Uma manifestação de afecto bem maior do que a dimensão da loja deixaria adivinhar. Mais de duas centenas de pessoas compareceram, ontem ao princípio da noite, a uma concentração junto ao número 7 da Rua das Portas de Santo Antão, em defesa da manutenção da Ginjinha Sem Rival. As recentes notícias dando conta do possível encerramento da loja fundada em 1890, por causa de um aviso de denúncia do contrato de arrendamento por parte do senhorio – um fundo imobiliário de capitais russos -, que quer fazer obras e abrir um hotel de apartamentos, lançaram o alarme. O minúsculo e carismático espaço comercial pode ter de encerrar a 1 de Julho, ao abrigo da nova Lei das Rendas, já que os donos do edifício invocam a necessidade de fazer obras.

Apesar de a Câmara Municipal de Lisboa garantir que tais motivos não são válidos, pois a loja estará “na carta de património” da cidade, as dúvidas persistem. E daí estar a crescer a mobilização em torno da preservação deste estabelecimento tradicional, sobretudo através dos contactos estabelecidos nas redes sociais. “Houve uma convocatória pelo Facebook e, apesar de muita gente dizer que vinha, não se esperava que aparecessem tantos”, confessava ao Corvo um dos elementos dos Tambores da Resistência, colectivo informal de inspiração internacionalista, habitualmente ligado a acções de protesto cívico e que ontem enchia a rua com o rimbombar dos seus instrumentos.

Também ontem ao final da tarde, um pouco antes, durante a reunião pública mensal do executivo camarário, o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, aceitou o repto lançado por Nuno Gonçalves, proprietário da Ginjinha Sem Rival e bisneto do fundador, de mediar o conflito com o senhorio. “Estou disponível para reunir ainda esta semana, se for necessário”, afirmou Salgado, depois de repetir as alegadas faltas de legitimidade e de base legal do dono daquele edifício para realizar os pretendidos trabalhos de reabilitação – e o consequente despejo da Ginjinha Sem Rival. “A loja é intocável. O proprietário está a invocar um direito que não tem”, frisou o vereador.

 

Texto e fotografia: Samuel Alemão

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com