Na Escola Maria Barroso, na Baixa, os alunos já comem em pratos de loiça

ACTUALIDADE
Sofia Cristino

Texto

VIDA NA CIDADE

Santa Maria Maior

28 Maio, 2018

Depois de quase um ano lectivo inteiro a comerem em cuvetes de plástico, os alunos da Escola Básica Maria Barroso, situada na Baixa, já fazem as refeições em pratos de loiça. A escola mais moderna de Lisboa foi inaugurada o ano passado sem a potência eléctrica necessária para confeccionar pratos ou lavar a loiça. Um problema que ainda não está resolvido, mas para o qual o vereador da Educação da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Ricardo Robles, encontrou uma solução provisória. Há cerca de duas semanas, parte da energia eléctrica foi redirecionada para a máquina de lavar a loiça, permitindo o funcionamento da mesma e, consequentemente, a utilização de pratos de loiça. A escola funciona em parte do edifício do antigo Tribunal da Boa-Hora, que também é utilizado pelo Instituto de Registos e Notariado.  A ideia é separar um ramal de energia de diferentes entidades de forma a que a escola tenha um quadro eléctrico novo, uma obra que está neste momento a avançar.

 

“Ao mesmo tempo que têm aulas sobre reciclagem, comiam em pratos de plástico. Temos esta cozinha extraordinária, totalmente equipada, era uma situação completamente irracional do ponto de vista ambiental. As mães protestaram muito e esta foi a melhor solução de recurso que encontramos numa zona da cidade já caracterizada por ter quadros eléctricos com pouca potência. Agora, estamos dependentes da EDP, que já nos deu várias datas que não cumpriu, mas esperamos que no próximo ano lectivo a cozinha esteja a funcionar na sua plenitude”, explica Robles, acrescentando que a primeira data apontada para a conclusão do novo quadro eléctrico foi o passado dia 15 de Maio. “Uma das missões, até ao final do ano civil de 2018, é pôr todas as escolas da cidade que ainda utilizam pratos de plástico com pratos de loiça”, promete, ainda, explicando os planos da autarquia para a eliminar o consumo diário de cinco mil cuvetes individuais na cidade.

Os encarregados de educação ainda chegaram a sugerir que os filhos levassem os próprios pratos e talheres de casa, uma hipótese que não foi aprovada pela escola – que considerou que poderia ser “perigoso andar com facas na mochila”. Segundo as contas da presidente da Associação de Pais, Catarina Ramalho, desde o início do ano lectivo já foram gastos 600 quilos de plástico, uma quantidade “desnecessária” de lixo numa escola para a qual se prevê a instauração de um Plano Municipal de Alimentação Escolar Saudável.

 

“É um contrassenso o que estava a acontecer nesta escola, ainda por cima estando incluída num programa de alimentação saudável”, dizia a encarregada de educação, num almoço que decorreu, na manhã desta segunda-feira (28 de Maio), no refeitório da escola, repleto de alunos entusiasmados com os pratos de loiça. Kathi Stertzig, encarregada de educação, também está satisfeita com as soluções encontradas, mas salienta que ainda há muito a fazer. “Foi um grande passo, mas não ter prato é só um problema dentro dos vários problemas. Se isto já podia ter acontecido, porque não o fizeram logo? Tivemos de nos manifestar e, passado cinco dias, resolveram o problema refazendo as ligações eléctricas. É uma falha muito grave do projecto inicial”, acusa.

Mas há outros problemas. A campainha da escola só toca no primeiro piso, o que obriga os pais, tal como na manhã em que O Corvo esteve na escola, a ligarem para o estabelecimento de ensino para abrir a porta. Há, também, um elevador que não está a ser utilizado, devido à falta de capacidade do sistema eléctrico do estabelecimento. A biblioteca só tem meia dúzia de livros, um jogo de tabuleiro e quatro computadores que ainda aguardam pela instalação de software, não podendo ainda ser utilizados, e o ginásio está completamente vazio.

 

“Estamos à espera de uma tranche do Ministério da Educação para livros e jogos. Todos os anos, há o concurso municipal Rede de Bibliotecas Escolares (RBE), ao qual nos candidatamos, mas ficamos de fora. Um dos critérios para nos facultarem livros é a área da biblioteca e como a nossa é pequena não nos incluíram. Temos muitas limitações de orçamento e verbas consignadas e, muitas vezes, andamos com receitas extraordinárias a fazer remendos. O dinheiro das Actividades de Enriquecimento Curricular (AECS) já foi desviado para pagar professores”, diz João Leonardo, director do agrupamento de escolas Baixa-Chiado.  João Leonardo explica, ainda, que a capacidade máxima da escola ainda não foi atingida e que terá de haver um planeamento faseado para que tal aconteça.

dav

Desde o início do ano lectivo, a escola havia produzido 600 quilos de desperdícios plásticos

A inauguração da escola esteve inicialmente prevista para 2013, mas só viria a acontecer em Maio de 2017. Um dos motivos do atraso foi a descoberta de vestígios arqueológicos relevantes, nomeadamente parte da Muralha Fernandina e “muitas ossadas”, informa o director da escola.  O estabelecimento de ensino tem 120 alunos de trinta nacionalidades e acolhe neste momento também estudantes da Escola Básica Ducla Soares, por se encontrar em obras.

MAIS
ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

Comentários
  • João Pedro
    Responder

    Espero que os alunos não partam a loiça e se o fizerem por falta de cuidado deviam ser obrigados a pagar

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend