Um estímulo à economia local, ajudando assim à criação de emprego e de empresas, mas também uma forma de valorizar os bons comportamentos cívicos. Seriam estas as principais vantagens da criação de uma moeda de utilização exclusiva no Areeiro, proposta, há poucos dias, por um grupo de moradores à sua junta de freguesia. “Num contexto de crise, é uma excelente forma de ajudar ao desenvolvimento da economia local. Trata-se de uma solução perfeitamente legal, pois a lei não faz qualquer referência à sua proibição. Além disso, Portugal já teve experiências do género, no século XIX”, diz ao Corvo Rui Martins, dirigente do recém-criado Movimento Cívico Vizinhos do Areeiro. Depois de Campolide, pode chegar a vez do Areeiro ter a sua própria moeda.

 

De acordo com a proposta, a moeda poderia ser adquirida nas instalações da junta e nos balcões dos bancos aderente ao projeto que tivessem balcões na freguesia. A “moeda do Areeiro” – cuja designação seria escolhida através de votação popular, o desenho entregue por concurso a um artista local e a impressão entregue a uma gráfica da freguesia – seria aceite como forma de pagamento nas lojas aderentes. Apesar de ter um câmbio directo com o euro nas compras efectuadas, poderia ser adquirida por 95 cêntimos, conferindo-lhe assim uma atractividade. “As pessoas também poderiam passar a receber o troco das suas compras nesta nova moeda, tal como sucede numa experiência deste género, nos Estados Unidos da América”, sugere Rui Martins.

 

O dirigente encontra bons exemplos em vários países – com casos concretos estudados na Alemanha e na Grécia -, mas também assume como fonte de inspiração o projecto “Pago com Lixo”, que começou a ser posto em prática, na semana passada, pela Junta de Freguesia de Campolide. Nesse caso, a divisa criada, o “lixo”, permite aos moradores dessa freguesia receberem uma unidade de valor para consumir no comércio local, em troca da entrega de resíduos nos serviços da junta. “É uma excelente ideia. No nosso caso, seria uma solução híbrida, adotando uma prática semelhante à de Campolide, premiando com a moeda um conjunto diverso de comportamentos cívicos, mas também fazendo uso de uma troca directa, com impacto no comércio local”, explica.

 

Mais informações: vizinhosdoareeiro.wordpress.com/2016/09/19/proposta-uma-moeda-local-para-o-areeiro

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Elsa Valente
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Moradores do Areeiro querem criar uma moeda local, tal como já fez Campolide – https://t.co/RumGSYMMvk

  • Paulo Ramos
    Responder

    Lol trabalhar para a Valor Sul

  • Vasconcelos Maria Rita
    Responder

    ide fazer renda……………………..

  • Carlos G. Pinto
    Responder
  • Sónia Martins
    Responder

    Adoro. Há imensas comunidades que já desenvolveram ideias semelhantes que são um sucesso e que ajudam imenso o desenvolvimento local. Para os que duvidam pesquisem o caso de Bristol (Bristol pound), por exemplo.

  • Zé Mário
    Responder

    Partindo do Exemplo do Bristol Poud ), deixem-se lá de merdas e encontrem uma ideia que seja realmente implementável e útil para Lisboa.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com