Medina acusa Junta de Freguesia de Santa Maria Maior de fazer uma má gestão da Praça da Figueira

ACTUALIDADE
Sofia Cristino

Texto

DR

Fotografia

URBANISMO

Santa Maria Maior

5 Fevereiro, 2019

A frequente utilização do espaço público para actividades comerciais tem sido alvo de contestação por moradores, mas também por autarcas. Na última reunião camarária, foi a vez do presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina (PS), criticar as opções da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, acusando-a de não ser um bom exemplo na gestão da Praça da Figueira. Um ataque ao presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), que não tem poupado o município a críticas quanto aos seus planos para a requalificação da Praça do Martim Moniz. Ouvido agora por O Corvo, Coelho diz não comentar reuniões camarárias e desconhecer eventuais projectos para aquela zona da cidade, de onde muitos praticantes de skate se têm vindo a sentir empurrados. Em 2014, porém, o autarca prometeu dar aquela praça outra dignidade e, uns meses depois, António Costa, na altura presidente da Câmara de Lisboa, também garantiu que esta seria reabilitada.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Fernando Medina (PS), acusou, na última reunião camarária (30 de Janeiro), o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), de fazer uma má gestão da Praça da Figueira. “A junta de freguesia que, tantas vezes, é citada como tendo uma posição oposta à da câmara sobre o projecto para a Praça do Martim Moniz é a junta que gere a Praça da Figueira. Tenho uma opinião muito própria sobre o que é a gestão na praça, que direi num momento oportuno. E não é como bom exemplo sobre o que se passa na gestão de espaço público”, criticou. A câmara, continuou, “não tem nenhuma responsabilidade sobre o que lá é feito, nem sobre o que é aprovado, nem sobre o que é recusado ou retirado”, garante.

A acusação surgiu na sequência de uma intervenção de Paula Moura, uma representante do movimento “Libertem o Adamastor!”. A moradora criticou a forma como o município tem gerido estes lugares, comprometendo “seriamente o sentimento de pertença e direito à cidade de muitos cidadãos”. “Existem, em Lisboa, formas espontâneas de viver a cidade em comunidade. Estas encontram-se seriamente ameaçadas pelas decisões e acções levadas a cabo pela Câmara de Lisboa, com uma linha de acção caracterizada pela prepotência e o desrespeito pela vontade do cidadão”, acusou. Segundo a munícipe, “o espaço público não é só físico, é formado também pelo que lá acontece quando a comunidade o toma seu, fazendo-o viver”. E exemplificou. “A Praça da Figueira foi, durante anos, ponto de encontro de jovens para a prática de skate. Recentemente, e em simultâneo com a reabilitação do edificado da praça, foi-lhes retirado o acesso a este espaço. Talvez seja melhor para estes jovens passarem a reunir-se em Santos ou no jardim do Arco do Cego”, ironizou.

ocorvo05022019pracafigueira3

Está longe de ser consensual a gestão de uma das mais emblemáticas praças da capital

Medina respondeu, dizendo que “não tem nenhuma decisão sobre os skaters”, e elogiou ainda as requalificações de praças e largos “criadas ou recriadas” na cidade, no âmbito do programa municipal Uma Praça em Cada Bairro. “Não houve mandatos, este e o anterior, em que mais praças fossem construídas e devolvidas aos cidadãos, em que se procurasse mais transformar a forma como as pessoas estão na cidade e libertar mais espaço. A forma como as pessoas podem viver hoje o espaço público deve-se muito à política que este executivo seguiu”, afirmou. Apesar de reconhecer que o programa Uma Praça em Cada Bairro foi feito sobre “uma grande chuva de críticas, e incompreensão de muitas pessoas”, Medina lembrou que hoje são vários os exemplos de intervenções de sucesso no espaço público, por parte da autarquia por si liderada. Entre estas, destacou a renovação do Campo das Cebolas, do Largo do Calvário, do Largo de Alcântara e do Largo junto ao Centro Comercial Fonte Nova.


 

Apesar de ainda não ser conhecido nenhum projecto de reabilitação para a Praça da Figueira, segundo o site da Câmara Municipal de Lisboa, este largo está incluído no conjunto daqueles que beneficiarão de uma intervenção requalificadora no âmbito do Uma Praça em Cada Bairro. Na edição de Janeiro de 2015 da publicação trimestral da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, António Costa – ainda antes de renunciar ao cargo de presidente da Câmara de Lisboa, para concorrer às eleições legislativas, realizadas uns meses depois – garantia ter em carteira “um conjunto considerável de projectos para a área de Santa Maria Maior”. Entre eles, contar-se-ia o projecto de reabilitação do espaço público da Praça da Figueira, no âmbito do programa “Uma Praça em cada Bairro”.

 

Uns meses antes, em Outubro de 2014, a propósito das queixas dos moradores relativamente ao ruído sentido naquele largo, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho (PS), admitia a O Corvo existirem “excessos” e até falou em “novos usos” para a praça. “É sabido que, durante muito tempo, a Praça da Figueira funcionou como uma espécie de caixote onde ia parar tudo o que fosse refugo do Rossio. Mas queremos mudar isso e dar à praça outra dignidade”, prometeu, na altura, o autarca. Ouvido agora por O Corvo, Miguel Coelho diz não ter novidades relativas aquela parte da cidade. “Desconheço novos projectos para a Praça da Figueira”, afirma.

 

 

Na altura, os habitantes criticavam a quantidade excessiva de eventos ali realizada, como feiras de produtos regionais, festivais de ranchos folclóricos e outros concertos. Miguel Coelho diz, agora, que já não recebe queixas dos moradores relacionadas com o ruído, apenas de “idosas atropeladas pelos skaters”. “Não expulsei os skaters, não sei porque saíram. Algumas senhoras de mais idade queixavam-se deles, é apenas a informação que tenho”, diz. Confrontado com as acusações de Medina sobre má gestão do espaço público, Miguel Coelho diz apenas “não comentar reuniões camarárias”.

 

Nesta última reunião pública do executivo, Ana Jara, vereadora do PCP, reconheceu que o problema da utilização do espaço público “é complexo” e criticou as opções do pelouro do Urbanismo. “Parece que a câmara promove cada vez mais espaços com equipamentos e comercialização. Deixa cada vez menos espaço livre, e não se preocupa em criar projectos que permitam esta liberdade de apropriação e até de criação de coisas que não estão activas na cidade. Uma capacidade criativa que a cidade está a perder com esta programação excessiva do domínio publico e dos espaços públicos. É necessário o vazio para podermos respirar”, reforçou.

 

A vereadora comunista disse ainda que a Praça da Figueira já está no centro da cidade, numa área de “grande pressão”, com muito comércio “e muitas coisas que já estão supridas”. “Há questões que estão a ser excluídas do pensamento do Urbanismo. E isto fica expresso quando as pessoas não têm ao seu dispor espaços dos quais se possam apropriar livremente. Como esta comunidade de skaters, que ficou sem espaço e andou de espaço em espaço”, sublinhou.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Álvaro Pereira
    Responder

    Será que ainda não perceberam que a única solução para essa praça é reconstruírem o mercado que lá existiu até 1949?
    Quanto à estátua de D João I, uma das minhas figuras históricas preferidas, há vários lugares onde podia ser colocada: em frente ao Hotel Mundial, no Campo das Cebolas, no alto do Parque Eduardo VII…
    De notar que no alto do Parque Eduardo VII estava previsto colocar a estátua de Nuno Álvares Pereira que está junto do Mosteiro da Batalha, mas houve alguns idiotas que não gostaram da estátua naquele local. Agora está lá aquele ridículo monumento ao 25 de Abril!
    Onde é que o escultor Cutileiro tinha a cabeça quando fez aquela obra?

    • Nuno Nogueira
      Responder

      Subscrevo na totalidade.

  • Vítor Vieira
    Responder

    O problema do excessivo comércio no espaço público não é exclusivo da Praça da Figueira. Em Benfica, na estrada de Benfica, também há sempre muitas feiras e feirinhas… E no Palácio Baldaya, que fica muito junto a prédios habitacionais. Como dizia a vereadora do PCP: ” É necessário o vazio para podermos respirar “. E eu direi que é necessário silêncio e respeito pelos moradores! As juntas de freguesia e câmaras municipais deveriam ser as primeiras na defesa da lei do ruído, mas não é isso que acontece. Como é possível que elas licenciem um evento, sujeito a licença especial de ruído, e depois também, supostamente, devem fiscalizar? Há aqui uma gritante incompatibilidade de papéis!

  • Susete
    Responder

    Não percebo como algumas pessoas podem defender que o lugar dos Skaters é na Praça da Figueira???!
    Já alguma das senhoras levou com um skate nas canelas, a alta velocidade, que saiu disparado dos pés desses jovens?. E que teve que ir para o hospital com a tíbia partida?
    Não creio!
    Para além disso foi feito um parque de skates com o dinheiro dos contribuintes para esse efeito.
    Não se fazem lar de idosos, nem creches, nem jardins, nem…
    Mas fazem-se parques para skaters!!!!
    Por isso acho que a Praça da Figueira não é o local mais indicado para os skaters.

  • Catarina de Macedo
    Responder

    O que mais me impressionou nesta notícia foi saber que ainda há gente a morar na zona da Praça da Figueira. Pensava que os moradores já tinham sido todos empurrados dessas zonas reservadas para os turistas.

    • Bruno
      Responder

      Subscrevo

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend