Crónica

 

Há uma nova barbearia na minha rua, chamada “Barber Shop”. Não é bem uma barbearia: é um “studio hair style”. O velho barbeiro do bairro – um senhor de 70 anos, bata branca, com o transístor sempre sintonizado na Rádio Amália – continua a trabalhar e, apesar da concorrência, não pensa reformar-se.

– Ainda me sinto com forças para trabalhar.

O problema é o inglês. Comparado com a vizinhança, ele está fora de moda, o que é pior que “old fashion”.

A loja chinesa frente à “barber shop” já se modernizou, chamando-se agora “Super Store”. Tem tudo, claro: “Decoração, vestuário, iluminação, ferramentas, calçado, têxteis, bijouteria, louças, bazar, plásticos, brinquedos, papelaria e muito mais…”. (Exatamente por esta ordem, com o “muito mais” a fechar a lista).

– E regadores, tem?

– Re-ga-dor?!

A dona da loja não conhecia a palavra, mas a filha, tão fluente em português como qualquer adolescente portuguesa da sua idade, foi logo buscar um à prateleira dos plásticos.

Num raio de 50 metros, há também um “iCenter”, para reparações de telemóveis e computadores de uma conhecida marca norte-americana; uma “Dj Academy”, especializada em “music & events production”; uma “franchise” da cadeia “Office Pak” (leia-se “papelaria, centro de cópias, material de escritório, tinteiros e toners”, etc) e um café/restaurante/pastelaria “brasileiro & português” chamado “O point”, com o “t” final a lembrar o tronco de uma palmeira.

Point?!

– A gente fala isso lá no Brasil, explica o empregado. ‘Point’ é um ponto de encontro.

Estava-se mesmo a ver, não estava?

 

Texto: António Caeiro

(Residente na Freguesia de São Domingos de Benfica)

 

  • Paulo Ferrero
    Responder

    Hehehe. liga com marquise 🙂

  • Sónia Martins
    Responder

    Tenho uma loja que é frachising por acaso a marca é portuguesa, mas o nome é em inglês. Quando abrimos a loja, uma senhora do prédio disse-nos logo se o nome não podia ser em português. E ela tem razão, damos pouca importância à nossa língua infelizmente. Ao perdermos a nossa língua na cidade estamos dia-a-dia a tornar uma cidade como qualquer outra. As cidades aos poucos vão perdendo os seus aspectos distintivos, é uma pena.

    Sónia
    http://www.tantolixotantoluxo.blogspot.com

  • Pedro Barroca
    Responder

    Pequeno, mas incisivo texto sobre um problema que está a tomar proporções incontroláveis. A praga de pirosos nomes estrangeiros em estabelecimentos, eventos e recintos está a apodrecer a ligação dos portugueses com a sua própria língua. Pretensiosismo boçal e ridículo.

  • carlos martins
    Responder

    sou carlos martins , vivo no porto . sou comerciante na area de hotelaria . muito responsavel e trabalhador….falaram me que zona do princepe real seria uma óptima opção para o meu negócio que é de excelente qualidade…. procurava alguém que me ajudasse a encontrar um espaço .. se possivel com capital para uma sociedade… meu contacto é 916953345. Carlos Martins

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com