Que consequências pode ter para Lisboa a revolução turística em curso, nos últimos anos? A questão tem feito correr muita tinta e sido acompanhada por discussão apaixonada, à qual é difícil escapar. Quase toda a gente tem opinião sobre um assunto que, pela dimensão, rapidez e profundidade dos seus efeitos, se tem revelado no maior agente de mudança da capital portuguesa. Tanto que será, pela primeira vez, tema de uma conferência internacional de âmbito universitário, a realizar a 17 e 18 de abril, no Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE). “Lisboa, que futuro?” terá entrada livre, mediante inscrição prévia, e já está a superar as expectativas iniciais dos organizadores, o DINÂMIA’CET-IUL – Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconómica e o Território do ISCTE.

 

Durante os dois dias de discussão abertos à comunidade, será analisado o conjunto de alterações pelo qual a maior cidade portuguesa tem passado, em consequência do disparar da actividade turística, nos anos mais recentes. Decorrerão ainda comparações com o que está a acontecer no Porto, mas sobretudo noutras cidades a nível internacional que viveram, ou estão a viver, fenómenos semelhantes ao de Lisboa. Serão analisados os casos de Barcelona, Nova Iorque, Vancouver, Paris ou Milão. “Há outras cidades que passaram por processos semelhantes com aquilo que está a suceder em Lisboa, embora com as suas particularidades”, diz a O Corvo Sandra Marques Pereira, investigadora do DINÂMIA’CET-IUL e organizadora da conferência. A ideia, explica, é “lançar um debate informado, equilibrando, não polarizado e aberto à sociedade”.

 

Algo que acontece quando as mudanças em Lisboa “estão numa fase inicial e estão para durar”, considera. “É absolutamente urgente fazer um debate nesta altura, em que estamos a atravessar um processo alterações profundas, que é muito recente e muitíssimo rápido, e tentar aprender com outras cidades”, afirma a professora universitária. Pegando na expressão tanta vezes usada quando se discute este tema, a gentrificação – a apropriação por classes favorecidas de centros urbanos antes decadentes e ocupados por classes desfavorecidas -, a conferência inaugural (17 de abril, 18h15), a cargo de Sharon Zukin (City University of New York), fará um retrato do que se passou na principal metrópole norte-americana. “A Field Guide to Gentrification: Reflections from New York” é o nome da palestra, que decorrerá logo a seguir à abertura oficial dos trabalhos.

 

O segundo dia começa (9h30) com um conjunto de comunicações feitas por investigadores da entidade organizadora, sob o mote “Lisboa: Ressurgimentos, Revitalizações, Gentrificações?”: “Lisboom: a cidade ‘renascida’ em contexto de globalização”, de Sandra Marques Pereira; “A minha gentrificação é melhor do que a tua: o(s) direito(s) à cidade numa Lisboa em massificação”, de Pedro Costa, e “Transformação e intervenção nos bairros históricos: da Mouraria ao Príncipe Real”, Madalena Matos e Maria Assunção Gato. Logo de seguida, e ainda de manhã (11h), haverá lugar a uma mesa redonda com representantes dos pequenos comerciantes, do Turismo de Lisboa, do Movimento Quem Vai Poder Morar em Lisboa e ainda com o arquitecto José Mateus. Na parte da tarde, o painel Cidades Da Europa Do Sul: Mudanças E Aprendizagens dará conta das experiências vividas em Barcelona, Milão, Porto e Paris.

 

Sandra Marques Pereira deseja que o debate sobre este tema, tão importante para a vida da comunidade, não fique centrado no mundo académico. O objectivo é que a discussão sobre as profundas transformações causadas pelo turismo tenha utilidade para Lisboa, permitindo assim “minimizar os aspectos negativos”. “Desejamos uma reflexão aberta à sociedade, mas também que a conferência funcione como pontapé de saída para uma linha de investigação mais sistemática destas transformações”, explica. “As mudanças relacionadas com o fenómeno turístico têm sido muito rápidas e diferentes de bairro para bairro, e os dados que existem sobre o fenómeno são muito anacrónicos. Há muito trabalho a fazer neste campo, um longo caminho a percorrer”.

 

Programa completo e informações: www.lisboaquefuturo2017.org

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Vítor Carvalho
    Responder

    “Uma mentira dita muitas vezes acaba por ser verdade”. Fico boquiaberto quando ouço dizer que Lisboa tem “excesso” de turistas. Vem-me à memória” o “orgulhosamente sós” do tempo do Estado Novo. Não estávamos era habituados. Que a questão pode e deve ser discutida, sem dúvida que sim. Que devemos aprender com outras cidades que passaram pelo mesmo, sem dúvida… Mas dizer que Lisboa não “aguenta” mais turismo é um autêntico disparate e não corresponde à verdade. Sabem o que significa para a economia da cidade? Os milhares de empregos que se criaram com este boom? A animação e o prestígio que trouxe a Lisboa? Acho que há muito provincianismo, egoísmo e alguma ignorância à mistura quando se aborda esta questão. Os turistas devem ser sempre bem-vindos. Venham eles!

    • Miguel Madeira
      Responder

      O problema não são os turistas. O problema é a não tomada de medidas preventivas do dano à população local, que se reflecte ao nível dos preços desde à habitação até aos serviços. Venham os turistas, mas isto não pode ser a lei da selva, em que meia dúzia de espertos tentam lucrar ao máximo sem consideração para o bem geral da comunidade.

    • Vítor Carvalho
      Responder

      Inteiramente de acordo. Daí entender que se deve ter uma discussão séria sobre este assunto sem tirarmos conclusões logo à partida de que o turismo é, globalmente, pernicioso para a cidade como já se ouve por aí…

  • Matheus Bernasconi Puertas
    Responder

    Vamos Martha Tavares e Filomena Farinha?

  • Miguel Cortes Martins
    Responder

    Zé Pedro Fernandes, Catarina Fonseca, Margarida De Almeida Oliveira

  • Silvia Jorge
    Responder

    Lisboa só tem de se adaptar e seguir o exemplo das outras cidades europeias. Por ex, Amsterdam recebe por ano 16 milhões de pessoas, cabem cá todas e sem stress.

  • Adriana Ramos
    Responder

    Muito interessante, a não perder!

  • Adriana Ramos
    Responder

    Turismo sim, com condições de infraestruturasi e de mobilidade. Que dizer dos preços praticados, simplesmente para beber um café, é tudo igual para os residentes e para os turistas, não há direito de “masacrar” os residentes, com tanto trânsito e ruído! Com condições sim, turismo sim!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com