“O Corvo” resolveu ir conhecer os ateliers de alguns artistas plásticos que vivem e trabalham na capital. Espaços privados onde nascem sorrateiramente criações que, depois, se tornam públicas.  Quem entra neles espreita a alma de quem os habita.

 

Texto: Rui Lagartinho      Fotografias: David Kong

 

Quando Ana Vidigal decidiu habitar o piso térreo de um prédio pertencente à sua família, em Alfama, não imaginava partir, um dia, à conquista do andar nobre. Mas quando, na viragem do século, a escola que funcionava no primeiro andar fechou, a artista não perdeu a oportunidade de passar a dispor de um espaço à sua medida.

Metade casa, metade atelier: “poderia ter escolhido trabalhar na parte da casa que está virada para o Tejo, inundada de luz e de barcos. Mas, francamente, achei a perspectiva entediante. Prefiro o lado que dá para a rua”, confessa-nos a artista.

 

atelier (3)

 

Explique-se que esta não é uma rua qualquer. É uma espécie de Broadway de Alfama. Atravessa-se, serpenteando-a. Inclinada, ou não estivéssemos em Lisboa. Se a janela estiver aberta, entram os sons da aldeia, que, regulares, de acordo com Ana Vidigal, são o seu relógio: “Quando ouço até amanhã senhor Carlos, já sei que são sete horas da tarde, altura em que os comerciantes fecham as lojas e se despedem do alfaiate, que é sempre o último a fechar portas”.

No dia em que visitámos o atelier, uma enorme colagem preenchia na totalidade uma das paredes do espaço. A obra ainda está longe de estar terminada, mas o espaço em volta parece indicar o contrário. Tudo limpo e arrumado, pincéis lavados, tintas no sítio.

Quem persegue a ideia romântica de um atelier como espaço caótico, estereótipo do artista submergido em tempestades internas, pode ficar desapontado: “ A minha linha de trabalho é cirúrgica. Não consigo trabalhar com desarrumação. É a minha única exigência, que aliás é feita de mim para mim. De resto, trabalho em qualquer lado. Gosto de estar onde neste momento estou, mas se amanhã tiver que ir trabalhar noutro lado, adapto-me sem problemas.”

 

atelier (14)

 

Tudo a postos para o dia seguinte de trabalho, que pode ser noite, se a artista lhe apetecer calçar as pantufas e quiser, de repente, vir perceber como é que a cola aplicada em cima de uma revista de arte dos anos oitenta do século passado está a secar.

Em Março de 2014, Ana Vidigal tem uma nova exposição individual de pintura na galeria Baginski.

 

atelier (10)

atelier (19)

atelier (15)

Comentários

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com