Largo do Calvário de cara lavada

PORTFÓLIO
Samuel Alemão

Texto & Fotografia

URBANISMO

Alcântara

13 Outubro, 2017

Ainda há operários de carrinho de mão a circular de um lado para o outro, mas o essencial da obra de reabilitação do Largo do Calvário e também do vizinho Largo das Fontaínhas está terminado. A inauguração deverá ocorrer em breve.

Iniciada no inverno passado, a empreitada inserida no programa municipal Uma Praça em Cada Bairro aplicou ali a fórmula já conhecida de outras intervenções realizadas em vários pontos da cidade: mais espaço e conforto para os peões, renovado mobiliário urbano, incluindo bancos e candeeiros, mais árvores e o privilégio concedido aos transportes públicos e aos meios ligeiros de locomoção, em detrimento do automóvel, que ainda assim acaba por beneficiar com esta operação de reordenamento do espaço público. Ao que parece ser agora menos confusa.

As árvores, plantadas há pouco, ainda terão de esperar pela próxima primavera para singrarem e assumirem uma folhagem de dimensão suficiente para oferecerem sombra. Por agora, o chafariz ali recolocado, após uma ausência de décadas, assume-se como o novo ex-libris de um dos pontos centrais da zona ocidental da capital - que, com esta intervenção, ganha uma outra dignidade.

MAIS PORTFÓLIOS

COMENTÁRIOS

  • Gustavo Manuel
    Responder

    São deste tipo de obras que Lisboa precisa. Todos os recantos de Lisboa têm que ser requalificados. E tem que haver um eléctrico de Belém ao Parque das Nações.

  • Ana Gomes
    Responder

    Disse bem, tem que haver, mas a CML não infelizmente pensa assim!

  • João Amplo
    Responder

    …bancos ao sol sem árvores…devem ser muito úteis…adoro as placas do chão…óptimas para aquecerem no verão…num sitio que deveriam colocar calçada com respiração dos solos sem pó de cimento…enfim arquitectos urbanistas ignorantes da treta…

    • Carlos Miguel Sousa
      Responder

      E grossas que elas são…. daqui a um ano metade já estão partidas…. nada é feito ao acaso.

  • Vic Vaporub
    Responder

    os bancos são essenciais, mas o cimento suja-se tanto e é tão feio…

  • Paulo Ramos
    Responder

    Muito cimento pouco verde

  • LBR Lisbon Bike Riders
    Responder

    (y)

  • Nuno Martinho
    Responder

    Mais um jardim de pedra

    • Jorge
      Responder

      É mesmo. Cada vez mais pedra e cimento e menos árvores!

Deixe um comentário.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend