Quantas vezes, ao deslocarmo-nos a pé ou de bicicleta pela cidade de Lisboa, nos deparamos com situações em que o direito à livre circulação ou à mais elementar segurança física são ameaçados? Demasiadas, é sabido. Abundam os relatos de casos em que, por exemplo, os passeios e as ciclovias são abusivamente ocupados com obstáculos, sobretudo por automóveis, e os responsáveis por tais violações reagem de forma agressiva quando confrontados com as mesmas. Todos têm uma estória relacionada com o assunto para contar.

 

É para ajudar a combater este quadro negativo que a figura do Provedor Municipal dos Peões e dos Ciclistas poderá ser útil, defende uma recomendação que será apresentada e discutida nesta terça-feira (18 de julho), na Assembleia Municipal de Lisboa (AML). O texto alega que “os utilizadores considerados mais vulneráveis, e em particular os peões e ciclistas, continuam expostos a práticas e comportamentos lesivos da sua segurança, comprometendo gravemente o direito universal à mobilidade, dentro e fora das cidades”. E aponta os principais culpados: os automobilistas menos cumpridores.

 

“Constata-se em Lisboa uma violação demasiado frequente dos direitos de peões e ciclistas, ao nível da prevalência do estacionamento irregular (nomeadamente em cima de passeios), desrespeito pela semaforização, passadeiras e limites de velocidade por parte dos veículos motorizados”, refere o texto da recomendação, da autoria da deputada independente Ana Gaspar, e na qual se defende “a criação, com a maior brevidade possível, do Provedor Municipal dos Peões e Ciclistas”.

 

Tal figura é definida como uma “individualidade de caráter consultivo e mediador, com capacidade de intervenção assertiva junto das entidades competentes e outros agentes públicos e privados, no sentido de contribuir para a democratização do uso, segurança e conforto das vias e espaços públicos para os peões e ciclistas de todas as idades, em todo o território da cidade”.

 

Nos considerandos da proposta, defende-se que “a criação de uma figura independente, acessível e imparcial, prestando um serviço gratuito e universal, e garantindo eficácia e eficiência no uso dos recursos disponíveis, é uma medida necessária e urgente, ao garantir maior celeridade e eficácia na resolução de situações injustas”.

 

O provedor, garante-se, asseguraria ainda “maior visibilidade para os assuntos relacionados com os modos ativos, reforçando a sua relevância estratégica no atual período de significativas alterações nos padrões de mobilidade em Lisboa”.

 

O Corvo tentou, ontem, ouvir a autora da proposta de recomendação, mas tal não foi possível até à publicação deste artigo.

 

Texto: Samuel Alemão

 

 

  • Francisco Braz Teixeira
    Responder

    E o provedor fará exactamente o quê, para além de ouvir queixas?

  • pedron
    Responder

    RT @ocorvo_noticias: Lisboa poderá vir a ter um Provedor Municipal dos Peões e dos Ciclistas – https://t.co/jES5Klgwbm

  • Vitor Monteiro
    Responder

    Mas não existem já leis e agentes de fiscalização? Ou achamos que os agentes de fiscalização são incompetentes e como tal criamos o cargo de provedor (que até não pode fazer nada a não ser falar..).

  • Paulo Magalhães
    Responder

    Um Provedor para peões e ciclistas ?
    Dois utentes da via pública que não se dão muito bem.

  • José António Estorninho
    Responder

    E que tal promover uma campanha a incentivar os ciclistas a não utilizarem os passeios e os peões a evitarem caminhar nas ciclovias?

  • Paula Gomes
    Responder

    Mas porque motivo os ciclistas tem que andar nos passeios? Existem Ciclovia para peões e bicicletas e ambos tem que se respeitar uns aos outros.

  • Mocho De Prata
    Responder

    buracos nas estradas, ciclovias esburacadas, onde se mistura tudo e todos … e que tal fazer uma petição, hein?? 😉

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com