Moradores pedem “revisão completa” da circulação automóvel nas Avenidas Novas

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

MOBILIDADE

Avenidas Novas

16 Junho, 2017


Uma enorme confusão. É desta forma que a Associação de Moradores das Avenidas Novas caracteriza o actual estado do esquema de circulação automóvel naquela zona da cidade. “Circular de carro, neste momento, nesta área central, é um verdadeiro inferno. Temos filas que começam frente à Casa da Moeda e vão até à Avenida de Roma. Há também filas dentro do túnel da Avenida João XXI, ao meio-dia, coisa que não existia antes. Tudo isto resulta das intervenções que têm andado a ser feitas pela Câmara Municipal de Lisboa sem ouvir as pessoas que aqui vivem e trabalham”, acusa José Toga Soares, presidente da associação, apelando à autarquia liderada por Fernando Medina (PS) para que “páre de fazer obras à revelia das pessoas que mais directamente são afectadas”. “Temos uma situação em que, de cada vez que a câmara mexe, estraga”, acusa.

Moradores pedem “revisão completa” da circulação automóvel nas Avenidas Novas

“Todo o esquema de mobilidade das Avenidas Novas tem que ser discutido”, afirma a O Corvo o dirigente associativo, replicando um dos pontos da petição por si dinamizada e que obrigará aos responsáveis camarários da mobilidade e ambiente a irem, em breve, dar explicações à comissão permanente de mobilidade e segurança da Assembleia Municipal de Lisboa (AML). José Toga Soares foi ouvido pelos deputados municipais, a 7 de junho, dos quais garante ter recebido compreensão em relação às queixas apresentadas. E se é verdade que estas dizem respeito ao conjunto dos problemas de mobilidade na área, o objectivo principal da recolha de assinaturas promovida pela associação de moradores é o de pedir à CML “que suspenda de imediato a introdução de uma via ciclável em sentido contrário ao do trânsito na Avenida Visconde de Valmor, por motivos de segurança”.

Moradores pedem “revisão completa” da circulação automóvel nas Avenidas Novas

Acusando a autarquia de insensibilidade por avançar com tal projecto sem auscultar os moradores, o texto da petição manifesta perplexidade pela construção de uma via ciclável “em contramão” e culpabiliza a câmara por se colocar “ao lado de interesses minoritários, sacrificando os interesses da maioria dos moradores”. O documento salienta ainda o facto de, alegadamente, a partir do final de junho, estar previsto o regresso da circulação em sentido único Sul-Norte na Rua Dona Filipa de Vilhena, obrigando os automóveis a ir para a Visconde de Valmor. Por isso, pedem à CML que estude o impacto da decisão de aí ter uma ciclovia, em contra-corrente com um grande caudal de tráfego viário. “Todas as forças políticas mostraram compreensão pelas questões colocadas por nós”, assegura José Soares, dando conta da sua audição na AML.

O responsável associativo afirma que a criação da ciclovia, nestes moldes, e as consequentes alterações no esquema de circulação e de estacionamento na Avenida Visconde de Valmor – por si vistas como mais um sinal da alegada falta de planeamento do sistema de mobilidade nas Avenidas Novas – têm causado um “estrangulamento viário”. A supressão de uma faixa de rodagem automóvel para isso terá contribuído. Além disso, acusa, as mudanças no parqueamento “põem em perigo a segurança, uma vez que as pessoas saem dos carros directamente para cima da ciclovia”. Os problemas de escoamento de tráfego, sobretudo nas horas de ponta, serão agravados, sustenta, pelo facto de que, “com os pilaretes que agora ali foram colocados, e ainda a pequena dimensão dos lugares de estacionamento, os carros são obrigados a ficar em cima da faixa de rodagem”. Tal poderá ter consequências graves quando os estrangulamentos impedirem a circulação de viaturas em marcha de emergência, diz.

Moradores pedem “revisão completa” da circulação automóvel nas Avenidas Novas

Por tudo isso, e em simultâneo com o caminho encetado pela petição que está a ser discutida na assembleia municipal, a Associação de Moradores das Avenidas Novas entregou uma proposta, no âmbito do Orçamento Participativo 2017-18, de reversão e correcção de vários aspectos do esquema de circulação na Avenida Visconde Valmor. A proposta, com o número 190 do OP, pede a reposição das duas faixas de rodagem no arruamento e a implantação da ciclovia no passeio sul. E garante que tal é possível desviando as caldeiras das árvores do lado sul e do lado norte da rua. De tal modo que apresenta medições: “os passeios sul e norte ficarão com 3,60 metros de passagem; a ciclovia manterá 1,90 metros de largura; os estacionamentos ficarão ambos com 2,00 metros de largura”. E até sugere a reabilitação dos passeios, “notoriamente degradados e a precisar de uma séria intervenção”.

José Soares diz que os problemas agora criados – que sugere serem decorrentes de diversas recentes intervenções feitas nas Avenidas Novas em paralelo com a grande obra de requalificação do Eixo Central de Lisboa, nas avenidas da República e Fontes Pereira de Melo – teriam sido evitados “se a Câmara de Lisboa tivesse ouvido as pessoas que vivem e trabalham aqui”. “Não há dúvida que as obras do Eixo Central ficaram muito boas para os peões e para os ciclistas, mas vieram criar uma nova ordem de problemas para quem quer circular de automóvel. É preciso primeiro fazer uma avaliação do impacto das obras na vida das pessoas e só depois avançar. Esta intervenções são caras. Fazer e depois desfazer, como está agora a acontecer na Dona Filipa de Vilhena, custa ainda mais”, diz.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend