a-cojsyc_400x400

“Não sei o que é que vai ser da cozinha” – Apesar da Cozinha Popular (Uma parceria O Corvo + Qi News, com Lisboa no centro)

REPORTAGEM




Samuel Alemão

Textos

URBANISMO

VIDA NA CIDADE

Santa Maria Maior

16 Janeiro, 2018

O Corvo publica hoje a terceira e última parte da série de micro-reportagens em vídeo intitulada Apesar da Cozinha Popular, elaborada pela produtora de conteúdos factuais Qi News, com a qual iniciámos uma colaboração regular. A incógnita sobre o destino da instituição em torno da qual gravita esta mini-série, dedicada aos impactos causados pelas fortes alterações no mercado imobiliário em Lisboa, e em particular na Mouraria, é o tema do trabalho “Não sei o que é que vai ser da cozinha”. Uma reportagem para relembrar a importância dos que pouco ou nada têm, mas são fundamentais para conferir identidade a um bairro agora tão procurado por turistas e por investidores. “Não sei o que vai ser da Cozinha, quando já não existirem aqui pessoas a morar”, diz um dos responsáveis do projecto.

O centro de Lisboa está a mudar, radicalmente, à frente dos nossos olhos. Todos os dias são comprados e vendidos dezenas de apartamentos, prédios e espaços comerciais que são depois convertidos em casas para alojamento local, hostels, e lojas ou cafés virados para o visitante endinheirado e passageiro.

O tecido urbano está transformado. Onde antes havia associações locais (por vezes com valor histórico relevante), restaurantes familiares, creches, serralharias, costureiros e sapateiros há agora ruas inteiras dedicadas exclusivamente a pastéis de nata, azulejos, e bonés de cortiça.

Esta pequena série de webisódios – Apesar da Cozinha Popular – apresenta alguns casos, contados na primeira pessoa, relacionados com o processo de gentrificação no bairro histórico da Mouraria, bem no ventre da cidade de Lisboa. Acompanhámos várias pessoas envolvidas com a Cozinha Popular da Mouraria – uma associação que trabalha activa e directamente para a integração de pessoas mais vulneráveis no mercado de trabalho – para saber mais sobre esta realidade.

As alterações às leis das rendas, a pressão de um mercado imobiliário altamente especulativo, a re-orientação das massas de turismo, os benefícios fiscais atribuídos a pensionistas de outros países europeus, e medidas atractivas para investimento estrangeiro – como os infames “Vistos Gold” – são algumas das forças que se juntaram para formar uma tempestade perfeita que está a empurrar os lisboetas mais vulneráveis para os dormitórios da grande periferia da capital.

MAIS REPORTAGENS
Qi News

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend