A construção de um novo acesso ao parque de estacionamento subterrâneo do Marquês de Pombal, localizado no topo Sul do Parque Eduardo VII, vai eliminar 291 metros quadrados de espaço público naquele sítio central da cidade. A situação, que foi denunciada, na tarde desta segunda-feira (4 de janeiro), pelo grupo de activistas Fórum Cidadania LX, através de um comunicado, representará também uma mudança substancial da morfologia de um local que, nos últimos anos, tem funcionado como um dos principais pontos de acesso à Feira do Livro de Lisboa.

 

No curto comunicado, solicita-se um esclarecimento à Câmara Municipal de Lisboa, e ao vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, “quanto ao que se passa no topo Sul do Parque Eduardo VII, no que se configura serem os preparativos para uma escavação, quiçá de uma nova saída para o parque de estacionamento ali existente, o que, a confirmar-se, irá certamente destruir mais uma importante parcela daquele jardim”. E, de seguida, questiona o vereador “sobre se a referida escavação terá tido a aprovação dos serviços dos Espaços Verdes da CML”, que são tutelados pelo seu colega José Sá Fernandes.

 

Parque-Eduardo-VII (4)

 

Questões que acabam por assumir carácter quase retórico, uma vez que pelo menos uma delas encontra resposta numa das fotografias que acompanham o comunicado, e na qual se vê a obrigatória placa informativa sobre a obra. Nela pode ler-se que se trata, de facto, do “novo acesso ao Parque do Marquês do Pombal” e a entidade promotora é a Empark, empresa que explora diversos parques de estacionamento subterrâneo em Lisboa. Na referida placa constam ainda, entre outros dados, o número da autorização camarária, as áreas bruta e de construção total – que ocuparão os mencionados 291 metros quadrados – e o prazo para o fim da obra, 31 de Março próximo. O parque tem capacidade para 1081 veículos.

 

Texto: Samuel Alemão            Fotografias: Fórum Cidadania LX

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Novo acesso ao estacionamento do Marquês encolhe Parque Eduardo VII   https://t.co/TQsQBsMkIQ #lisboa

  • Isabel Máximo Correia
    Responder

    Destruam já tudo para poupar dinheiro e espaço. Ultimamente a Câmara Municipal de Lisboa não tem feito nada que preste…e ainda a propósito da taxa da protecção civil…o quartel dos bombeiros do Beato ainda continua a cair aos bocados…onde estão esses milhões!? Já sei! No fogo de artificio que houve no ano novo…

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com