Nova face do Cais do Sodré e do Corpo Santo é inaugurada neste fim-de-semana

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

URBANISMO

Misericórdia

16 Março, 2017


As previsões meteorológicas são animadoras. E podem bem servir como dose extra de motivação para a população de Lisboa sair à rua, neste sábado (18 de março), e assim ficar a conhecer o aspecto final da intervenção de requalificação do espaço público na zona do Cais do Sodré e do Corpo Santo – incluindo o Jardim Roque Gameiro, frente à estação de comboios. Algo que, na verdade, já há semanas, estava à vista de todos, como o Corvo havia feito notar. Existiam ainda alguns trabalhos em curso, que estão agora terminados, colocando-se assim um ponto final na intervenção iniciada em Dezembro de 2015. O momento representa também o epílogo nas intervenções numa área da cidade marcada, há mais de duas décadas, pela desarrumação do espaço público e por obras diversas.

Além de valorizarem as zonas intervencionadas, as obras agora inauguradas permitem “melhorar a mobilidade pedonal, com a ampliação dos passeios, a construção de novas zonas de estar e de encontro multigeracional, bem como a introdução de novas zonas de estadia e lazer”, sublinha a Câmara Municipal de Lisboa (CML) em comunicado. São evidentes, por isso, as razões para celebrar. E a CML, à imagem do que fez em Janeiro passado para assinalar o fim da intervenção de reabilitação do Eixo Central, entre o Marquês de Pombal e Entrecampos, preparou agora uma festa de inauguração da zona do Cais do Sodré, que decorrerá durante a tarde e o princípio de noite deste sábado – durante o qual se prevêem condições atmosféricas e temperaturas primaveris.

Sob o mote “A Rua é Sua – Venha descobrir o novo Cais do Sodré”, entre as 14h e as 20h30, haverá lugar para um programa com a  promessa de se encherem as ruas de cor e animação, com recurso a DJ´s, música ao vivo, bancas de street food e artesanato. A partir das 17 horas, realizar-se-ão dois concertos com entrada livre: primeiro, B Fachada interpreta temas de Zeca Afonso e, a finalizar, actuam os Dead Combo.  “Venha descobrir um jardim com vista para o Tejo, agora com mais espaço para as pessoas. Lisboa redescobre o Rio que a viu nascer. Finalmente, o Tejo volta a ser nosso”, apela a câmara municipal.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend