Atenção aos condutores de autocarros e aos taxistas. A cidade de Lisboa vai avançar para uma experiência-piloto de utilização partilhada das faixas BUS pelas motos e pelos ciclomotores. Isto apesar de se saber, desde já, que a mesma conta com a oposição da Carris e dos representantes do sector do táxi. Desconhece-se ainda quanto tempo será necessário até que a Câmara de Lisboa chegue a uma conclusão.

 

Mas se os resultados da experiência, que se deverá realizar em três locais – Avenida Calouste Gulbenkian; Avenida de Berna, entre a Praça de Espanha e o Largo Azeredo Perdigão; e Rua Braamcamp, entre a Rua Rodrigo da Fonseca e a Rua Duque de Palmela – forem satisfatórios, a sua prática alargar-se-á a todas as vias da capital.

 

O projecto– que será discutido na próxima reunião do executivo camarário, na quarta-feira (16 de março) – resulta de uma proposta do CDS-PP aprovada por unanimidade, em Fevereiro do ano passado. Foi no seguimento dessa iniciativa que os serviços da autarquia procederem à realização de um estudo e pediram pareceres à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) e ao Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMTT).

 

Ambos os pareceres, refere a proposta agora apresentada pelos vereadores Manuel Salgado e Carlos Castro, “se bem que sem carácter vinculativo, vieram, na sua generalidade, apoiar e incentivar esta medida, desde que fiquem acauteladas as necessárias medidas de segurança rodoviária e a necessária monitorização e avaliação do projeto-piloto, essencialmente ao nível da sinistralidade”.

 

Ainda de acordo com a proposta, o “referido estudo e a escolha das vias ora em deliberação tiveram por base, entre outros, critérios de segurança na circulação, fluidez de tráfego e a ligação entre pontos de atração, zonas residenciais, polos de emprego, redes de transportes públicos e interfaces”.

 

No dossiê que acompanha o documento que será discutido e votado em reunião de câmara, é possível constatar a veemente oposição a esta alteração quer por parte da Carris, quer por parte da Associação Nacional de Transportadores Rodoviários em Automóveis Ligeiros (ANTRAL) e da Federação Portuguesa do Táxi. As três entidades alegam a falta de garantias de segurança e a redução da velocidade de circulação.

 

Críticas que não surpreendem João Gonçalves Pereira, o vereador do CDS-PP que originalmente propôs a aplicação da medida. O autarca diz não ser verdade que a velocidade de circulação de autocarros e dos táxis vá diminuir, lembrando que “esta prática já foi adoptada em muitas cidades do mundo”. “Depois, na passagem da aplicação da medida das zonas-piloto ao resto da cidade, não vai haver qualquer constrangimento”, afirma.

 

O vereador centrista diz que “tem de haver bom-senso” e prefere relevar o propósito maior de tal alteração. “A vida na cidade e o ambiente vão melhorar, porque isto visa o incentivo do uso da moto em detrimento do automóvel. Permite a circulação das pessoas e isso pode ser feito com mais segurança e menos sinistralidade”, alega.

 

Apesar de satisfeito com o facto de o executivo socialista aproveitar a sua proposta inicial, João Gonçalves Pereira critica os “15 meses que demoraram para avançar com esta proposta” e, sobretudo, o que considera ser a reduzida área sujeita a esta experiência. “Apenas três zonas-piloto é poucochinho”, ironiza o eleito do CDS-PP, salientando que “podiam ser muito mais”.

 

Gonçalves Pereira alerta ainda para o facto de a proposta de experiência-piloto ser omissa no que se refere ao prazo. “Reparei nisso e vou perguntar na reunião”, diz ao Corvo o vereador, notando que o tempo necessário a tirar conclusões “nunca deverá ultrapassar os três ou quatro meses”.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Miguel Fonseca
    Responder

    Isso parece-me uma “parvalheira” de todo o tamanho.
    As motos e os ciclomotores já circulam livremente – e com grandes vantagens – pelo “trânsito normal”.
    Tal opção só irá implicar uma diminuição na velocidade dos autocarros e demais transportes públicos, por terem que ceder a prioridade a tais veículos.

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Lisboa experimenta circulação de motos e de ciclomotores nos corredores BUS https://t.co/vUO0EOVjIg #lisboa

  • Rui Correia
    Responder

    Quanto sei a velocidade maxima para todos é 50 klm/ h nao vejo onde as motos poderiam atrasar o andamento dos aurocarros…

  • Pedro
    Responder

    E quando ficar verde só no sinal do BUS, antes do sinal do restante trânsito? As motas passam a poder avançar? Ou os autocarros esperam?

  • José Fernandes
    Responder

    Acho que é uma excelente idéia, falta permitir também a circulação de velocípedes. Ainda há poucos entraves a circulação de transportes públicos.

  • Teresa
    Responder

    Mas que sentido tem fasear o mapa de Lisboa?
    Ou até mesmo do distrito, ou do país?
    As várias faixas de BUS têm sido um desaproveitamento de espaço, pois têm dimensão para suportar o fluxo de tráfego dos autocarros, táxis, motas e bicicletas, seja pela dimensão destes veículos, seja pelo número. Sendo nitida a maior segurança dos motociclistas ao circularem neste tipo de faixas.

  • Anónimo
    Responder

    Não se percebe como pode haver pessoas contra a utilização das faixas de BUS pelos motociclistas, são atitudes mesquinhas e egoístas de alguns dos actuais utentes. Com essa medida, que já é uma realidade em muitas cidades Europeias, pode evitar-se alguns acidentes devido ao ziguezaguear de muitos motociclistas no meio dos carros que serpenteiam para as filas da direita e da esquerda quando o carro do lado se atrasa no arranque ou matem uma distância maior em relação à viatura da frente. Enquanto a faixa do lateral do BUS permanece completamente livre. A hipocrisia dos senhores da ANTRAL e da CARRIS só se preocupam em defender a sua quinta como se tratasse de uma propriedade privada.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com