Medina promete revelar até Junho solução para terrenos da antiga Feira Popular

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

URBANISMO

Avenidas Novas

10 Abril, 2018




Poderá ser o princípio do fim para um dos maiores imbróglios urbanísticos da capital portuguesa. Depois de década e meia ao abandono, muitas indefinições e duas hastas públicas fracassadas, os terrenos da antiga Feira Popular de Lisboa deverão, em breve, ver revelado o que o futuro lhes guarda. Até ao final de Junho, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) tornará públicos os seus planos para aquela área com 4,3 hectares, com o lançamento da Operação Integrada de Entrecampos. O anúncio foi feito, na tarde desta segunda-feira (9 de Abril), pelo presidente da autarquia, durante a cerimónia de abertura da V Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa, a decorrer até 15 de Abril no Pátio da Galé, ao Terreiro do Paço.

“É, seguramente, este ano, a operação urbanística mais importante de Portugal e uma das maiores da Europa. Trata-se de um momento marcante na vida da cidade, uma oportunidade única de fazermos cidade”, disse Medina, depois de explicar que o referido instrumento de planeamento urbanístico deverá incidir sobre uma parcela de território situada num triângulo formado, além dos terrenos de Entrecampos, pela Avenida do Movimento das Forças Armadas e pela Avenida Álvaro Pais. O presidente da câmara salientou que a referida Operação Integrada de Entrecampos, que será “anunciada até ao final do primeiro semestre”, incluirá não só aquilo que foi o lugar da antiga Feira Popular, mas também outros terrenos e edifícios do município. Um desfecho que, assegura, ajudará a ter “uma visão integrada e global do que será a cidade nos próximos anos”.

A promessa de uma solução urbanística para o maior espaço vazio no centro da capital surge mais de dois anos após a frustrada tentativa de venda em leilão do terreno, com uma área de construção de 143 mil metros quadrados. Em Dezembro de 2015, dava-se por encerrada, sem efeitos práticos, a segunda hasta pública promovida pela Câmara de Lisboa, depois de, tal como na primeira, ocorrida em Outubro do mesmo ano, não terem ocorrido propostas de licitação sobre o valor-base de 135,7 milhões de euros. Na segunda das tentativas, ainda chegou a ser noticiado que três potenciais candidatos haveriam solicitando à autarquia a prorrogação do prazo para apresentação de propostas. Mas o leilão – cujo programa especificava uma superfície destinada ao comércio não superior a 25%, a de habitação não inferior a 25%, mas sem poder exceder 35% da superfície total, e uma área verde de pelo menos 30% – ficou mesmo por ali.

MAIS
ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Álvaro Pereira
    Responder

    Eu já disse e repito: a melhor solução para esse terreno é recuperar um projecto dos anos 1960 que era construir lá um terminal rodoviário e colocar lá parte dos autocarros que estão junto do Estádio de Alvalade, cujo terminal já está a ficar sobrecarregado. Também se podiam colocar lá os autocarros que têm terminal no Parque Eduardo VII, onde não há condições nenhumas.
    Ficaria um excelente interface de transportes, mesmo junto à estação ferroviária de Entre Campos, do metro e dos autocarros da Carris.
    Quanto à poluição, actualmente estão a fazer autocarros cada vez menos poluentes, pelo que não será assim tão grande.

  • Prof. Belmiro Lopes
    Responder

    Qual estação qual porra , um segundo Monsanto era o ideal e no meio um aranha céus (100 andares) com apartamentos a partir de 3 milhões de Euros dava para financiar a CML durante um ano, e um estacionamento de vários pisos subterrâneos com saidas através de tunéis para não congestinar a zona.
    As estações rodoviarias podem ser feitas fora de Lisboa assim como casas para os mais necessitados.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend