Mercado da Praça de Espanha fecha até fim de Setembro e depois será demolido

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

Carla Rosado

Fotografia

URBANISMO

Avenidas Novas

Campolide

São Domingos de Benfica

8 Setembro, 2015




É a confirmação de uma notícia há muito aguardada. O mercado da Praça de Espanha terá de encerrar definitivamente até ao fim do mês de Setembro, para que, pouco depois, a estrutura metálica que há três décadas o acolhe seja demolida e dê espaço para a criação naquele lugar de uma nova centralidade urbana requalificada. Em troca, os 69 comerciantes que ali operam receberão 821 mil euros de indemnização, calculada com base no Regulamento Geral dos Mercados Retalhistas de Lisboa, refere a proposta de ratificação do despacho assinado por Fernando Medina, presidente da Câmara Municipal de Lisboa, a apresentar na primeira reunião do executivo após as férias, nesta quarta-feira (9 de Setembro).

A saída dos comerciantes e a consequente demolição agora em vias de acontecerem acabam, assim, por ser a materialização das ideias defendidas pelo último estudo de requalificação da Praça de Espanha, discutido em reunião de câmara, em Dezembro de 2012, e elaborado pelo Instituto Superior Técnico (IST) a seu pedido. O passo agora dado tornou-se viável após a assinatura, em Julho passado, de um protocolo entre a CML e a Caixa Económica Montepio Geral e a seguradora Lusitânia para a permuta de terrenos. Estas duas entidades entregaram à câmara as parcelas correspondentes à zona onde se encontra o mercado e, em troca, receberam um terreno municipal situado entre a Praça de Espanha, a Avenida de Berna e a Avenida Santos Dumont, no qual deverão construir a sua sede e avaliado em 12 milhões de euros.

A reabilitação do espaço público da Praça de Espanha é considerada vital pela autarquia, que justifica a operação urbanística agora iniciada com a solução já preconizada em 2012 pelo referido estudo do IST: “Criação de uma proposta global de praça pública e/ou parque urbano, espaço público de qualidade de grande escala, integrada na malha urbana da cidade de Lisboa, com expressão relevante para a fixação de atividades de lazer, estruturado por percursos pedonais de continuidade com a malha urbana envolvente, bem servida de transportes coletivos”.

Uma realidade que será possível concretizar após a também recentemente anunciada transferência para a Praça Humberto Delgado, junto ao Jardim Zoológico de Lisboa, em Sete Rios, do terminal de autocarros existente naquela praça. A mudança foi revelada, em Julho passado, pelo vereador do Urbanismo, Manuel Salgado.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Mercado da Praça de Espanha fecha até fim de Setembro e depois será demolido http://t.co/t3soaOvvwE

  • Liliana Correia
    Responder

    Ainda bem, aquilo é só lixo.

    • Raj
      Responder

      people who earn with honesty .are that call Lixo in your control, Try to be a nice human being. ok

  • Manuel Queiroz
    Responder

    Finalmente! Vergonha no centro de Lisboa

    • Raj
      Responder

      DO YOU KNOW WICH CONTRY IS A VERGONHA IN EUROPE. ..?DONT BE ASAMED OF YOUR CITY AND SUPPORT that people.lixo is someone with a mentality like you.

  • Ines Paulo
    Responder

    Tenho pena não pelo mercado, pois aquilo tinha um ar sujo e degradado, mas sim pela alternativa que vão dar áquela zona. Poderiam fazer ali algo + estruturado em vez de + uma sede de um banco.

    • Vasco
      Responder

      O banco não vai ficar nesse terreno, mas sim no lado oposto, junto à av. de Berna.

    • Raj
      Responder

      I think you work for cleaning, that’s why the word sujo e degradado .that place people work hard to sustain family. better if you clean your thoughts. And a sede de um banco we can put that in your work place.,to you know how it fells.?..?.next time when you coment don’t offend any work as it is a honest job.

    • Raj
      Responder

      Ines open a cleaning agency,and first clean yourself. got it

  • São Lopes
    Responder

    Uma sede de um banco construida em cima duns barracões de feirantes frequentada pelas classes baixas e minorias…. Um clássico.

    • Dina Carvalho
      Responder

      E, peço desculpa! Qual a sua alternativa? Um local para ser frequentado por quem?

    • Dina Carvalho
      Responder

      E, peço desculpa! Qual a sua alternativa? Um local para ser frequentado por quem?

    • Raj
      Responder

      classes baiXas ?were are you from ?are you any aristocratic

  • José Diogo Dias-Costa
    Responder

    Acho muito bem. Tirarem dali aquela barracaria nojenta.

    • Raj
      Responder

      nojento is your mentality dear.

  • JOÃO BARRETA
    Responder

    Há comércio(s) que qualifica(m) os espaços urbanos e há outro(s) que não! No caso do “aglomerado de postos de venda existente na Praça de Espanha” (não lhe chamemos Mercado !!!!!!!!) apenas desqualifica.
    Se já se percebeu isto há décadas, apenas há que saudar a decisão, lamentando, apenas a demora da mesma!!!!!

    • Raj
      Responder

      Just give a good example of a mercado in Lisbon ,and compare that with all around the world,In my point of view that’s call a market. traditional markets are not made of glass and marbles like shopping malls.Be realistic is a market of poor people ,so it qualified. years before even your ancestors used to frequent them and shop.dont forget your roots. think what about what you are about to say before posting your coment? If not use dicionary and search Mercado.Praca De Espanha is a mercado do municipio De Lisboa.,got it.why so rude coment from u .

  • Luís Sérgio Reis Fernandes
    Responder

    Creio que aqueles feirantes foram para ali transplantados pela operação Martim Moniz de K Abecassis (até rima!)
    Os quase 900 mil euros ficam nas bolsas dos feirantes ou é dividido com as instituições bancárias?

    O clássico repete-se na verdade: as chamadas centralidades são okupadas por bancos, condomínios e comércio de alto “gabarito” e as pessoas chutadas para as periferias. Como qualquer receita que se repete, acaba por enjoar.
    Por exemplo, ainda se compram ali cassetes.

    Conviria aos comentadores e ao Corvo não esquecer a questão completa: a questão urbanística e… que mais? A gente, as pessoas, gente minha gente.

  • Ana Sofia Vitorino
    Responder

    Acho que se devia reler a parte de ” protocolo entre a CML e a Caixa Económica Montepio Geral e a seguradora Lusitânia para a permuta de terrenos. Estas duas entidades entregaram à câmara as parcelas correspondentes à zona onde se encontra o mercado e, em troca, receberam um terreno municipal situado entre a Praça de Espanha, a Avenida de Berna e a Avenida Santos Dumont, no qual deverão construir a sua sede” e também a parte do “Criação de uma proposta global de praça pública e/ou parque urbano, espaço público de qualidade de grande escala, integrada na malha urbana da cidade de Lisboa, com expressão relevante para a fixação de atividades de lazer, estruturado por percursos pedonais de continuidade com a malha urbana envolvente, bem servida de transportes coletivos”.”
    Acho que houve quem não lesse essa parte….

    • Luís Sérgio Reis Fernandes
      Responder

      Ana lemos essa parte, penso até que todos leram, no entanto espero que a sua chamada de atenção não revele discordância em relação ao essencial do que eu disse.

      Por outro lado a Praça de Espanha já possuiu vários planos, planos antigos, muito antigos mesmo, e que ficaram no papel. Até do arqt Siza Vieira. Se souber de algo mais detalhado agradeço-lhe.

