Marcos especiais dos correios: monos na paisagem de Lisboa têm fim anunciado

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

Selima

Fotografias

VIDA NA CIDADE

Cidade de Lisboa

2 Abril, 2018




Em muitos sítios, mostram-se apenas como evidência de uma aposta falhada. Os quiosques que, há cerca de uma década, os CTT instalaram um pouco por todo o país, com o intuito de servirem como marcos de correio e máquinas de venda de selos, têm vindo a ser retirados ao longo dos últimos dois anos. Em Lisboa, ainda existem 23 equipamentos do género, muitos dos quais inactivos e degradados. Deverão, contudo, ser substituídos por “caixas receptáculo” ou pelos tradicionais marcos, confirmou fonte oficial da empresa a O Corvo. Surgidas como alternativa aos tradicionais balcões da empresa postal – muitos dos quais se encontram, entretanto, agora também em processo de encerramento -, uma parte substancial destas infra-estruturas deixou já de ter uso.

Os “marcos especiais”, como lhes chama os CTT, surgiram com o objectivo de aliviar as filas em muitas estações de correios, permitindo neles realizar duas das mais elementares tarefas: a entrega de correspondência e a compra de selos. Com o passar do tempo, todavia, um número substancial desses equipamentos foi deixando de estar operacional. Alguns apresentam os mecanismo de venda de selos inactivos e crescentes sinais de degradação, vítimas de vandalização e de falta de manutenção. Grande parte deles tem-se assumido, por isso, como “monos” na paisagem urbana, embora ainda existam vários no activo. Mas a confusão sobre a real operacionalidade subsiste. Tanto que, para muita gente, põe-se a dúvida sobre se será avisado depositar ali uma carta.

Questionados por O Corvo sobre o que pensam fazer com estas peças de mobiliário urbano que atravancam algumas das ruas de Lisboa, os CTT assumem o fim anunciado. “Os CTT realizaram uma análise em 2015, tendo concluído que, face à pouca procura existente, resultou que não se justificava o incremento desta infra-estrutura pelo que neste momento está em plano a sua gradual substituição por uma caixa receptáculo ou marco de correio, sempre que se justifique e tal seja possível”, informa a empresa, esclarecendo que, “atendendo à reduzida utilização que este tipo de equipamentos”, os mesmos têm vindo a ser reduzidos nos últimos dois anos. Nos últimos dois anos, dizem os CTT, foram retirados das ruas 19 equipamentos deste género a nível nacional, cinco dos quais na capital.

ocorvo02032018marcosctt2

Estas grandes peças de mobiliário urbano vão começar a desaparecer de Lisboa.

MAIS
ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • OntechSystems
    Responder

    João Mendes, não seja ingénuo. A extrema esquerda é mais perigosa do que parece. Não os tem visto a protestar contra o encerramento das estações de correios? Não é por acaso! Foi uma inteligente tática dos nossos serviços de segurança em estreita colaboração com os CTT para os impedir de mandarem cartas armadilhadas. http://viagraqoid.com/

  • João Alberto Martins
    Responder

    Podem aproveitar o espaço livre destes equipamentos para construírem WC;S (vulgo casas de banho) que tanta falta fazem. Muitas pessoas são obrigadas a urinar e defecar na rua por não conseguirem segurar o organismo. Quase que se podem contar pelos dedos de uma mão os locais onde existem WC,S . Depois a cidade está cheia de dejectos humanos, a juntar aos dejectos caninos e das aves etc. Fica aqui a minha humilde opinião, não quero ofender ninguém.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend