Lisboa, 25 de Abril de 1974: um exercício de memória contado na terceira pessoa

CRÓNICA
Paula Ferreira

Texto

VIDA NA CIDADE

Cidade de Lisboa

25 Abril, 2016

Na semana passada, quando nos sentámos para almoçar, surpreendi o meu Pai, 95 anos feitos em Março, ao pedir-lhe que olhasse mais uma vez para esta fotografia, tirada pelo Hans, o amigo alemão já falecido, e recordasse como e quando soubera que uma mudança profunda estava para acontecer na vida dos portugueses e na história do país.

O dia acordou abafado e cinzento. Às 8.30, quando saiu de casa para ir trabalhar como habitualmente, cruzou-se com o vizinho no patamar das escadas do prédio. “—Acabei de ouvir na rádio que a Baixa de Lisboa está a ser ocupada. Há tanques e militares armados por todo o lado! Se vai para lá, tome cuidado”. Recorda o aviso do vizinho.

Apressou-se para ir apanhar o metropolitano na estação de Entre Campos. Sentia uma enorme expectativa, porém, estranhou o ambiente de normalidade dentro da carruagem. Mas, à medida que subia as escadas de acesso à Praça dos Restauradores, uma multidão de vozes ressoava-lhe cada vez mais perto, cada vez mais alto. Algo se passava que não era como dantes. Recorda.

Apanhou o elevador da Glória para ir para o seu escritório– a fazer lembrar os livros de Chandler— situado no Chiado onde se estabelecera aos 30 anos por conta própria em import export. Passou-lhe à porta, mas não chegou a subir ao segundo andar. Foi dali directamente à Brasileira onde abraçou efusivamente os amigos “— Acabou-se a ditadura!” “– E agora, pá?” “– Então, agora é a democracia! E já não volta atrás.” Sentou-se no chão da Rua Garrett pela primeira vez, e única na sua vida, no meio da massa popular que enchia as ruas da Baixa.

Num pulo, foi para o escritório situado junto ao epicentro no Largo do Carmo. Na rua, os Capitães faziam História enquanto ele martelava nas teclas do telex a notícia do fim da ditadura traduzida em fitas perfuradas que enviou para Inglaterra e França. Abriu as portas a um grupo de militares que marcou posição estratégica da varanda com vista para o quartel e à amiga jornalista que fazia a cobertura para o Diário de Lisboa. Lá fora, o povo está unido. Recorda.

São disparados alguns tiros e ouve-se a voz de comando pelo megafone. Durante o compasso de espera tenso entre a GNR e o MFA o clima manteve-se pacífico até à rendição. Não houve resistência.

Entre a emoção e o lirismo as ruas encheram-se de cravos vermelhos, para sempre o símbolo da revolução.

“– Foi uma festa de liberdade plena. Não havia ainda apologia política”. Recorda.

O 25 de Abril foi esse instante. E a luta continua.

MAIS CRÓNICAS

COMENTÁRIOS

  • Maria Papoila Silva
    Responder

    <3

  • Rewind Cities
    Responder

    Lisboa, 25 de Abril de 1974: um exercício de memória contado na terceira pessoa | O Corvo |… https://t.co/Ze9qiZTldK

  • Jorge Tavares
    Responder

    O 25 de Abril trouxe-nos liberdade e partidocracia.

    Agora, precisamos de lutar por uma verdadeira democracia.

    O voto livre de nada serve, se esse voto não decide as coisas importantes. O 25/Abril só nos deu foi um voto em listas que já estão ordenadas na hora de votar. Nós não elegemos ninguém, é a ordem das lista que decide quem vai para deputado.

    Os deputados não nos representam, só quem os nomeou para um “lugar elegível” da lista. Em democracia, não há “lugares elegíveis”: só vai para o parlamento quem tem mais votos.

    TEMOS DE LUTAR PELO DIREITO DE SERMOS NÓS A ESCOLHER OS DEPUTADOS.

    TEMOS DE LUTAR PELO DIREITO DE NOS CANDIDATAMOS AOS LUGARES DE DEPUTADO – NA QUALIDADE DE CIDADÃOS, POR DIREITO PRÓPRIO.

    A Todos Um Bom 25 de Abril.

  • Lotta
    Responder

    There are generally some instteering points with time in this article but I don’t know if My partner and i see them all middle to be able to heart. There might be some validity but I will take preserve opinion until eventually I look into it more. Good content, thanks and you want extra! Added to be able to FeedBurner because properly

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend