No Areeiro, abrem e fecham lojas em poucos meses, mas nas avenidas principais o comércio consolida-se

REPORTAGEM
Sofia Cristino

Texto

DR

Fotografia

VIDA NA CIDADE

Areeiro

14 Fevereiro, 2019

Alguns comerciantes da freguesia dizem que nunca assistiram a uma volatilidade “tão grande” das lojas. Em poucos meses, abrem e fecham espaços comerciais, por não conseguirem suportar as rendas – que, no último ano, subiram nas zonas históricas e no centro de Lisboa. Os valores pedidos naquele bairro terão aumentado “consideravelmente”, queixam-se vários lojistas. Diversos edifícios foram recentemente vendidos e muitos comerciantes já saíram ou terão de o fazer em breve. Apesar disso, a associação Vizinhos do Areeiro contabilizou menos seis dezenas de lojas vazias em relação a 2018. Uma dinâmica insuficiente, porém, para afastar receios sobre o futuro do comércio na zona, porque os espaços vazios “não geram riqueza económica”. Mas a associação de comerciantes do Areeiro, representativa das avenidas principais, assegura que o panorama até estará a melhorar. A freguesia está a receber mais estrangeiros, que ajudam ao aumento do volume de negócios de alguns estabelecimentos.

Maria Custódia Silva, 74 anos, proprietária de uma loja de roupa para crianças, já perdeu a conta de quantas lojas abriram e fecharam, no último ano, na Avenida João XXI, na freguesia do Areeiro. O bairro está em transformação e, segundo quem lá trabalha, assiste-se a uma enorme volatilidade dos espaços comerciais. “No período de três anos, esta já é a quarta loja a instalar-se aqui”, diz Maria, apontando para uma agência de viagens, ao lado do seu estabelecimento. Antes, funcionaram ali uma loja de decoração de interiores e outras duas de vestuário. A lojista não consegue precisar o período de funcionamento de cada espaço comercial, mas garante que foi “muito curto”. E arrisca uma explicação. “Ninguém aguenta as rendas altíssimas desta avenida, que subiram muito, nos últimos três anos. Eu só me mantenho porque tenho outras fontes de rendimento, se não também já teria fechado”, diz.

Segundo um estudo recente da consultora JLL, as rendas das lojas de rua, em Lisboa, subiram entre 3,8% e 20%, em 2018. Nas zonas históricas e no centro da cidade, a falta de oferta de imóveis pode pressionar ainda mais os preços e a tendência é as rendas subirem. Paula Santiago, consultora imobiliária da Remax Time, instalada na João XXI, ouvida por O Corvo, corrobora estes números e diz que os valores aumentaram “consideravelmente”. Além destes indicadores referentes ao arrendamento comercial, os dados mais recentes do INE (Instituto Nacional de Estatística) sobre o preço dos imóveis de habitação, no terceiro trimestre de 2018, divulgados há duas semanas, confirmam a manutenção da expressiva dinâmica de valorização imobiliária registada na capital, nos últimos anos. O Areeiro não foi excepção, com a média do metro quadrado vendido a fixar-se nos 2.729 euros, quando no terceiro trimestre de 2017 se havia transaccionado 2.333 euros por metros quadrado. Ainda assim, a freguesia foi uma das cinco em que os preços medianos e as taxas de variação face ao período homólogo foram inferiores aos da cidade de Lisboa (2.877 €/m2). Estes valores, se bem que relativos à habitação, deixam algumas pistas sobre os custos associados a uma loja naquela zona.

ocorvo14022019areeirolojas1

As ruas secundárias do Areeiro parecem escapar ao dinamismo sentido nas principais artérias da freguesia

Recentemente, um concessionário de automóveis e uma papelaria, instalados na João XXI há dezenas de anos, também fecharam por não conseguirem pagar o valor da renda. “A renda do stand subiu de 800 para 1600 euros. A papelaria foi uma situação mais dramática. A dona da loja fez obras de remodelação e, uma semana depois, recebeu uma carta de não renovação do contrato, não foram correctos”, conta. Uma loja de roupa em segunda mão, relata ainda, chegou a estar instalada, no espaço de pouco tempo, em três sítios diferentes – Praça de Londres, João XXI e noutro arruamento no centro do bairro -, mas também já fechou pelos mesmos motivos. “Quem não tem outro suporte financeiro, não aguenta aqui. Muitos comerciantes vêm na ilusão de que esta avenida é uma boa aposta, e depois desiludem-se. Sabemos que vai abrir um espaço novo e que a renda é de 1400 euros. Para suportar este valor, tem de se vender muito por dia. Esperemos que tenham sorte, mas acho que vão fechar”, antecipa Maria Custódia Silva.

 

Nos arruamentos adjacentes às avenidas principais, também se teme pelo futuro. Na Rua Cervantes, que liga as avenidas João XXI e de Madrid, Fernando Gameiro, 57 anos, vende vários tipos de peixe e marisco, no rés-do-chão de um prédio, há quase duas décadas. Mas poderá ter de sair em breve. “O edifício foi todo vendido, em 2014, e fizeram-me um contrato novo de cinco anos, que vai terminar no próximo mês de Maio. Se me propuserem uma renda muito elevada, tenho de fechar. Trabalho com mais desmotivação”, lamenta. Atento à dinâmica do bairro, Fernando Gameiro diz que as transformações são “enormes”. “O comércio do Areeiro está de rastos, desde 2012 tem assistido a uma queda vertiginosa. Quem abre aqui não se aguenta três meses”, lamenta. No período de quatro anos, abriu e fechou uma loja de produtos dietéticos e negócios mais antigos encerraram para darem origem a churrasqueiras, “que ainda vão tendo muita clientela” e restaurantes de tapas e petiscos, explica Fernando.

 

 

Na Avenida de Paris, o encerramento de vários espaços comerciais, no último ano, como a pastelaria S. João e outros cafés, poderá explicar a pouca movimentação ali sentida. “Um café ou um restaurante atraem sempre mais pessoas, e ajudam aos outros negócios. Chegámos a estar cheios, durante o dia, e, agora, há dias que nem entra ninguém aqui”, diz Vera Ricardo, 38 anos, funcionária de uma loja de produtos de medicina alternativa. O espaço mantém-se, explica, porque ainda recebe muitos clientes de outros bairros, e até de fora de Lisboa. “Há um médico que vem aqui dar consultas, e ainda há muitas pessoas a procurarem-no”, acrescenta.


 

No número quatro desta avenida, André Santos, 37 anos, é o único a dar continuidade a um negócio familiar, provavelmente o mais antigo daquela artéria.  “Sempre existiu uma grande flutuação dos negócios nesta zona, mas nos últimos anos sentiu-se mais. Apesar de a mim não me afectar, porque não vivo do comércio de rua, prejudica muitos dos meus colegas. Muitas pessoas deixam de ir a uma rua quando sabem que fechou lá a loja onde costumavam ir. É péssimo estarem sempre a abrir e a fechar”, diz o dono da La Ferrovie de Paris, uma loja especializada em modelismo ferroviário, a funcionar ali há mais de trinta anos. Já Vildana, costureira, chegou apenas há dois anos, e está feliz com a escolha daquela parte da cidade para trabalhar. “Vou tendo clientes, tenho é mais dificuldade em encontrar quem queira trabalhar comigo”, diz, apressada, enquanto prega botões a uma camisa. “Ninguém quer costurar, hoje em dia, e é pena”, afirma.

 

 

O bairro residencial, constituído maioritariamente por uma classe média-alta, tem assistido a uma transformação da malha social, nos últimos anos. Apesar da mudança não ser tão gritante como noutras zonas da capital, há mais estrangeiros a escolherem aquela parte da cidade para viverem. Mafalda Maria, 46 anos, confirma esta realidade, todas as semanas, na sua loja de vinhos, na Avenida de Madrid. “Tenho uma cliente americana, de Washington, que compra dezenas de garrafas. Agora está fora, mas tem casa aqui no Areeiro. Tenho imensos clientes italianos, brasileiros e chineses, e são moradores no bairro. Não me posso queixar, o volume de negócios até tem melhorado”, conta. Mafalda Maria reconhece, porém, que não é fácil manter uma loja ali. “O vinho bebe-se sempre, em período de crise ou em festa. Há aqui muitas lojas, cabeleireiros e restaurantes principalmente, que não resistem muito tempo. Além do tipo de negócio, que tem muita concorrência, queixam-se do valor das rendas”, explica.

 

Na Avenida de Madrid, vários comerciantes corroboram este cenário. Rosário Marques, 48 anos, trabalha há uma dúzia de anos nesta artéria e deita as mãos à cabeça quando se fala no aumento do valor das rendas. “Por este espaço aqui ao lado, minúsculo, estão a pedir 500 euros. A partir daí, é sempre a galopar. Isto é normal?”, questiona, acelerada. A dona da lavandaria e engomadoria, que também presta outros serviços de limpeza, queixa-se ainda da falta de segurança na zona. “Somos uma rua secundária, muitos só vêm aqui de passagem. Há uns dias, assaltaram-me e levaram dinheiro da caixa. A polícia nunca anda aqui e, se houvesse mais movimentação e comércio, talvez não nos tentassem assaltar”, critica.

 

 

A poucos metros, uma padaria quase centenária, testemunha uma Lisboa mais antiga, quase em extinção. “Já há poucas deste género”, diz Laurinda Fialho, 59 anos, empoleirada na bancada de mármore. “Os salários são baixos, não é fácil subsistirmos, mas ainda temos muitos clientes antigos com os quais mantemos uma boa ligação. Esse é o segredo”, explica. A comerciante ainda paga uma renda acessível, mas já assistiu ao encerramento de várias lojas à sua volta. “Há dois anos, as rendas subiram a pique, os valores são exorbitantes. Perdemos, também, muitos moradores, que voltaram para a terra-natal”, conta. O prolongamento das obras das estações de metro do Areeiro e de Arroios e o encerramento de algumas empresas também poderão ajudar a explicar o esmorecimento do comércio da zona. “Na Morais Soares, esbarrávamos uns nos outros. De um momento para o outro, a rua ficou moribunda”, diz, sobre a actual situação nas obras de Arroios. “O fecho das saídas do metro do Areeiro é vergonhoso, nunca mais abrem”, critica.

 

 

A associação de moradores Vizinhos do Areeiro tornou público, no passado dia 10 de Fevereiro, um levantamento das lojas vazias da freguesia. Segundo o grupo cívico, “a percentagem de lojas vazias é relativamente pequena”. “Onde estas existem em maior número é nos bairros mais residenciais, como os bairros dos Aviadores, Actores e Olaias. Isto tem a ver com a fraca capacidade de atracção de clientes de fora dos bairros, existente nessas zonas, e com os preços irrealistas do arrendamento cobrado”, lê-se. A análise só peca, explicam, por algo que não está ao alcance do grupo de cidadãos: “a dimensão dos espaços vazios”. “Este dado poderia revelar quais os espaços com maior procura”, escrevem. Um levantamento desta dimensão, assim como o registo do tipo de actividade comercial e os preços médios do arrendamento por freguesia, sugerem, deveria ser feito pela Câmara Municipal de Lisboa (CML) e pela Junta de Freguesia.

 

A associação de moradores diz ainda que haverá “uma extrema volatilidade nos negócios comerciais no Areeiro” e lamenta não conseguir detectar “as numerosas lojas que abrem e fecham num espaço de dois ou três meses. “O que revelaria uma volatilidade que, estimamos, ainda seria maior”, avaliam. Em 2018, segundo a análise da associação Vizinhos do Areeiro, haveria 236 lojas vazias no bairro e, em 2019, existirão 170, o que “reflecte aquilo que se observa nas ruas, mas especialmente nas mais comerciais (avenidas João XXI, Roma, Guerra Junqueiro e Praça de Londres)”.

 

Segundo Rui Martins, da associação dos Vizinhos do Areeiro, este fenómeno “é muito preocupante”. “Encerraram três repartições dos correios, vários balcões de bancos e continua a existir uma grande rotatividade de espaços comerciais, principalmente nas ruas secundárias. As lojas vazias não geram riqueza económica, e perdem-se muitos postos de trabalho”, lamenta. Outro fenómeno que estará a preocupar o colectivo de moradores é o aumento de espaços comerciais do mesmo ramo de negócio. “Florescem imobiliárias como ‘cogumelos’, nunca se viram tantas lojas de cigarros eléctrónicos e há imensas lavandarias self-service”, observa ainda.

