Lisboa na banda desenhada: uma novidade e um livro com 25 anos

ACTUALIDADE
João Morales

Texto

CULTURA

Cidade de Lisboa

31 Dezembro, 2018

ocorvo31122018bdlisboa4

Watchers
Luís Louro (texto e ilustrações)
Edições Asa
48 págs
14,95 euros

LISBOA NOS LIVROS

A identidade visual e arquitectónica da nossa cidade está bem representada na Banda Desenhada. Um trabalho recente de Luís Louro, Watchers, engrossa a lista de bons exemplos. E um livro de culto, Ana (com texto de Nuno Artur Silva e desenhos de António Jorge Gonçalves), que completou em 2018 um quarto de século, demonstra como a linhagem é antiga.

O mais recente trabalho de Luís Louro, reconhecido autor de BD, responsável pelo texto e desenhos deste álbum, avança pelo território da Internet, das redes sociais e de toda a obsessão que as rodeia, com uma evidente segurança no argumento e uma satírica representação gráfica que acentua a dimensão crítica tão presente nesta história.

Watchers (publicado pela Asa) parte da actividade de Sentinel, pseudónimo com que Daniel actua na Internet. Na ânsia de aumentar mais e mais o número de seguidores nas redes sociais, a sua estratégia passa por criar um canal onde são transmitidas imagens de diferentes partes da cidade, documentando o quotidiano pessoal e íntimo de qualquer um, das cenas mais caricatas, às mais violentas, dos devaneios inconfessáveis à intimidade do sexo, colocando em cheque permanente todo e qualquer um. Entre o registo e a denúncia (alicerçada numa pretensa e facilmente desmontável superioridade “moral”), as imagens vão sendo debitadas em tempo real e desvendando os bastidores do quotidiano, porque “o Sentinel consegue chegar a todo o lado”.

ocorvo31122018bdlisboa2

Se a lógica de alimentar as tendências voyeur dos seus seguidores se revela eficaz, angariando cada vez mais comentários online e uma adesão da multidão indiferenciada e indiferente à ética do que vai observando (ou que presidiu à captação e retransmissão das imagens), Sentinel não pensa ficar-se por aí. A sua ambição desmedida leva-o a intervir diretamente na realidade e criar, ele mesmo, factos e decisões (algumas que envolvem mesmo mortes), capazes de lançar o engodo a uma assistência contínua que não está disposta a preocupar-se com a validade ou as consequências daquilo que vai vendo.

O livro foi criado em duas versões, que diferem na conclusão. O cenário escolhido para esta narrativa é Lisboa, mas uma Lisboa num futuro estranho – como todos, poderão alguns dizer. As pessoas passeiam-se com miniaturas clonadas de animais selvagens – como leões, zebras ou camelos –, cruzam-se com o eléctrico 28 em direcção à Graça ou o autocarro 30, rumo à Picheleira… somente que estes meios de transporte andam no ar e não em estradas.

Este aspecto acaba por ser uma das facetas curiosas do livro de Luís Louro. Por um lado, a temática é assumidamente universal e contemporânea, trazendo para o centro do debate a circulação de informação, os limites da privacidade e a necessidade de os quebrar continuamente, alimentada pela natureza humana. Por outro, o cenário não podia ser mais tradicional e reconhecível, situando toda a acção numa cidade bem concreta – com reproduções magníficas da Sé de Lisboa ou das Escadinhas de São Cristóvão, mítica artéria que já tinha sido imortalizada no filme A Caixa, de Manoel de Oliveira.

Há mortes e críticas evidentes, como a luta entre animais selvagens numa cave, com assistência bem vestida. Porém, à semelhança de todos os seus trabalhos, o humor não está arredado neste livro de Luís Louro. Em algumas vinhetas encontramos uma “timeline” de comentários à imagem que decorre, onde convivem utilizadores completamente inventados com outros que evocam personalidades reais da BD portuguesa. A dada altura, lemos mesmo como “isto é que dava um bom argumento para uma BD”. A ironia vai tão longe e discretamente que, num grande plano de página inteira, é possível encontrar uma cena de sexo na via pública, praticamente impossível de descortinar nesta escala.

Não é de agora, este gosto de Luís Louro em adoptar Lisboa para nela fazer correr as suas histórias e personagens. Recorde-se a trilogia protagonizada pelo encapuçado O Corvo (Uma História de Lisboa; O Regresso e Laços de Família) ou Alice. Mas também não é uma atracção inédita, esta cidade já serviu de inspiração a diversos álbuns de BD, fixando os seus cenários e transformando os seus símbolos à medida de diferentes registos narrativos.

Por completar um quarto de século em 2018, faz todo o sentido evocar aqui um destes trabalhos, intitulado Ana, criado com os textos de Nuno Artur Silva e os desenhos de António Jorge Gonçalves, publicado em 1993 pelas Edições Asa. Ana é o volume inicial de uma trilogia em torno da figura de Filipe Seems (um detective muito especial), cujos volumes seguintes foram sendo publicados com um considerável espaçamento: A História do Tesouro Perdido, em 1994, e A Tribo dos Sonhos Cruzados, em 2003. Mais tarde, foram reunidos numa caixa conjunta, edição que ainda se encontra no mercado. Em 2018, o Fórum Fantástico (cuja organização integro), realizou uma exposição de pranchas dos três volumes, que esteve patente na Biblioteca Orlando Ribeiro, em Telheiras, entre 12 e 19 de Outubro.


 

O cenário onde decorre a acção de Ana é, notoriamente, Lisboa, contudo, com um registo de transformação a cada momento que nos causa um espanto quase permanente. Ao longo destas páginas, passeamos pela Baixa da cidade, com uma Rua Augusta e um Terreiro do Paço metamorfoseados pela abundante presença da água, uma espécie de Veneza transportada para a capital portuguesa.

 

Há encontros no Elevador de Santa Justa, festas no Observatório da Tapada da Ajuda, visionamento de cinema ao ar livre no espaço que era então o Jardim do Tabaco. As casas e as artérias por onde circulam as personagens são, ao mesmo tempo, facilmente reconhecíveis, mas distintas da sua existência real. E há um subtexto transversal ao espírito do livro nesta opção dos autores.

Nesta história, multiplicam-se várias figuras femininas baptizadas como Ana. Todas são Ana, com a mesma veracidade. A enorme teia de referências que ganha corpo ao longo da narrativa engloba Picasso, numa citação célebre (“primeiro encontro, depois procuro”) ou o argentino Jorge Luis Borges, com uma vinheta a reproduzir mesmo um fragmento do conto “O Jardim dos Caminhos que se Bifurcam”. Trata-se de um texto central no imaginário do autor, onde são abordados temas como o livre arbítrio ou as hipóteses que a relação entre Espaço e Tempo permite, numa conçepão desafiante que deve tanto à Física como à Poesia. Igualmente importantes, são as referências a um ícone do experimentalismo científico, o gato de Schrödinger, animal que ficou famoso por integrar uma experiência, ou especulação, criada pelo físico austríaco Erwin Schrödinger, demonstrando que, em certas condições, “o gato está vivo e o gato está morto”.

Da mesma forma, também a Lisboa que nasceu das palavras alinhavadas por Nuno Artur Silva e dos desenhos gerados por António Jorge Gonçalves é a Lisboa que todos conhecemos e é uma Lisboa completamente inventada.

MAIS REPORTAGENS

COMENTÁRIOS

  • Catarina Silva
    Responder

    É incrível o Corvo divulgar uma BD sexista como Watchers! Que os tontinhos da BD o façam, ainda se percebe dada à sua falta de cultura, agora um sítio como este que serve a cidade e os seus cidadãos, é vergonhoso!

    • José Lopes
      Responder

      Bastante idiota, a “senhora”.

      • Catarina Silva
        Responder

        Não achamos, o senhor Lopes é que deve ser sexista e não percebe o nojo do álbum. Idiota é o “senhor” e nitidamente é um porco sexista!

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend