Em 19 de Fevereiro deste ano, O Corvo dava conta do estado de desleixo em que se encontrava o lago artificial situado no largo da Rua Professor Francisco Gentil, no centro de Telheiras. “O cenário é desolador. E já dura há um par de anos”, escrevia-se. E, logo de seguida, dava-se conta do compromisso do presidente da Junta de Freguesia do Lumiar, Pedro Delgado Alves (PS), em reparar a estrutura um pouco antes da primavera passada. Os meses passaram e, a poucos dias do fim do ano, o que está à vista não permite confirmar a promessa, quase três anos passados sobre a queda de uma árvore, que danificou a obra de arte pública do escultor António Quina. Mas o autarca diz que surgiram complicações inesperadas e assegura que a intervenção já está em marcha.

 

“Essa intervenção, bem como a do lago central do jardim de Telheiras, está a cargo da Câmara Municipal de Lisboa. A informação que tenho é a de que as obras já estarão em curso”, adianta agora ao Corvo o presidente da junta, destacando a necessidade de se proceder a uma intervenção de fundo no circuito de circulação da água, “que não foi bem desenhado de raiz”. “Não se estava a contar com a necessidade de fazermos uma intervenção tão alargada”, afirma o autarca, justificando assim o incumprimento da data apontada no início de 2016. Em todo o caso, salienta, os elementos em pedra quebrados já foram retirados do lago para, mais tarde, serem recolocados, repondo o aspecto original do conjunto escultórico.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Rosa Ramos
    Responder

    Natural. Isto é o desleixo que se vê em telheiras e na zona do Paço do Lumiar. Já para não falar em terrenos da câmara e da junta que são verdadeiros matagais e que não são limpos há anos pondo as populações em perigo. Chega a ser confrangedor de tão mau.

    • Nuno Rosa
      Responder

      Limpeza de terrenos? Esta junta é a junta das festas e das celebrações…

  • Nuno Rosa
    Responder

    Tal como o ringue do Alto da Faia. Anos de degradação, colocando em perigo quem lá praticava desporto e há meses que está vedado e sem obra visível. Está tudo à espera de 2017 e das eleições…

  • Ana
    Responder

    Esta Junta é uma vergonha. Vivo perto do Paço do Lumiar há 18 anos e só agora se viu alguma reparação do asfalto e mesmo assim, em retalhos…

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com