 

Em 2016, o movimento cívico propôs à Junta de Freguesia do Areeiro que, à semelhança do que já se passa em Campolide, as compras no bairro fossem feitas através de uma moeda local. Esta poderia ser adquirida na junta, nos bancos, ou obtida de forma gratuita, sob a forma de um prémio por reciclarem o lixo, por exemplo. Algo que, acreditam, poderia ajudar à instalação de mais comércio no Areeiro. Desde 2013, todos os anos, os comerciantes das principais avenidas da freguesia aderem ao Areeiro Open Night, iniciativa da Junta de Freguesia do Areeiro para dinamizar o comércio local. De acordo com os comerciantes ouvidos por O Corvo, este evento é, todavia, insuficiente para as necessidades do bairro. “É apenas pontual, e muitas lojas ficam de fora. Precisamos de uma revolução no comércio e na forma como os senhorios e os arrendatários se relacionam”, sugere a lojista Maria Custódia Silva.

 

 

O dirigente da associação de comerciantes do Areeiro, Carlos Carvalho, tem, porém, uma perspectiva mais optimista. “Na zona que represento – Praça de Londres e avenidas Guerra Junqueiro, João XXI e Roma – há seis anos, tínhamos vinte lojas vazias. Hoje, temos seis. A procura subiu brutalmente e as lojas fecham porque abrem-se negócios desfasados da realidade. Não concordo que a subida das rendas seja a explicação para a rotatividade”, considera. O interesse dos lojistas por uma zona que esteve, durante algum tempo, “decrépita”, explica ainda, aumentou muito nos últimos anos e há vários “casos de sucesso”. “O panorama comercial está a melhorar. Na Avenida de Roma, há quatro lojas com história, com um grande dinamismo. Muitas vezes, as pessoas abrem lojas e não percebem que manter um negócio exige comunicação com o cliente, e que nenhuma loja nasce consolidada”, explica.

 

Carlos Carvalho, que é proprietário de uma mercearia no Areeiro, salienta que o aumento das rendas é “um problema de toda a cidade” e que muitos lojistas, que não conseguem pagar o valor das rendas, reposicionam-se noutras ruas da freguesia. Segundo o comerciante, a rotatividade das lojas “sempre foi um problema” da daquela área da cidade, principalmente na João XXI, porque as pessoas alteraram os seus trajectos e rotinas, nos últimos anos, e deixaram de passar nesta artéria.

MAIS REPORTAGEM

COMENTÁRIOS

  • Rui Martins
    Responder

    estas rendas estão desajustadas à real condição dos portugueses
    e turistas, por aqui, tirando, talvez a Guerra Junqueiro, não têm um peso significativo no consumo total.

  • Carlos Moura-Carvalho
    Responder

    A Open Night não é organizado pela Junta de Freguesia e sim pela Associação de Comerciantes. Assim com o Lisboa Halloween Parade. A Junta de Freguesia apoia as múltiplas actividades da Associação de Comerciantes que tem 150 associados, de todas as artérias da zona e não apenas das vias principais.

  • João Almeida
    Responder

    trabalho na av. João XXI â 43 anos e a avenida nunca esteve tão mal como agora, a gestão da cidade tem sido um desastre e isso fez com que tudo o que era escritórios e consultórios saísse daquela zona, hoje, depois da falência do Isaura, do Cunha, das Capri- cervejaria e pastelaria, (foram das primeiras a fechar)do Arado, enfim um enorme rol, tudo porque deixaram de ter clientes, restam O Pote , a Zurique, o Moinho, que já não é, pouco resta para animar o bairro. O numero de lojas vazias ou fechadas é muito maior que esse, mas nada vai melhorar porque a gestão da cidade é um desastre e a cidade está deserta de pessoas, mesmo as que há, vão fazer compras aos centros comerciais, restam os estrangeiros e mesmo esses tem pouco poder de compra.

Responder a Rui Martins Cancelar resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend