Algumas das intervenções murais concebidas, há pouco mais de um mês, pelo artista britânico Tim Etchells, para vários locais da cidade de Lisboa, foram esta semana vandalizadas, dias antes de ele receber a medalha municipal de mérito, “grau ouro”. Etchells, que teve durante todo o ano de 2014 um residência artística na capital portuguesa, integrada na bienal Artista na Cidade, caracteriza-se pela sua intervenção multidisciplinar e viu os seus talento e trabalho reconhecidos, ao receber a distinção das mãos da vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, no sábado (15 de Novembro) à tarde, no Jardim de Inverno do Teatro São Luiz.

 

O Corvo pôde constatar, na tarde deste domingo, que pelo menos três das suas dez intervenções realizadas em diversos pontos de Lisboa ainda se encontravam vandalizadas. As intervenções consistiam em frases pintadas em muros. Os trabalhos do criador britânico, fundador e director artístico do colectivo Forced Entertainment, e que se expressa em áreas tão diversas como o teatro, a performance, o vídeo, a fotografia, as artes visuais ou a reflexão escrita, foram colocados numa dezena de sítios de Lisboa – a maioria no eixo ribeirinho -, no início de Outubro.

 

IMG_3203

 

A ideia partiu da Galeria de Arte Urbana (GAU) da autarquia, que convidou Tim Etchells “a escrever 10 frases para Lisboa, 10 frases que interpelem os lisboetas e transeuntes e os convidem a descobrir este artista”. Com execução a cargo dos artistas Daniel Teixeira e José Carvalho, as frases foram colocadas no muro do CCB, no muro AIP (Alcântara), Quinta do Cabrinha, Faculdades de Belas-Artes, Calçada de São Francisco, Calçada de Marquês de Tancos, Avenida Almirante Reis, Armazéns Abel Pereira da Fonseca, Galeria Filomena Soares e Armazém 23.

 

O certo é que alguém terá levado o programa à letra e se deixou interpelar pelas frases, ao ponto de tomar a iniciativa de sobre elas intervir. Por cima dos ditos idealizados pelo artista inglês, sempre com um carácter mais ou menos programático sobre o sentido da arte – “art that hurts”, “art that opens eyes” ou “art that remembers” -, foram feitos riscos em graffiti e, acima ou abaixo delas, apostas inscrições sem aparente ligação ou outro propósito que o da mera sabotagem. Isso acontece, pelo menos, nos casos da Faculdade de Belas-Artes, da Calçada de São Francisco e no muro do Hospital do Desterro, na Avenida Almirante Reis.

 

No momento da entrega da medalha de mérito municipal, grau ouro, a vereadora Catarina Vaz Pinto salientou tratar-se de uma distinção que o município entrega “a pessoas especiais em momentos especiais”. O projecto Artista na Cidade 2014 resultou da colaboração entre diversas entidades: o Alkantara Festival, o British Council, o Carpe Diem Arte e Pesquisa, o CCB, a Culturgest, a EGEAC, o Teatro Municipal Maria Matos, o Teatro Municipal São Luiz e o Temps d’Images.

 

Texto: Samuel Alemão

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa