A generalidade dos residentes e comerciantes de Lisboa passará a estar sujeita a multas, que podem ascender a 727€, se não forem cumpridas as regras de limpeza urbana, já a partir de Janeiro de 2015. A fiscalização estará a cargo das juntas de freguesia, com a ajuda da Polícia Municipal. O aviso foi deixado, na manhã desta terça-feira (18 de Novembro), por Miguel Coelho, presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, situada no centro da cidade, durante uma acção de sensibilização ocorrida no bairro da Mouraria e acompanhada pelo vereador da Higiene Urbana, Duarte Cordeiro. A Câmara Municipal de Lisboa está a realizar iniciativas de esclarecimento do mesmo género também em Arroios e São Domingos de Benfica.

 

Distribuindo folhetos elencando as regras básicas e falando com moradores e comerciantes da comunidade, tanto o vereador como o presidente da junta tentaram fazer passar a mensagem da importância do cumprimento do regulamento de resíduos sólidos da cidade. Com especial incidência no evitar a deposição de resíduos na via pública, no alerta para a necessidade de realizar a separação seletiva de resíduos, na colocação dos mesmos em ecopontos e ainda na recolha de dejetos caninos. Foi também chamada a atenção para a necessidade de cumprir os horários de deposição na rua dos resíduos para recolha.

 

Tudo coisas básicas e que estão longe de constituir novidade. Mas que, em bairros como a Mouraria e em muitas outras zonas da capital, continuam longe de ser assimiladas por todos. Um problema que, pela sua natureza, se tem revelado bem visível em bastantes ruas de Lisboa. “Muitas pessoas são indisciplinadas, não cumprem as regras e colocam o lixo no chão ou não ligam aos horários estabelecidos. Fizemos um grande investimento na melhoria da capacidade de limpeza e recolha de resíduos, mas se não houver da parte do cidadão uma atitude cooperante, as coisas não funcionarão”, diz Miguel Coelho.

 

O presidente da junta, que juntamente com outro pessoal da junta envergava uma t-shirt verde com um coração vermelho e o dizer “A minha rua é linda! Quando está limpa”, explicou ao Corvo que, “a partir de Janeiro, a intenção é autuar quem não cumpra as regras”. Um aviso que vem na linha de outros já feitos, ao longo deste ano, tanto por Miguel Coelho, no que se refere a Santa Maria Maior – freguesia nova que, com a reforma administrativa da cidade, há um ano, agregou uma dúzia de antigas circunscrições -, como por Duarte Cordeiro, em relação à cidade no seu todo. A fiscalização será feita por elementos da junta, já ao abrigo das novas competências recebidas da câmara, com as coimas a serem passadas por agentes da Polícia Municipal.

 

IMG_3217

 

Os avisos estendem-se ainda à alimentação ilegal dos pombos, outra das pragas de Lisboa e com forte contribuição para a sujidade e degradação do património e do espaço público. “Não deve alimentar os pombos, porque leva à sua reprodução descontrolada, à degradação do património e podem ser portadores de doenças transmissíveis ao homem”, informa o folheto distribuído à população da freguesia, com versões em português, inglês, hindi e chinês. Aí se lembram ainda os horários das recolhas do lixo e selectiva porta a porta e se faculta o número de telefone (808 20 32 32) para solicitar a recolha de objectos volumosos.

 

Miguel Coelho salientou o carácter distinto da sua freguesia, “histórica” e com uma grande comunidade imigrante constituída por pessoas de proveniências e culturas muito distintas. Mas prefere não ver tal facto como um óbice ao normal funcionamento do sistema de recolha de resíduos. “Há incumpridores e cumpridores em todas as culturas e comunidades”, diz, antes de avisar: “As pessoas têm que cumprir, não podemos ter um varredor em cada rua”.

 

Texto: Samuel Alemão

  • Gilberto Gustavo
    Responder

    Finalmente!!!

  • Cláudia
    Responder

    Para onde devo telefonar sobre os dejectos dos canitos? É que nas ruas do agora chamado Bairro de Santos (antigo bairro do Rego) não sei porquê, há imensos dejectos de cães nos passeios. Mas, atenção, não são cães sem dono, são donos porcos e preguiçosos!! Trazem os bichos à rua para fazer as necessidades no primeiro poste e pneu que encontram e, assunto resolvido, retornam ao conforto do lar pouco se importando com o que possa acontecer se alguém escorregar no dejecto do cão ou mesmo levar parte da “prenda” para casa!!

  • Cláudia Lopes
    Responder

    Lol! E como é que vão saber de quem é o lixo e quem é que ou quem é que o lá colocou???

  • Paulo Ribeiro
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Lixo fora do caixote ou do ecoponto vai, finalmente, dar multa a partir de Janeiro – http://t.co/NL0NHxutUM

  • Henrique Dias
    Responder

    Apoio incondicionalmente!

  • João Campos
    Responder

    Finalmente!!
    Cláudia Lopes eu que circulo bastante pelos bairros mais ‘tradicionais’ de Lisboa diria que será simples pois a maioria das vezes em questão os comerciantes colocam o lixo (cartão, vasilhame e outros) mesmo à porta do seu estabelecimento comercial sendo que por vezes os ‘grandes’ não escapam à regra 😉

  • Luis Silva
    Responder

    tenho reparado que muitos ecopontos pura e simplesmente desapareceram, acho realmente estranho e bizarro a razão dessa multa. Na minha óptica não faz sentido.

  • Helena Castro
    Responder

    Gostaria muito que assim fosse mas duvido que haja vontade suficiente para chegar a bom porto. É que não é fácil mudar comporyam

  • Helena Castro
    Responder

    Não é fácil mudar comportamentos e as medidas têm que ir muito além da multa.

    • Patricia
      Responder

      Além da multa? Dê-me um exemplo, por favor.
      Obrigada

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com