O mistério dos retrovisores vandalizados que está a agitar dois quarteirões da Lapa

REPORTAGEM
Samuel Alemão

Texto

VIDA NA CIDADE

Estrela

23 Fevereiro, 2018

(A Junta de Freguesia da Estrela informou O Corvo de que, entretanto, o presumível responsável pelas acções de vandalismo dos últimos meses terá sido detido pela PSP, durante a madrugada desta sexta-feira, 23 de fevereiro)

 

Por entre os raios de sol do princípio da tarde em que se banha, de mãos nos bolsos, na esquina das ruas de Buenos Aires e da Sant’Ana à Lapa, Manuel Delgado, 71 anos, garante estar quase a ser resolvido o grande caso, dos últimos meses, naquelas bandas. “Sei que a polícia está a pôr agentes à paisana a circularem por aqui, a ver se o apanham. Já não falta muito para lhe meterem a mão em cima”, assevera. O porteiro do 26 da Buenos Aires, prédio que viu construir, em 1972, quando veio do “Ultramar”, está empenhado no apertar do cerco à pessoa ou grupo que, desde o final do ano passado, tem causado o caos naquela zona.

Os actos avulsos de vandalismo, cada vez mais frequentes, contra automóveis estacionados na via pública, mas também edifícios, tiraram o sossego a este recanto abastado da cidade, habituado a uma certa pasmaceira. E estão a revelar-se um caso de difícil resolução. Os retrovisores dos carros são o alvo preferencial. Apenas na madrugada desta quarta-feira (21 de fevereiro), foram roubadas ou danificadas uma dúzia de viaturas. E, na noite seguinte, pelo menos uma outra viu um dos seus espelhos partidos. A situação está a preocupar o presidente da Junta de Freguesia da Estrela, à qual muitos se dirigem em busca de explicações.





Embora esteja por descobrir quem se dedica a tais actividades, existe uma forte suspeita de a mesma ser obra de um só indivíduo. “Não sabemos quem foi, mas suspeita-se que será apenas uma pessoa, com perturbações mentais”, diz Manuel Delgado, de cujo automóvel desapareceu o espelho retrovisor por duas vezes em novembro e outra em janeiro. “É que ele não faz isto para roubar, é só para destruir. Muitos dos espelhos que não são partidos são encontrados, depois, nos contentores do lixo e nas papeleiras”, explica o porteiro, numa versão ouvida diversas vezes, por O Corvo.

“Isto começou em agosto passado, com alguns casos, e agora tem aumentado. Os retrovisores aparecem no chão ou nas papeleiras”, conta Filipe Correia, que explora o quiosque tabaco e jornais mesmo em frente. Há, contudo, quem garanta que o início destes problema apenas sucedeu em dezembro. Certo é que a sensação de insegurança se intensificou nos últimos dois meses. Desde então, têm aumentado a frequência e a dimensão dos actos de sabotagem.

ocorvo_23_fevereiro_2018_lapa2

Tanto que o que começou por parecer um conjunto disperso de ocorrências de vandalismo, aparentemente sem ligação entre si, foi crescendo, até se transformar no “caso” que está a dar que falar no perímetro compreendido entre a Rua de Sant’Ana à Lapa, a Travessa do Moinho de Vento e a Rua de Buenos Aires. Dois quarteirões em sobressalto. Razão suficiente para as conversas dos vizinhos desembocarem muitas vezes no tema.

“Está a tornar-se muito regular, quase diário. Como é óbvio, isto é um incómodo muito grande para as pessoas. Não me lembro de um desrespeito pela propriedade tão grande aqui nesta zona”, comenta a O Corvo Luís Newton (PSD), presidente da Junta de Freguesia da Estrela, que diz estar em contacto diário com a PSP. “Eles estão a acompanhar o caso, mas não está fácil”, admite.

O autarca confirma que as suspeitas recaem sobre um indivíduo, ainda por identificar. “Tudo aponta para que seja o trabalho de uma só pessoa”, diz o presidente da junta, à qual muitos recorrem, queixando-se das cada vez mais frequentes situações de vandalismo contra automóveis – além dos preferenciais retrovisores, outro alvo frequente têm sido as hastes dos limpa pára-brisas -, mas também contra edifícios. “Uns clientes nossos contaram que lhe meteram palitos e fósforos nas fechaduras das portas dos prédios”, conta uma farmacêutica da Rua da Lapa.

ocorvo_23_fevereiro_2018_lapa3

Uma cenário relatado também num salão de cabeleireiro situado na Rua Buenos Aires. Paula Oliveira, dona do estabelecimento ali instalado há 18 anos, e residente em Alfragide, viu desaparecer, por duas vezes, no mês passado, o espelho retrovisor do seu carro. Algo que aconteceu durante o dia, único período em que tem o automóvel estacionado na zona. “Isto é muito chato, é um prejuízo”, constata. Outra moradora, Maria Marecos Duarte, diz a O Corvo que, desde que esta vaga destruidora teve início, já vai no quinto espelho retrovisor substituído.

Em frente do salão de beleza, está estacionada uma carrinha Mercedes a quem foi partido o espelho retrovisor do lado direito, na última madrugada. Garante-se a O Corvo que já é a segunda vez que o fazem àquele veículo. Ao lado, fica uma pastelaria, à porta da qual está a fumar Rosa Araújo, também ela dona de um cabeleireiro, mas na Rua de Sant’Ana à Lapa. “Desde de dezembro que eles andam aí. Só numa semana, roubaram-me três vezes o botão da campainha do meu salão”, conta, antes de revelar a solução encontrada para lidar com a situação: comprou uma sineta.

Ante a reconhecida dificuldade da PSP em atender às solicitações da população que a ela se dirige – algo que acontece um pouco por toda a cidade de Lisboa -, o presidente da Junta de Freguesia da Estrela recorda que gostaria de ver as juntas assumirem competências na área da segurança. “Poderíamos, por exemplo, assegurar o reforço dos meios financeiros das esquadras da nossa área, ajudando a suportar os custos de funcionamento”, diz Luís Newton.

MAIS
REPORTAGENS

COMENTÁRIOS

  • calceteiro de lisboa
    Responder

    no caso das viaturas estacionadas em cima do passeio, até deviam era partir os dois retrovisores…

  • Filomena
    Responder

    Não será que isso acontece a carros mal estacionados em cima dos passeios a impedir a passagem dos peões? Se for esse o caso, o que a polícia deve fazer é multar os carros em vez de andar atrás de quem está farto de ter de circular pelo meio da estrada, sujeitando-se a ser atropelado (e ainda ser considerado responsável pelos eventuais danos que a viatura sofrer).

  • Paulo Só
    Responder

    Vou de certa forma no sentido da Filomena. Deixei o meu carro na rua de São Domingos num lugar, só depois reparei, reservado aos moradores com dístico para aquele local. Eu tenho dístico para a zona, mas não para aquele local. Dois dias depois quando fui buscar o carro, tinham tirado as palhetas dos limpa-vidros. Analisei a questão: os 4 outros carros parados naquele local tinham o dístico de moradores, só o meu não tinha. E nada lhes acontecera. Conclusão: foi um morador que arrancou as palhetas do meu carro. Portanto não coloquem tudo sob o signo da insegurança e do vandalismo. Vandalismo é coisa comum entre os donos de carros de Lisboa, por exemplo aqueles que param na linha do eléctrico. As ruas de Lisboa são um campo de batalha e de privilégios. Aquelas 4 ou 5 vagas da São Domingos são privativas de um prédio onde mora um figurão da política.

    • jo in
      Responder

      envie-me quem é o politico para eu investigar.

  • Anónimo
    Responder

    E portanto concorda que se faça justiça pelas próprias mãos?
    Ao que chegámos.
    Será que as pessoas que aqui comentam ao menos pensam um pouco antes de escrever?!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend