Um novo espaço comercial vai surgir, no início da primavera, no Príncipe Real, zona que se tem vindo a afirmar como a mais trendy da cidade. Chamar-se-á Entre Tanto e, à semelhança do Embaixada, inaugurado em Setembro último, ocupará um palacete antigo, o Edifício Castilho, exemplar da arquitectura residencial pombalina, situado na Rua da Escola Politécnica, números 38 a 46.

 

Poucos metros separam os dois edifícios, ambos propriedade da firma Eastbanc Portugal, que definiu os conceitos que presidem à ocupação de cada um. “No Embaixada , privilegiámos o produto português, daí o nome. O Embaixada atrai muitos turistas e tem sido um sucesso, desde que foi inaugurado, em Setembro. O Entre Tanto obedece a outro conceito, queremos ocupá-lo com lojas que ofereçam produtos e serviços úteis”, afirma Catarina Lopes, directora-geral do Eastbanc Portugal.

 

Cerca de metade das vinte lojas do novo espaço já estão reservadas. “Já temos apalavradas uma loja de moda feminina, outra de moda infantil, uma loja de óculos, outra de sapatos para homem, uma de roupa vintage e em segunda mão, outra ainda que venderá sumos naturais. Mas gostaríamos de conseguir pessoas interessadas em abrir uma livraria de nicho – que vendesse literatura específica, de viagem ou literatura erótica, por exemplo, – um sapateiro, uma costureira, uma lavandaria, uma gelataria, uma loja de artigos de cozinha, um bom quiosque de jornais e revistas, uma loja de chocolates, ou seja, comerciantes que forneçam produtos e serviços que impeçam as pessoas de sair do bairro”, afirma Catarina Lopes.

 

As rendas no Entre Tanto rondam os 30 euros por metro quadrado, os mesmos preços que são praticados no Embaixada. O espaço é mais sóbrio do que aquele em que funciona o Embaixada: as paredes são brancas e o edifício é mais labiríntico, organizado à volta de um saguão.

 

O primeiro andar do palacete já está todo reservado, mas o rés-do-chão, de onde, em breve, sairá a loja do estilista Nuno Gama, continua por ocupar. A inauguração está prevista para finais de Março ou início de Abril.

 

 

Texto: Isabel Braga          Fotografia: Fernando Faria

  • Aqui mora gente
    Responder

    Sobretudo um exemplo de reabilitação e revitalização de um Bairro em harmonia com a função residencial, com pluralidade e diversidade de comércio e respeito pela qualidade ambiental urbana.Um exemplo de boa gestão do espaço público a ser seguido pela CML, por vezes tão permeável aos interesses de alguns sectores económicos, como sejam o lobby dos bares.

  • Amélia Júlio
    Responder

    Essa zona está cada vez melhor , Isabel !
    Gostei !

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com