Livraria Municipal de Lisboa vai fechar portas em breve

ACTUALIDADE
Fernanda Ribeiro

Texto

CULTURA

Arroios

Avenidas Novas

22 Janeiro, 2016


Ironia das ironias, a Livraria Municipal de Lisboa, instalada, em 1991, na Avenida da República, por João Soares, quando era vereador da Cultura, fecha portas agora que o ex-autarca é ministro da Cultura. Oficialmente, a Câmara diz apenas que “o futuro da Livraria Municipal está em estudo”. Mas, ao que O Corvo apurou, a decisão de encerramento está tomada. Para onde irão as centenas de publicações municipais sobre a história de Lisboa é algo que a câmara não revela. E os funcionários estão impedidos de falar.

A decisão está tomada e a Livraria Municipal, instalada na Avenida da República pelo actual ministro da Cultura, João Soares, quando em 1991 era vereador com esse pelouro na Câmara Municipal de Lisboa, vai fechar as portas em breve, soube O Corvo.

A notícia não suscitou, porém, nenhum comentário de João Soares. Contactado pelo Corvo, o ministro da Cultura optou por não se pronunciar relativamente ao fecho da Livraria Municipal, que criou, alegando que esta se encontra sob a tutela da autarquia. O seu futuro não depende do governo, de acordo com o seu assessor, Horácio César.

Já os clientes lamentam que tal aconteça e sugerem alternativas.“É mais uma coisa que se perde em relação ao estudo de Lisboa”, diz Mário Martins, 42 anos, a propósito da intenção de encerramento da Livraria Municipal, da qual é cliente há já 20 anos e onde consulta livros sobre a história da cidade, a sua toponímia e também livros de fotografia, um dos seus hobbies.

“Aqui, encontra-se muita coisa interessante e há mesmo publicações que já são raras. É o caso do Lisboa de Lés a Lés, de Luís Pastor de Macedo, ou de Lisboa Antiga, de Júlio Castilho”, salienta ao Corvo este frequentador assíduo da Livraria Municipal, que se queixa apenas de haver cada vez menos edições da Câmara.

“Houve muitas publicações municipais editadas quando se realizou a Lisboa-94 e depois, também, por altura da Expo 98. Fizeram-se coisas muito boas. Mas, agora, as edições rareiam, o que é pena. A fechar esta livraria, o que se edita com o prelo da câmara vai ser ainda mais difícil de encontrar. Só mesmo nos alfarrabistas”, acrescenta.

No entender de Mário Martins, a Câmara devia considerar a transferência da Livraria Municipal para outro local, tendo em conta que a autarquia pretende vender o edifício da Avenida da República – que foi colocado em hasta pública em 2014 e em 2015, mas que não chegou a ser alienado pelo município, por falta de comprador.

“A livraria poderia transitar para outro sítio, como o edifício da Câmara no Campo Grande, onde estão os serviços e têm bastante espaço ”, sugere.

2016-01-13-15.47.22-2.jpg

Na visita do Corvo à Livraria Municipal, foi impossível obter declarações dos funcionários que ali trabalham. “Só podemos falar com autorização do gabinete da vereadora da Cultura”, dizem. Mas o gabinete de Catarina Vaz Pinto, contactado pelo Corvo, nunca deu a autorização requerida. “Estando neste momento o futuro da Livraria Municipal em fase de estudo, não nos parece oportuno falar com os funcionários”, respondeu, via email, ao fim de mais de uma semana de contactos.

Criada ainda no tempo de Nuno Abecasis como presidente da câmara, a Livraria Municipal esteve inicialmente instalada nas Escadinhas de São Francisco, num imóvel que acabaria por ser cedido à pastelaria Ferrari na sequência do incêndio do Chiado, em 1988. Esteve então sem funcionar até 1991, quando, por decisão de João Soares – então vereador com o pelouro da Cultura na câmara presidida por Jorge Sampaio – foi instalada no edifício da Avenida da República.

Para onde irão agora os milhares de títulos que ali se encontram é a questão a que a Câmara Municipal de Lisboa não responde.

A publicação “Oito séculos de História”, com ilustrações de Almada Negreiros, “O Beau Séjour”, “A Igreja dos Paulistas”, “O Mosteiro de São Vicente de Fora”, “A Cor de Lisboa”, “Cemitérios de Lisboa”, “Estudos Olisiponenses” , ou ainda os pequenos livros da colecção “Lisboa Porta a Porta” são apenas exemplos das centenas de títulos que se podem ver, percorrendo as prateleiras da livraria que, pelo menos até ao fim de Janeiro, se deverá manter aberta ao público, na Avenida da República, 21-A.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

  • Miguel Fonseca
    Responder

    Ironia porquê?
    As pessoa não vão lá… não a utilizam.

    Eu sou um frequentador habitual da Biblioteca de Belém (BLX) e NUNCA lá vi mais de 15/20 pessoas. Sempre as mesmas.

    A malta gosta é de Quintas da TVI e programas para Burros.
    Já ninguém utiliza as nossas Bibliotecas, salvo raras excepções!

    • Cristina Borges
      Responder

      O que fecha é uma livraria e não uma biblioteca. Mas percebe-se a confusão, lendo a notícia chega-se à conclusão que as pessoas a visitavam para consultar os livros e não para os comprar…

  • Marie-Thérèse Faidherbe
    Responder

    acho que tem que continuar, mas num lugar de mas passagem.

  • Jorge Parente Baptista
    Responder

    Pois.Realmente na av,da republica passa muito pouca gente…

  • Paulo Ferrero
    Responder

    Vira gelataria da Versas, creio – o que não importará muito ao ex-PCML, creio…- e o resto do prédio será para a fundação de MEanes. 🙂

  • Claudia Tavares E Castro
    Responder

    Poucos sabem da existência desta livraria, que é excelente. ESpero que vá para outro sítio.

  • Isabel Máximo Correia
    Responder

    Então! Então! Dinheiro não falta para o Campo das Cebolas! Vamos lá a ver o resto, a ver se me lembro: – Cais do Sodré (ANOS!), Estação de Santa Apolónia, Carros novos (porque a malta não pode andar a pé). E não há dinheiro para esta livraria e ninguém pode falar?! Bom, sempre faltarão os bombeiros, claro!, até porque o dinheiro da nova taxa ainda não chegou ao quartel dos bombeiros do Beato, que todos os dias cai mais um bocadinho…Ah!, é verdade…falta também o 1% para a Cultura que este Governo prometeu….Prometeu…Prometeu (mitologia grega)…

  • Carlos Martinho
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Livraria Municipal de Lisboa vai fechar portas em breve – https://t.co/sNmX7OaZAc

  • Sérgio Mangas
    Responder

    A montanha pariu um rato!

  • Paulo Ramos
    Responder

    E viva a FNAC. ……. not

  • Isa Silva
    Responder

    Livraria Municipal de Lisboa vai fechar portas em breve https://t.co/Iu2SZIyNsP

  • Passeios Literários
    Responder

    Livraria Municipal de Lisboa vai fechar portas em breve | O Corvo | sítio de Lisboa https://t.co/tHTmOAfbdn

  • Luísa Falcão Murta
    Responder

    .(

  • Henrique Amaral
    Responder

    Espero que seja apenas uma mudança de sítio…

  • Lisbon Literary Tour
    Responder

    RT @lisboaliteraria: Livraria Municipal vai fechar as portas em breve #lisboa #Livrarias https://t.co/h8HptfSS9A

  • JOÃO BARRETA
    Responder

    Se as intenções forem boas e caso hajam, de facto, ideias a montante de uma tal decisão, certamente tratar-se-á apenas de uma “deslocalização”. E porque não para um espaço de propriedade municipal na Baixa ou Chiado. A livraria será mais um polo de atração local para vários públicos (incluindo … turistas).

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend