Nos 50 anos da Marítima de Xabregas

REPORTAGEM
Rui Lagartinho

Texto

Paula Ferreira

Fotografia

VIDA NA CIDADE

Beato

15 Abril, 2016


Inaugurada em 1966, a “Marítima de Xabregas” é um dos restaurantes preferidos dos lisboetas que gostam de comida tradicional portuguesa e de almoços sem pressa. O Corvo foi até à zona oriental da capital conhecer um pouco da história do que começou por ser uma casa de pasto. Quando surgiu, dava de comer aos que trabalhavam na actividade portuária e nas fábricas da zona. Hoje, é uma referência gastronómica da cidade.

No mesmo ano em que Lisboa ganhava, finalmente, uma ponte sobre o Tejo, um pouco mais a leste abria uma enorme casa de pasto, um tipo de estabelecimento popular especializado em servir vinho a copo e petiscos vários.

A Marítima de Xabregas encaixava na perfeição naquela Lisboa Oriental que os Filipes espanhóis desenvolveram a partir do final do século XVI e da qual restam palácios e quintas. A proximidade do porto comercial, com a sua chusma de camionistas e despachantes oficiais, e algumas fábricas importantes, acrescentadas pelo século XX, povoaram o resto do espaço.

Para quem não morava nem ali trabalhava, a zona era de passagem obrigatória para os que regressavam de um passeio familiar domingueiro passado, por exemplo, a ver os hidroaviões da Doca dos Olivais.

Por essa altura, já Guilherme Marçal, Veríssimo Correia e José Pereira, vindos dos distritos de Coimbra e Viseu, tentavam a sorte na capital, trabalhando na restauração de Lisboa – que, na altura, se dividia entre galegos e beirões. Uma experiência que se viria a revelar essencial, mais tarde, na Marítima.

ocorvo_15_04_2016_maritima_xabregas_02

Em 1983, Guilherme Marçal deixa a baixa da cidade, nas Portas de Santo Antão, e ruma a Xabregas: “Quando eu disse que vinha para aqui, disseram-me que eu estava doido, mas resolvi apostar”, conta ao Corvo, com evidente orgulho, o porta-voz dos três sócios.

Depois de grandes obras de renovação que a transformaram num acolhedor restaurante, nascia o espaço que hoje conhecemos: sala ampla, com mesa posta para quase 150 comensais, que funciona como a cantina diária dos despachantes oficiais, um dos restaurantes familiares preferidos pelos lisboetas.

ocorvo_15_04_2016_maritima_xabregas_03

Um pargo legítimo e uma enorme garoupa dão-nos as boas vindas, acompanhadas de postas de bacalhau demolhado com quase dez centímetros de altura à espera de grelha, azeite a ferver e batatas a murro. O bacalhau é o ex-libris da casa, mas a sazonalidade dita também as novidades da ementa: por estes dias, por exemplo, há sável frito.

E, depois, há pratos já difíceis de encontrar e fora de moda, mas capazes de fazer quem gosta deslocar-se de longe: não são muitos os restaurantes que ainda propõem rim grelhado. E o que não há num dia pode haver no seguinte, basta telefonar: “Temos clientes que ligam a pedir um prato e nós fazemos”, conta Veríssimo Correia.

“Com o fim dos despachantes oficiais, perdemos movimento, mas já tínhamos amigos suficientes para manter a casa. Aguentamo-nos com esse público fiel”, orgulha-se José Pereira.

ocorvo_15_04_2016_maritima_xabregas_04

Entretanto, já Lisboa ganhara outra ponte sobre o Tejo e uma exposição internacional que chamou de novo gente para a zona oriental da cidade.

Os três sócios comandam uma equipa de doze pessoas e, embora já sejam pessoas crescidas, aqui ninguém pensa em reforma. Assim, o charme de uma Lisboa de outros tempos vai-se mantendo nas travessas da Marítima que aterram na mesa.

Marítima de Xabregas
Rua Manutenção 40/2
Beato

Telefone: 218 682 235

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

Comentários
  • Rafaela Rodrigues Portinha
    Responder

    Tio, é a Rafaela. Pode-me dizer se o restaurante já estava abeto ou vocês o abriram? E em que ano ?

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend