predios?

    • rui rocha
      Responder

      exato. como passam carros dos bombeiros? e qual distancia ficam dos predios?

  • Jorge
    Responder

    «O resultado dessa intervenção, todavia, parece ter argumentos mais que suficientes para, rapidamente, fazer esquecer tal sacrifício»

    Fernando Medina aprova esta mensagem.

  • Flash Gordo
    Responder

    Falta colocarem mais pilaretes e um lugar para cargas/descargas, de forma a acabarem de vez com estas faltas de civismo.

  • Filipa
    Responder

    ” Vc. devia ser uma destas pessoas. que dizem mal de quem defende a cidadania em todos os lugares públicos e até no Bairro da Graça. Gente que só sabe dizer mal, coitados.”
    O sr. Cipriano deve pois deslocar-se a pé, correcto? É que, quer se goste ou não, o estacionamento é necessário para os moradores, e com estas obras bonitas e com o turismo e o alojamento local no Bairro da Graça, quem lá mora tem imensas dificuldade em estacionar o carro, entre outras coisas.
    E já agora, a cidadania é para todos, não sei se o sr. Cipriano percebe a dica…

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend