A Time Out está a investir 5 milhões de euros em obras no Mercado da Ribeira, onde explora já uma grande parte do espaço, com restaurantes. Agora, avançou para novas áreas e abriu novas lojas, algumas com actividades não concessionadas. Comerciantes da feira de artesanato Sábados da Ribeira questionaram a legalidade da operação. A oposição quis conhecer o contrato, que nunca fora divulgado pela câmara. O PCP pronunciou-se contra a forma de actuação da autarquia. Ontem, o vereador Sá Fernandes reuniu-se com os artesãos e prometeu tentar arranjar-lhes um espaço mais condigno.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

 

Suspensas nas naves do velho Mercado da Ribeira, há faixas vermelhas dizendo “Mercado de Lisboa – Time Out”. O nome Ribeira já não consta e há comerciantes e autarcas a prever que o mercado possa, um dia, ficar todo nas mãos da Time Out. A Câmara Municipal de Lisboa deu-lhe “direito de preferência” em novos espaços na área da restauração. E esse direito já se estendeu à exploração de outro tipo de lojas.

 

“O Mercado da Ribeira vai ficar todo nas mãos da Time Out e não se percebem as prerrogativas que lhe são dadas pela Câmara Municipal de Lisboa em termos de ocupação de espaço”. A afirmação é do vereador do PCP, Carlos Moura, que questiona a forma como a autarquia tem actuado, cedendo à Time Out uma área cada vez maior do Mercado e permitindo que ela seja ocupada com actividades que não se enquadram sequer na área da restauração e bebidas, a que fora concessionada.

 

Para o vereador comunista, “esta situação é intolerável”. Porque, alega, sendo o Mercado da Ribeira um património municipal, tem de haver “regras claras que têm de ser cumpridas”, o que, em seu entender, não está a acontecer.

 

“Não vejo como pode a Time Out ir ocupando todos os espaços nos quais vá havendo intervenção”, sublinhou Carlos Moura, em declarações ao Corvo, depois de ter lido o contrato estabelecido entre a autarquia e a empresa “Mercados da Capital” que, em nome da Time Out, assinou o documento.

 

Quando, em 2011, a câmara assinou o contrato de concessão, era cedida à Time Out, por um período de 20 anos, a ocupação e exploração de todo o piso 1 do mercado. E isso incluía a cúpula, uma área de esplanada no exterior e um quiosque na Praça D. Luis, e uma área delimitada do rés-do-chão, da nave da ala oeste, com uma área de 900 metros quadrados – na qual se instalaram inicialmente os restaurantes.

 

Mas, em finais do ano passado, novos estabelecimentos de restauração e novas lojas foram-se instalando na nave Oeste, passando a estar ocupados mais 600 metros quadrados, que não constavam na área concessionada. Ali surgiram lojas como A Vida Portuguesa, ou ainda uma loja de venda de posters.

 

A questão da legalidade da operação foi levantada numa reunião de câmara, realizada em Novembro do ano passado, por alguns dos artesãos que participam nos Sábados da Ribeira, uma Feira de Artesanato organizada pela autarquia.

 

Os artesãos dos Sábados da Ribeira sentem-se traídos pela câmara, que sempre lhes disse que, uma vez findas as obras, voltariam a poder ocupar os espaços onde antes expunham os seus produtos.

 

Como então explicaram, em 2012 foram convidados pela autarquia a animar o espaço do mercado, quando ele estava menos activo. Com a chegada da Time Out e a dinamização por esta trazida, foram desalojados dos espaços que antes ocupavam e passaram a estar “encostados à parede” no sentido literal do termo, já que esse é o único espaço que actualmente lhes é permitido ocupar.

 

2014-12-13 13.12.34

 

“Viemos para o mercado da Ribeira a convite e, nessa altura, quase não havia público. Agora que começou a haver público é que nos desalojam. Onze pessoas já desistiram e foram-se embora. O que eu peço é que não nos cortem as pernas”, disse ao Corvo Etelberta Oliveira, artesã que trabalha com um tear manual, com o qual tece as peças de vestuário que vende na Ribeira.

 

“Chegámos a ser perto de 50 pessoas na Feira de Artesanato e isto para nós não é um hóbi, é trabalho. Os lugares deixados vagos pelos que saíram já não são preenchidos, porque não deixam que se inscrevam novos vendedores de artesanato. Para mim, o que estão a tentar fazer é implodir a Feira. Como não há condições condignas, as pessoas vão abandonando e quando já só formas 10, aí é fácil acabar connosco”, diz por seu turno José Salgueiro, que participa também nos Sábados da Ribeira.

 

“Sempre nos foi dito que voltaríamos para o espaço onde estávamos antes, na nave oeste. Mas, subitamente, a responsável pela Feira, Leopoldina Duarte, veio avisar-nos que afinal não, já não poderíamos voltar para lá. E deixaram-nos assim, encostados à parede, parecemos uns pedintes”, acrescentou o mesmo vendedor.

 

Impressiona-o também o negócio que ali é feito, através da concessão. “A Time Out paga à câmara 11 mil euros mensais pelo espaço inicial que ocupou na nave Oeste. Ora, só a esplanada paga-lhe a ela uma renda de 7 mil euros, já os espaços mais pequenos, dois mil. Ou seja, com a renda de três ou quatro lojas, eles pagam a concessão”, diz José Salgueiro.

 

Em seu entender, o que está a acontecer com a ocupação de novos espaços configura “uma ilegalidade”, porque, sublinha, “a Time Out já explora todo o espaço da nave Oeste e até parte do corredor central, quando não era isso que estava estabelecido”.

 

Já a alemã Gritt, que vive em Portugal há 16 anos e ali vende os gorros e boinas que tricota em lã, é mais sonhadora. Acha que “no Mercado da Ribeira devia ser o povo a fazer negócio”. E acrescenta, “com jeito, o espaço chegava para todos”.

 

Ontem, alguns artesãos foram convocados para uma reunião com o vereador José Sá Fernandes. Segundo comunicaram depois ao Corvo, o vereador “mostrou-se disponível para tentar realojar os participantes dos Sábados da Ribeira no corredor central, parte do qual estava já a ser ocupado com bancos dos estabelecimentos de restauração da Time Out”.

 

De acordo com Maria Rolo, uma das artesãs que participou na reunião, a mudança de lugar dos Sábados da Ribeira deverá ocorrer a partir de final de Fevereiro, prazo referido pelo vereador.

 

Na sessão de câmara, realizada em finais de Novembro de 2014, os artesãos questionaram o vereador José Sá Fernandes relativamente ao avanço da Time Out sobre as novas áreas que foram sendo disponibilizadas à medida que as obras avançavam.

 

“Não tendo havido qualquer concurso público para a ocupação desses espaços, como era possível à Time Out cedê-los a outros comerciantes, a quem aluga as lojas?”, interrogaram os artesãos dos Sábados da Ribeira.

 

Na altura, José Sá Fernandes destacou o elevado valor das obras que estão a ser feitas no mercado, a expensas da Time Out, orçadas em 5 milhões de euros. E afirmou que a ocupação de novas áreas era possível e nada tinha de ilegal, mesmo não tendo havido concurso público. Isso porque, disse o vereador, o contrato assinado entre a câmara e a Time Out o permitia.

 

Só que, à data, ninguém conhecia o contrato. Apesar de insistentemente pedido quer pelos comerciantes do Mercado da Ribeira, quer pelos artesãos e, também, pelo Corvo, o documento – embora sendo público – não fora divulgado pela autarquia.

 

A pedido da oposição na câmara, uma cópia do contrato acabou por ser entregue em finais de Dezembro do ano passado ao vereador do PSD António Proa que, tal como o vereador comunista Carlos Moura, o solicitara.

 

2014-12-13 12.19.31

 

Pela leitura do documento – a que O Corvo teve entretanto acesso -, verifica-se haver uma cláusula segundo a qual “a Câmara obriga-se a dar direito de preferência à concessionária na atribuição de novas lojas do Mercado da Ribeira que tenham por finalidade o serviço de restauração e bebidas”, podendo a Time Out explorar essas novas lojas, “mediante o pagamento da taxa de ocupação devida pela aplicação do Regulamento Geral de Taxas”.

 

É essa cláusula que dá cobertura legal à instalação de novos estabelecimentos de restauração, na nave Oeste. Já a exploração de outros ramos de actividade não é contemplada no contrato. Mas, para o vereador Sá Fernandes, não há nisso ilegalidade, como afirmou publicamente.

 

O Corvo tentou ouvir o director da Time Out sobre esta situação, mas João Cepeda não respondeu às questões que lhe foram colocadas via email, nem esteve disponível para responder aos contactos telefónicos feitos para a revista.

