As escadas rolantes da estação de metro Baixa/Chiado são um verdadeiro mistério. E uma dor de cabeça. Com mais frequência do que seria expectável, fica inoperacional um ou dois dos quatro lanços que garantem o acesso ao Chiado, a extensão mais longa e íngreme de ligação à rua. É certo que os médicos, sobretudo os cardiologistas, aconselham o uso frequente de escadas convencionais como forma de manter a saúde. Mas, por vezes, até o mais empedernido adepto da forma física precisa de uma ajudinha de meios mecânicos para contornar as barreiras e declives. Por isso, são cada vez mais os que perdem a paciência e já não se satisfazem com os pedidos de desculpa – mesmo que eles venham com uma vírgula entre o sujeito e o predicado. É que, de há um par de anos para cá, são muitos, e às vezes prolongados, os períodos de inactividade verificados nas escadas rolantes que dão acesso à mais cosmopolita zona da cidade.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Susana Simplício
    Responder

    empededernido ?

  • Susana Simplício
    Responder

    O que menos percebo é que geralmente é a do lado que sobe que está parada. Se as que descem funciona, porque não mudar o sentido delas? É que sempre é mais fácil descer do que subir. Como se costuma dizer: A descer todos os santos ajudam.

  • Frederico Duarte
    Responder

    Terá sido por causa do fim da Baixa-Chiado PT Bluestation? A PT deixou de pagar o arranjo?

  • Manuela Rocher
    Responder

    É sintomático. Já me aconteceu por duas vezes, mas numa delas deparei-me com os quatro lances “inertes”. A escalada foi penosa e o fôlego, a partir do segundo lance, começou a fraquejar. A técnica é a do ritmo de “endurance”. Que belo retrato de Portugal pois deve ser a estação mais movimentada da baixa Pombalina, noite e dia.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com