Parece ficção científica. Quem tiver uma ideia de produto e a queira materializar pode agora levá-la à prátca no Fab Lab Lisboa, hoje inaugurado no edifício do Mercado do Forno do Tijolo, na Rua Maria da Fonte, nos Anjos. Um fab lab é um laboratório de fabrico digital de novos produtos a baixo custo e constitui-se como a face mais visível daquilo que muitos já apelidam de uma “nova revolução industrial”. No fundo, permite a qualquer pessoa, mesmo com reduzidos conhecimentos técnicos e científicos, fabricar o que quiser – dentro dos limites impostos pelo actual estado da técnica, claro está.

 

 

Carimbos de borracha, placas de acrílico, mobiliário em cortiça, circuitos electrónicos, robôs, moldes de plástico e cortiça, impressões a três dimensões (3D), vestuário ou até aplicações para uso gastronómico são  coisas que podem ali nascer, pela mão de todos os que a tal se proponham. E com a garantia de que essa mesma ideia poderá ser materializada, se tal for necessário, em qualquer outro fab lab do mundo – estes laboratórios funcionam em rede internacional, trocando ideias. Um projecto lisboeta enviado por email pode nascer a três dimensões na Nova Zelândia.

 

 

De forma muito simplificada, pode dizer-se que as máquinas ali presentes – cortadoras laser, fresadoras de grades dimensões, fresadoras de precisão, cortadoras de vinil, impressoras 3D, scanner 3D, tornos de metal e nylon, entre outros equipamentos – dão uma dimensão real ao que pode começar por ser uma mera projecção virtual num ecrã de computador.  “Aqui a imaginação pode não ter limites. Qualquer pessoa pode concretizar o que a sua imaginação permitir”, disse na inauguração Graça Fonseca, vereadora com os pelouros da Economia e Inovação

 

 

“Se alguém tiver uma ideia de uma cadeira pode desenvolver aqui o seu protótipo e levá-lo à indústria”, afirmou a vereadora. Esta é uma possibilidade, embora os fab lab tenham como princípio a partilha de conhecimento. Não existe impedimento à criação de propriedade intelectual, partilhada entre o criador e o laboratório, e até poderão ali surgir novas empresas com carácter inovador, vulgarmente conhecidas como start ups. E tudo isto com o apoio dos técnicos do Fab Lab Lisboa.

 

 

Serão eles quem vai guiar os utilizadores no início, mas o princípio subjacente ao projecto é o da autonomia dos criadores e o da filosofia “faça-você-mesmo”. Isto porque o lema da casa é “Aprender fazendo”. Uma ideia várias vezes sublinhada por Bernardo Gaeiras, director do Fab Lab Lisboa, que, enquanto ia demonstrando o funcionamento dos diversos equipamentos, dizia “isto é muito fácil mesmo”. E exemplificou com as próprias impressoras 3D. “São impressoras de baixo custo e foram todas construídas aqui dentro. Dentro de pouco tempo, qualquer pessoa pode ter a sua impressora 3D”, garante.

 

 

Este laboratório dará especial atenção à cortiça e aos materiais compósitos, sendo que, quem quiser trazer as suas matérias-primas é livre de o fazer. Os utentes – que pagarão pelos equipamentos entre 15 a 25 euros por hora, embora estejam previstos dois “dias abertos” por semana, à terça-feira e à sexta-feira, nos quais só se paga pelo material – poderão mesmo trazer o seu plástico, que será reciclado ali para dar lugar à sua criação. O Fab Lab Lisboa funciona de segunda-feira a sexta-feira, das 9h às 18h.

 

fotografia-43

 

Texto e fotografias: Samuel Alemão

  • Gonçalo Crespo
    Responder

    Viva a Inovação!
    e eu aqui às 3 da manhã a arrancar com um molde de injecção de tampas, e vejo que estes problemas já podem ser vividos por qualquer aventureiro em Lisboa deixa-me feliz!
    Abraços Sam de Araras, SP, Brasil.
    Gonda

  • Margarida bernardo
    Responder

    Estive ontem nas vossas instalações onde terminei um protótipo de candeeiro e umas peças de floreira todas em Valkromat, num open day.
    Tive o maior apoio de um técnico para lidar com as maquinas existentes e gostei imenso do ambiente de trabalho.

    Estes protótipos serviram para “justificar” o material Valkromat q a empresa disponibilizou gratuitamente para fazer peças de design para o site deles.

    A peça denominada” o galo” ê uma luminária de mesa toda em Valkromat com leds de 1 watt.

    Obrigada pelo apoio!!! Agora a peça só necessita de alguns ajustes….finais para poder ir para produção….

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com