  • Ricardo
    Responder

    Eu sou um comerciante do mercado. E sinceramente Várias pessoas dizem que o mercado tem mau aspecto e é verdade, mas ao que a câmara fez para o embelezar ou mesmo limpar ou mesmo arranjar uma torneira?? Nada.
    As pessoas falam e criticam mas na realidade não sabem o que se passa,somos comerciantes que pagam impostos,segurança social,rendas altas para as condições que temos. E chamam indemnização valores de 5000€ por comerciantes que ali trabalham e há 30 anos?
    À câmara Prometeu-nos lugares para a continuidade do nosso trabalho mas até agora nada. A câmara sugeriu nos sítios bem piores e disseram nos que para Nós está MT BOM.criticar é fácil até porque somos um povo hipócrita neste momento pensam em ajudar os refugiados hipócritas pensem antes em ajudar o nosso país e o nosso povo porque infelizmente a muita mas muita gente que precisa e neste mercado sao 70 fãmilias que vão o desemprego. Eu tenho dois filhos e mulher o que vou fazer… O rendimento que eu tinha vinha do mercado… O que vou fazer ?? Não quero subsídios nem pena de ninguém quero apenas trabalhar.

  • JOÃO BARRETA
    Responder

    Sempre tenho defendido os Mercados (os verdadeiros!), inclusive como fator de dinamização das cidades, dos seus centros, no entanto, julgo que esta “venda” instalada na Praça de Espanha nunca foi, de facto, um Mercado. Neste sentido, o que ali existe de pouco servirá às gentes de Lisboa. E se os operadores (as gentes que vendem, até “concordaram em sair”, então estará quase tudo dito!!!). Do “desaparecimento” daquela oferta comercial não resultam “males maiores” para a procura e para a vivência das gentes de Lisboa.

  • José
    Responder

    Até que enfim, que vai todo abaixo.
    Deviam construir em mais altura.
    Predios de 7-10 pisos, muito pouco.
    Lisboa, capital sem um único arranha-céus.
    Aproveitavam a área para ajardinar e construíam em altura.

    • Raj
      Responder

      What you will earn if that people get job less.Happines ?or you are going to buy a flat for each of them .In that case you should sent your building construction plans to your local conciliation, best of luck

      • Raj
        Responder

        What happened dear can’t you answer

      • Raj
        Responder

        And for the building don’t forget to beg money to UE they will borrow and of course . you don’t need to give them back as usual.

  • José
    Responder

    SÓ ACREDITO, QUANDO TUDO ESTIVER ABAIXO.
    Deixem de tretas, Lisboa é como as outras capitais, quem tem dinheiro compra e constrói.
    Ainda bem que existem interessados, então ficava mais um baldio, na cidade.

    • Raj
      Responder

      Good for you. what you will d be doing there open a job centre or you will relocate that poor people to your house

  • Carlos Nery
    Responder

    Conhecido por Centro Comercial Abecassis…

    • Raj
      Responder

      You have put that name?

  • Tiago
    Responder

    Boa tarde eu sou comerciante e voces não percebem que a taxa de desemprego vai subir e isto origina mais impostos?e que temos uma familia para sustentar?tenho vergonha de ser Português.

    • Raj
      Responder

      Dear tiago be brave

  • Miguel
    Responder

    Já vão perder o meu voto e de muitos!!isto ainda vai dar muito que falar..a câmara de Lisboa que se prepare!!Força Praça de Espanha!!

  • Jose
    Responder

    Boa tarde
    Porque é que não vão a televisão?? Ninguém quer perder as eleições 🙂
    Partilhem pelo Facebook o que está acontecer!!

  • Raj
    Responder

    Why are Portuguese people happy to destroy the poor market…why to be ashamed of that place when people work hard there to sustain their families. They work there for almost 30 years when there’s no were any shopping mall in your contry.,when people use to shop there .So now only with a few percentage of development con pare to the rest of Europe you are calling that barracaria and Lugar sujo.?

    • JAr
      Responder

      Why are you writing in broken english?

  • JAr
    Responder

    Os comentarios online revelam um povo!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend