Nos Anjos há uma mercearia portuguesa que sobrevive à gentrificação

REPORTAGEM
Sofia Cristino

Texto

VIDA NA CIDADE

Arroios

10 Abril, 2018

Numa altura em que Lisboa assiste ao encerramento de várias lojas centenárias, há uma mercearia tradicional portuguesa que resiste à pressão imobiliária e ao boom turístico. Instalado na Rua de Timor, nos Anjos, desde 1948, João Carreiro, dono da loja, diz que só continua pela “boa vontade”. Trabalha ali desde os 12 anos, quando veio viver para a capital, e tem saudades de uma rua “repleta de movimentação”. A mulher, Georgete Carreiro, também está desiludida com as transformações do bairro. “O turismo é que deu cabo de nós, porque tirou-nos os moradores e trouxe os estrangeiros, que não compram praticamente nada. Trabalhamos das 9h às 20h30 para receber uma esmola”, explica Georgete. É de sorriso no rosto, contudo, que recebem os já escassos clientes. Afinal, é a única forma de subsistência que conheceram toda a vida e gostam do que fazem.

“Aquele prédio só tem um inquilino. Naquele, lá em cima, vivem duas pessoas. E, este, em frente, já só tem dois moradores. Um já tem ordem de despejo”, conta João Carreiro, 83 anos, proprietário da mercearia mais antiga do bairro dos Anjos, enquanto aponta para a rua vazia, outrora repleta de vida.

“Esta rua era muito movimentada, era um centro comercial. Havia uma charcutaria, uma padaria, uma retrosaria, um sapateiro, um alfaiate e duas mercearias. Agora, somos só nós, mas chegamos a ser quatro”, diz, enquanto olha para a mulher, Georgete Carreiro.

 

A Frutas e Bebidas, situada no início da Rua de Timor, é das poucas mercearias tradicionais portuguesas que resiste à pressão dos senhorios para os inquilinos fecharem os espaços comerciais onde, muitos vezes, trabalharam toda a vida. Mas há uma explicação. “Acabei por comprar esta casa, se não de certeza que já não estava aqui, como os outros”, explica. O que o faz continuar a trabalhar, de manhã à noite, diz, é mesmo a “boa vontade”.

Por ali passaram ex-ministros, advogados e médicos, cantores conhecidos, como o Marco Paulo e o Rui Mascarenhas, e a fadista Anita Guerreiro. “Tenho saudades desses tempos. De há dez anos para cá, piorou bastante, isto está reduzido a nada. Éramos uma família, conhecíamos toda a gente. O que mais nos custou foi perder essa componente familiar. E vamos perder mais pessoas, porque muitos receberam ordem para saírem na véspera do Natal, o que também não se faz, é desumano”, critica o dono da mercearia, que trabalha ali desde os doze anos.


 

A viverem há 60 anos nesta parte da cidade, o casal mais acarinhado do bairro sente-se desiludido com as transformações que têm vindo a acontecer em Lisboa, fruto da pressão imobiliária e do boom turístico. “O turismo é que deu cabo de nós porque, por um lado, tirou-nos os moradores e, por outro, trouxe os estrangeiros, que não compram praticamente nada. Vêm cá buscar uma laranja ou uma banana e, às vezes, uma bebida. Trabalhamos das 9h às 20h30, para receber uma esmola”, explica Georgete.

ocorvo10042018mercearia3

Há de tudo um pouco: bebidas, bolachas, frutas, legumes e "boa vontade".

Apesar do negócio já dar mais despesa do que lucro, garantem que não está nos planos fecharem. “Estão-nos a cercar de uma maneira que, um dia, talvez, encerramos mesmo. Mas, para já, não vamos fechar. O meu marido não gosta de ir para o jardim jogar às cartas e eu gosto de estar aqui também. A nossa reforma é baixinha e, aqui, sempre nos entretemos”, diz, ainda.

 

Natural de Castro de Aire, João Carreiro mudou-se para Lisboa em 1947, altura em que começou a trabalhar num quiosque, na que é hoje a freguesia do Parque das Nações. Um ano depois, a mercearia abria portas e Carreiro iniciava aquela que viria a ser a sua profissão até hoje. “Entrava às 5h e saía às 22h30, tínhamos sempre muito trabalho. De manhã, sentia-se um cheirinho tão bom a café, que os clientes espreitavam só para ver o que era. Vendíamos café moído”, recorda, nostálgico, enquanto olha para a antiga máquina de moagem, em cima do frigorifico onde guarda alguns congelados. “Muitos turistas perguntam-me se a vendo, mas com esta não têm sorte. Quero ficar com ela”, diz, entre risos.

 

Tal como esta máquina centenária, guardam, ainda, uma balança romana, um medidor de azeite e vinagre, uma pá de trigo, entre outros utensílios que foram caindo em desuso. Chegaram a vender feijão avulso, bacalhau demolhado e outros produtos frescos. Acumulam vários artigos enlatados, frascos e frasquinhos de especiarias, empilhados uns por cima dos outros, mas bem arrumados, embalagens de chocolates e caixas de bolachas, garrafas de vinho de várias partes do país e licores, alguns doces tradicionais e fruta, à espera de um comprador.

 

Os resquícios do espírito de proximidade que sempre se viveu ali ainda se vão sentindo pela presença do carteiro, que deixa na mercearia algumas cartas dos moradores que não estão em casa no momento da entrega. “Veja lá se não há nada para mim”, questiona Fátima Antunes, 61 anos, moradora ali há 27 anos.

 

 

Vive no terceiro andar de um dos prédios situados em frente à mercearia, mas não será por muito mais tempo. Recentemente, recebeu uma ordem de despejo e, até 2020, vai ter de abandonar a casa onde viveu uma grande parte da vida. “O que está a acontecer é um escândalo. A lei não nos protege. Ainda ponderamos comprar o andar, mas pedem-nos um valor exorbitante. Não sei para onde vou morar, porque na periferia os preços também já começam a aumentar”, diz Fátima, que vive com o marido.

 

“As primeiras transformações começaram com a emigração. Quando vim para aqui morar, era um bairro de famílias. Agora, nem tenho uma vizinha a quem pedir ajuda, se precisar de alguma coisa. O meu apartamento está todo convertido em Alojamento Local. Quando saio de casa, só encontro espanhóis, franceses e italianos. Não tenho nada contra eles, mas sinto falta da vizinhança. É uma angústia muito grande, perdeu-se tudo. Já só tenho a mercearia”, lamenta.

 

“O governo está a ganhar muito com a taxa turística e os impostos. Mas que raça de governação é esta, que privilegia todos menos os portugueses que trabalharam uma vida inteira?”, questiona Georgete Carreiro, com um olhar desiludido, mas sem perder a esperança. “Acredito que isto vai mudar, porque um dia tudo acaba, Lisboa sai de moda e o turismo termina”, conclui.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend