Decadência do Jardim Botânico Tropical denunciada por movimento cívico

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

Paula Ferreira

Fotografia

AMBIENTE

Belém

27 Julho, 2016


Há anos que se sabe do imperturbável avanço na decadência de um dos mais singulares jardins da capital portuguesa. Apesar dos sucessivos alertas, porém, nada tem sido feito. Ao ponto de o estado de conservação do Jardim Botânico Tropical, em Belém, se revelar bem diferente daquele que seria de supor num equipamento que, além de ser património do Estado e apresentar características únicas, está classificado como monumento nacional. Por isso, o grupo cívico Fórum Cidadania LX vem agora solicitar, num comunicado, que a sua tutela passe da Universidade de Lisboa para a Presidência da República.

Tal alteração – que se processaria “por via de uma parceria com a Câmara Municipal de Lisboa, a Direcção-Geral do Património Cultural e a Associação Portuguesa dos Jardins Históricos”, defende o grupo de cidadãos – permitiria que a recuperação e a manutenção do Jardim Botânico Tropical e dos seus edifícios, incluindo o Palácio da Calheta, se realizasse a médio prazo. Uma mudança de tutela que, para além do que o colectivo considera ser a flagrante incapacidade da universidade em manter o outrora designado por Jardim Museu Agrícola Tropical e por Jardim do Ultramar, se justifica também pelo facto de o espaço verde se localizar, desde 1912, na antiga cerca do Palácio de Belém.

No comunicado publicado nesta terça-feira (26 de julho), é denunciado um conjunto de situações que contribuem para o quadro geral de degradação e desleixo. E elas incluem quer o mau estado de conservação da estatuária de origem italiana do século XVIII, quer o dos 14 bustos da autoria do escultor Manuel de Oliveira – concebidos em 1939 e 1940 e que representam várias etnias africanas, de Timor e Macau -, passando pelo que resta do património da Exposição do Mundo Português (1940), ou ainda o esquecimento a que se encontram condenados alguns dos espaços verdes.

“A ‘estufa grande’, exemplar raro em Portugal, está abandonada, com vários vidros partidos e com partes da importante estrutura em ferro já em falta”, denuncia-se no comunicado, que lamenta ainda o facto de o ‘Jardim Oriental’ estar “degradado, com pontes danificadas, os cursos de água e o lago central sem água”.

“O palácio dos Condes da Calheta está degradado (portas e janelas) e fechado ao público, sem qualquer programa de actividades, impossibilitando a visita do seu rico património azulejar”, critica-se também no mesmo texto, em que se refere que o Jardim Botânico Tropical tem, ainda assim, cerca de 1400 visitantes diários.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Helena Galamba
    Responder

    Super decadência. É vergonhoso deixarem o jardim chegar ao estado actual.

  • Nuno
    Responder

    Além da decadência desse espaço, o passeio da Calçada do Galvão está quase sempre ocupado por estacionamento abusivo. Será que a Junta de Freguesia de Belém que é ali mesmo ao lado, ainda não reparou nisso? Além de prejudicar os moradores de mobilidade reduzida, dá uma péssima imagem aos turistas da falta de civismo dos portugueses.

  • Casquilho
    Responder

    Jardim Botânico de Lisboa https://t.co/j86JoOGhyY

  • Responder

    E no antigamente nem se pagava e estava bem arrumadinho. Esta visto que as entradas nao chegam para pagar a administracao, e se calhar vao mas e aumentar os bilhetes. Cambada de irresponsaveis e de mediocres.

  • Rui Martins
    Responder

    “Há anos que se sabe do imperturbável avanço na decadência de um dos mais singulares jardins da capital… https://t.co/TReNGzSaj7

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend