É já nesta quarta-feira (13 de Abril), pelas 13 horas, que a rede do Metropolitano de Lisboa chega à Reboleira, no concelho da Amadora, anunciou a administração da empresa nesta segunda-feira. Concluem-se assim as obras de prolongamento da linha azul, que tem o seu início em Santa Apolónia, ampliando para um total de 56 estações e 44,2 quilómetros de comprimento a rede de metropolitano da capital portuguesa. A nova ligação de 937 metros, entre as estações de Amadora/Este e da Reboleira, permite o acesso a este transporte público por parte dos moradores das freguesias de Falagueira/Venda Nova e de Águas Livres.

 

Será, a partir de agora, possível viajar entre Reboleira e Marquês de Pombal, em 19 minutos, e entre Reboleira e Baixa-Chiado, em 24 minutos. A linha azul do metro passará a ter 18 estações, espalhadas por uma extensão de 13,7 quilómetros. Com a abertura da nova estação de metro Reboleira, é inaugurado também um interface multimodal, que reforça o sistema de transportes da Área Metropolitana de Lisboa e que reúne metro, autocarros, comboio, táxis, ciclovia e oferece, ainda, parqueamento de bicicletas e estacionamento automóvel.

 

A chegada do metro de Lisboa à Reboleira permitirá também a conexão com a linha de comboios que faz a ligação entre o Rossio e Sintra. Para além disso e da redução dos tempos de viagem entre a Reboleira e Lisboa, sublinha a empresa em comunicado, a nova estação “vai permitir uma redução, por ano, de 3 mil toneladas de emissões de CO2, o que associa a este empreendimento claros benefícios ambientais, dos quais se destacam a redução da emissão de poluentes e menores consumos de energia, a redução da pressão sobre o estacionamento, a redução da poluição sonora”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Ricardo Esperanço
    Responder

    Espero apenas que como utilizador da linha azul haja reforço da circulação de carruagens e não esteja à espera 6 a 9 minutos. Só faltam mais umas quantas estações (mas também dentro de Lisboa). Aguardemos.

  • Mario Fernandes
    Responder

    E metro em Lisboa, quando haverá? É que quem vive em Lisboa (Campo de Ourique, Lapa, Santos, Alcântara, Belém, Ajuda, Graça), não tem metro.

    • Vasco
      Responder

      Isso não dá votos.

    • Ruben Ribeiro
      Responder

      Caro senhor, em termos geográficos é impossível abrir túnel nessas zonas. Foram feitos estudos que mostra essa impossibilidade.

  • Paula Magalhães
    Responder

    E arranjarem o metro dos Anjos, que mete nojo!

  • Helena Martins
    Responder

    Se forem a Roma andem no metro e vão ver que as nossas estações são muito à frente!

  • Dav
    Responder

    Mesmo com grande atraso lá vai abrir a Estação do Metro da Reboleira . Houve intervervenção junto da nova Estação. Agora falta, a poucos metros, haver uma intervenção no Bairro degradado da Estrada Militar no alto da Damaia onde vivem milhares de pessoas trabalhadoras em piores condições do que os campos de refugiados da Grécia . Junto dessas pessoas trabalhadoras coexistem muitos marginais nomeadamente compra e venda de produtos ilícitos . Muitos jovens vagueiam diariamente pelas ruas sem nada fazer . Enfim um Estado à parte que urge resolver pelos poderes públicos .

  • Vasco
    Responder

    Estação inútil na rede. Gastos desnecessários. É bem mais rápido chegar ao Rossio de comboio.

  • Silvina Santos
    Responder

    Ultimamente funciona mal e com intervalos de 6 a 9 minutos, espero que a linha azul melhor e

  • Nuno Rebelo
    Responder

    Metropolitano de Lisboa inaugura ligação da linha azul à Reboleira a 13 de Abril https://t.co/3jYXEag1Rp

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com