 

Além dos artesãos – e como O Corvo noticiara em Outubro de 2014 -, também os comerciantes tradicionais do Mercado das áreas das hortícolas e do peixe, se têm queixado da atitude da Câmara, considerando que esta tem privilegiado a Time Out em detrimento dos vendedores que ali estão há décadas.

 

Quando o projecto da Time Out foi anunciado e ainda antes de se concretizar, João Cepeda, director da revista, sublinhou que ele se faria com todos os agentes envolvidos no Mercado da Ribeira e que ninguém seria mandado embora, ao contrário do que tem sucedido na reabilitação de mercados noutras capitais europeias. “Nós vamos estar lá com as peixeiras”, disse João Cepeda, numa conferência de Reabilitação Urbana em que falou do projecto.

 

Mas agora são as próprias peixeiras a prever que, daqui a uns anos, todo o Mercado esteja nas mãos da Time Out – como uma delas afirmou ao Corvo. Até porque a câmara lhe deu o direito de preferência nos espaços que fiquem vagos, ao mesmo tempo que retirou aos comerciantes tradicionais a possibilidade de passarem de pais para filhos os lugares que actualmente ocupam.

 

  • João Barreta
    Responder

    Mercados municipais em Portugal – o(s) que temos, o(s) que queremos, no(s) que cremos!

  • Maria de Morais
    Responder

    hobi ou hobby?

    • O Corvo
      Responder

      Nem uma coisa nem outra. O correcto é como está: “hóbi”. Obrigado.

      • Miguel Duarte
        Responder

        Essa palavra não existe. O correcto é “hobby” e em itálico, pois é uma palavra estrangeira e que neste caso tão tem correspondência com alguma em português. Como também deve estar em itálico “posters”, ou, porque esta tem correspondência, falta o acento agudo no ó, ficando “pósteres” (mas melhor que tudo é escrever cartazes…)

        Também “(…)novas lojas foram-se instalando(…)” está incorrecto, porque tal aconteceu “(…)em finais do ano passado(…)”, um período de tempo exacto, sendo o correcto portanto, “instalaram-se”, pretérito perfeito. Ainda, o pronome reflexivo -SE deve acompanhar o verbo principal, logo o mais correcto é dizer (e escrever) “foram instalando-se”.

        Agradeço a atenção e sem qualquer arrogância, se necessitarem de um revisor de texto podem contactar-me pois estou sem trabalho.

  • Maria de Morais
    Responder

    ainda acreditam no Sa Fernandes ?

  • João Ferreira
    Responder

    Exacto…!

  • Margarida Noronha
    Responder

    Sugestão possível: ouvir o programa do Governo
    Sombra de 26-12-2014.
    Talvez ajude quem ainda não assentou os pés na
    terra, e permanece espantado ao ver o que acontece

  • Paula Ferreira
    Responder

    São gordurentos os dedos da Catarina Portas

  • Paula Afonso
    Responder

    “Já a alemã Gritt, que vive em Portugal há 16 anos e ali vende os gorros e boinas que tricota em lã, é mais sonhadora. Acha que “no Mercado da Ribeira devia ser o povo a fazer negócio”. E acrescenta, “com jeito, o espaço chegava para todos”. lá está uma opinião democrata e inteligente, tinha de ser alemã naturalmente. Demasiados “Sás Fernandes” a existirem por aí….é vender, concessionar tudo, seja a quem for e para o que for…. não interessa o quê nem como.

  • josemssantos
    Responder

    #Estrumeira Mercado da Ribeira ou Mercado da Time Out? http://t.co/7BIa0pdBTQ

  • João Barreta
    Responder

    Antes do “tempo” do Vereador Sá Fernandes os mercados de Lisboa estavam em “grande”! Funcionavam bem, eram bem geridos e os clientes procuravam os mercados.
    Infelizmente a discussão destes problemas é feita desta forma – despejam-se as culpas para cima de alguém e … pronto “quem vier a seguir que feche a porta”. Assim não chegaremos a lugar algum. Para quem tiver, realmente, interesse nestas matérias pode ver na net o plano estratégico Mercados de Barcelona 2015-2025 e, depois … voltamos a “debater” o assunto! Bom Ano para todos.

  • Paulo Moreira Pereira
    Responder

    Definitivamente time out da ribeira. Está como um centro comercial para wannabees!

  • Carla Leitão
    Responder

    Da ribeira, uma revista n é eterna e história é

  • Ramiro Ribeiro
    Responder

    Acho muito estranho que todos falem do Sá Fernandes e se esqueçam do principal responsável, António Costa. É no mínimo significativo. Também acho graça a quem está preocupado com a forma e se vai esquecendo do conteúdo. A hipocrisia de alguns destes lisboetas até parece a da Time Out, o negócio não, esse é mesmo da CML e da Time Out. Esquecer os vendedores tradicionais do mercado e criar-lhes entraves como os que estão a ser criados é crime de lesa Lisboa.

  • João Barreta
    Responder
  • Rui Martins
    Responder

    O mercado da Ribeira é da Time Out.
    Os kiosques da Catarina Portas.
    A nova torre em Picoas, compra uns créditos de construção e sobe a cota…

    O que está a dar é “estar na onda”, na moda, ser amigo da malta que conta…
    Tremo só de pensar neste modelo de gestão aplicado ao país inteiro….

  • ViK
    Responder

    isto já me parece a mesma situação do cinema Odeon, todos se queixam que fechou e está abandonado e sem obras ! Mas fazem grande alarido porquê a CML quer vender a uns espanhóis para galerias comerciais!!!
    Mas quando era para ir ao cinema vão todos para o El corte Inglês ou outros centros comerciais !!!!
    Agora o mercado da ribeira a Time Out faz as obras… Ao contrário estava condenado… Mas no entanto vão todos fazer compras ao continente e pingo doce e LIDL ;))
    Que engraçados !!!

  • Leopoldo Anjos Santos
    Responder

    MERCADO DAS COLEÇÕES Avenida 24 de Julho em Lisboa
    Há aproximadamente 14 anos iniciou-se no Mercado das colecções (Mercado da Ribeira) situado na Avenida 24 de Julho em Lisboa, num local apropriado no rés- do chão, aos domingos, através de um pagamento mensal por correio, para esta actividade, que reúne a filatelia, a numismática, o alfarrabismo, a medalhística, a cartofilia e outros objectos de colecção. Mais tarde esta actividade foi transferida para o primeiro andar sendo visitado por Jornalistas para entrevistas, por Estudantes Universitários realizando questionários possivelmente para trabalhos de Etnografia. O mesmo espaço era aquecido no Inverno e até teve o apoio da PSP, apoio esse que também acabou á uns anos. Mais tarde foi introduzida Segurança privada. O espaço estava fornecido com um café que depois deixou de funcionar, perto da área onde se realizavam os bailes, na parte da tarde. Este local começou a ser frequentado por coleccionadores e comerciantes de todas as Províncias e de todo o Mundo principalmente do Brasil que se agradavam destas instalações. HÁ aproximadamente dois meses e meio, em virtude de um comunicado da CML de ?(Time Out) Os coleccionadores foram transferidos para a área dos produtos hortícolas e” outros” no Rés-do-chão onde os mesmos têm que enfrentar as correntes de ar e os cheiros intensos desses produtos, existindo mesmo alguns com problemas de alergia, não suportando os mesmos. Muitas bancas são montadas muito próximo dos produtos durante 5 horas e no caso de uma gripe ou constipação ou de uma virose pode haver contaminação dos mesmos na medida em que os seus corpos estão perto, sentados ou em pé atrás dos mesmos. Como é que isto é possível? Perguntam os próprios frequentadores deste novo local; é de acrescentar, de acordo com informações dadas pelos próprios clientes, que não existem condições mínimas para que esta actividade cultural tenha sido transferida para este local e muitos se admiram de ainda não ter sido contactada a Delegação de saúde, Mais tarde foi-lhes retirada a arrecadação colectiva e muitos tem dificuldades a levar as bancas O Dr. António Costa sabe isto lá no seu escritório, com todas as comodidades? Possivelmente não sabe mas os clientes do Mercado das Colecções sabem e estamos próximo da eleições.. Ver para crer como São Tomé. Interessa” acabar de uma vez com a cultura”(Woody Allen).

  • Leopoldo Anjos Santos
    Responder

    Em vês de dois meses e meio é mais que um ano ,foi engano meu na-medida em que este texto foi enviado para varias entidades quando este acontecimento era de dois meses-a parte da eliminação da arrecadação é recente e a alusão as eleições também-as minhas desculpas .Leopoldo Anjos santos.

    • Leopoldo Anjos Santos
      Responder

      Em vês de dois meses e meio é mais que um ano ,foi engano meu na-medida em que este texto foi enviado para varias entidades quando este acontecimento era de dois meses-a parte da eliminação da arrecadação é recente e a alusão as eleições também-as minhas desculpas .Leopoldo Anjos santos.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com