Lavadouro de Carnide abre as portas com criação artística para lembrar como era “Lisboa de outros tempos”

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

DR

Fotografia

CULTURA
VIDA NA CIDADE

Carnide

27 Março, 2019

O equipamento colectivo construído no início do século passado continua a cumprir a sua função, de segunda a sexta-feira. Quem o quiser utilizar só tem de requisitar a chave no Centro Paroquial de Carnide, situado mesmo ao lado. A procura é que não será a maior. Tirando um ou outro curioso que ali aparece para lavar uma carpete, por exemplo, apenas haverá uma utente regular – a “Dona Rosa”, que trata da sua roupa, da dos filhos e da de outras pessoas. Quem nunca entrou num espaço deste género pode ficar a conhecer o de Carnide, através da visita guiada dramatizada por duas finalistas de teatro das Caldas da Rainha. Acontece nas manhãs (11h) dos últimos domingos dos meses de Março, Abril, Maio e Junho. Necessita de marcação e custa três euros, mas nela podem-se aproveitar os ensinamentos do workshop “Como Lavar Roupa à Mão”.

As portas do Lavadouro de Carnide franqueiam-se para acolher as visitas, a quem se lhes pede que se sentem num banco corrido de cimento, num dos lados da velha infraestrutura. No lado oposto, para lá dos tanques que justificam a função do edifício, em cima do outro banco transversal, está uma actriz em pé. “Observem a parede branca à vossa frente”, pede uma voz saída de uma instalação sonora. Começa então uma actuação cheia de evocações a um tempo em que ali se lavava roupa à mão e que, uma hora depois, terminará lá fora, nas traseiras, num pátio murado onde existem estendais outrora repletos de peças a secar. Junto a elas, costumava andar Teco, um gato que “adorava deitar-se ao sol e cheirava a hortelã”.

A criação de Jéssica Lopes, 21 anos, e Mariana Marques, 22, finalistas do curso de teatro da Escola Superior de Artes e Design (ESAD) das Caldas da Rainha servirá, por estes dias, como desculpa para visitar um dos últimos lavadouros públicos de Lisboa ainda no activo – funciona das 8h30 às 5 da tarde, de segunda a sexta-feira. Mas que, tirando um ou outro curioso que ali aparece para lavar uma carpete, por exemplo, afinal apenas terá uma utente regular. A “Dona Rosa”, mulher na casa dos 50, ainda costuma por ali ser vista a lavar a sua roupa, bem como a dos seus filhos e a de outras pessoas a quem presta tal serviço.

ocorvo27032019lavadourocarnide2

O espectáculo "À Descoberta do Lavadouro" acontece lá dentro e junto à zona dos estendais

Quase de certeza, não será com ela que se depararão os espectadores de “À Descoberta do Lavadouro”, uma “visita guiada participativa” desenvolvida e protagonizada pelo par de alunas finalistas de teatro das Caldas da Rainha – e que terá lugar nas manhãs (11h) do último domingo dos próximos quatro meses (31 de Março, 28 de Abril, 26 de Maio e 30 de Junho). Com a representação agora em estreia pretende-se “ir além da função óbvia do lavadouro”, divulgando o trabalho de jovens artistas, mas também “devolver o espaço às pessoas”. Afinal, estamos ante uma produção artística tutelada por um colectivo que preza uma forte relação com a comunidade.


O espectáculo é um projecto do Teatro do Silêncio, estrutura de criação artística fundada em 2004 por Maria Gil e que, desde 2011, tem desenvolvido uma actividade regular no lavadouro – cumprindo um protocolo celebrado com a Junta de Freguesia de Carnide, com o objectivo de aproximar as comunidades locais à criação artística contemporânea. E se é verdade que se apresenta como “uma visita à Lisboa de outros tempos”, mostrando sobretudo aos mais novos uma actividade que caiu em desuso, esta actuação – para a qual é necessária marcação (tel: 91 463 26 75 e producao.teatrodosilencio@gmail.com) e custa 3€ – não deve ser vista como um devaneio ou uma incursão no “exotismo”. “O espaço continua em uso. Basta pedir a chave no centro paroquial, aqui ao lado”, informa Maria Gil.

 

 

Apesar de fazer questão de afastar essa ideia de mera curiosidade etnográfica quando contemplamos um equipamento colectivo deste género, a responsável pelo acompanhamento dramatúrgico do “À Descoberta do Lavadouro” não deixa de admitir que os tempos em que as pessoas a ele recorriam são coisa do passado, “felizmente”. “Na altura da crise, porém, voltou a ser muito utilizado. Havia uma senhora que vinha da Amadora carregada de roupa”, diz a directora artística do Teatro do Silêncio, função partilhada com Miguel Bonneville. “Não sabemos se, com outra crise, não voltará ser utilizado”, especula Bonneville. À cautela, poderemos sempre aceitar os ensinamentos do workshop “Como Lavar Roupa à Mão”, que complementa o espectáculo.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

Comentários
  • Catarina de Macedo
    Responder

    Excelente iniciativa! Desconhecia este lavadouro em Carnide. Entendo que por razões óbvias tenha entrado em desuso, mas mesmo assim acho que se justifica a sua utilização e não apenas por piada. Todos temos peças de roupa que pelas suas características não podem ser lavadas na máquina de lavar a roupa, por serem demasiado delicadas mesmo com um programa de lavagem próprio. Se vivesse na zona aproveitava o lavadouro para esse efeito, pois há peças que lavo à mão. Tenho a certeza que outros fazem o mesmo. E mesmo outras peças que não sejam roupas. O artigo menciona carpetes, mas porque não ténis? Os ténis não podem ser lavados à máquina, porque estragam. Sujam-se com imensa facilidade (sobretudo se forem brancos) e lavá-los em casa sem sujar nada é difícil. O lavadouro também poderia ser interessante para isso. Gostava que houvesse um no sítio onde moro. Seria utilizadora assídua.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend