O cenário é desolador. E já dura há um par de anos. Mas o presidente da Junta de Freguesia do Lumiar assegura ao Corvo que está para breve o arranque dos trabalhos de reabilitação do lago situado no largo da Rua Professor Francisco Gentil, no centro de Telheiras, bem como do conjunto escultórico nele existente. A peça de mármore do escultor António Quina, inaugurada no início da década passada após uma encomenda feita pela entretanto extinta Empresa Pública de Urbanização de Lisboa (EPUL), e localizada no Jardim Professor António de Sousa Franco, encontra-se partida em vários bocados e o lago apresenta um aspecto desleixado, com água estagnada.

 

Algo que estará prestes a mudar, garante Pedro Delgado Alves (PS). “Não temos meios próprios, nem encontrámos ainda a solução técnica para o problema da escultura, mas vamos tentar resolvê-lo, com a ajuda da Câmara Municipal de Lisboa e do autor da peça. Não a podemos deixar assim como está”, afirma o autarca, salientando que a intervenção no lago e na respectiva obra de arte ocorrerá em simultâneo com uma mais vasta operação de regeneração do espaços verdes da zona urbana situada em redor da estação de metropolitano de Telheiras – que inclui ainda o Jardim Professor Francisco Caldeira Cabral.

 

P1040970

 

Todo essa área será requalificada – espécies vegetativas incluídas -, depois de a junta ter chegado a acordo com o condomínio desse conjunto habitacional. O início das plantações acontecerá pouco antes da Primavera, explica ao Corvo o autarca, salientando que essa é uma boa altura para avançar também com as restantes obras. Nomeadamente as do lago, “que apresenta dois problemas distintos”. “A escultura está partida porque, há cerca de dois anos, lhe caiu uma árvore em cima. Nessa altura, detectámos também que havia um problema com o funcionamento do sistema hidráulico que faz circular a água do lago. As duas situações serão resolvidas na mesma altura”, assegura.

 

Texto: Samuel Alemão     Fotografias: Paula Ferreira

 

  • Miguel Fonseca
    Responder

    Com toda a simpatia que tenho por vocês, O Corvo…. deviam é perguntar-se onde estão as Lojas do Cidadão e os Centros do IEFP que desapareceram de toda a zona Ocidental de Lisboa.

    Alcântara, Ajuda, Misericórdia, Estrela, Belém e afins deixaram de ter acesso a esse tipo de serviços. Foram todos encerrados e transferidos para o Saldanha e Laranjeiras.

    Já se fazia um post sobre as pessoas comuns.
    As que têm que pagar uma fortuna por um passe de autocarro e acordarem de madrugadada para terem lugar numa qualquer fila onde onde vão passar várias horas.

    Só existem, actualmente, DUAS lojas do cidadão.
    A das Laranjeiras e a de Marvila.

    Fecharam a dos Restauradores (e o IEFP de Alcântara)… e tratam as pessoas como lixo.
    Não existe NADA na zona Ocidental da cidade. Somos todos ricos?

    Há uma pobreza enorme por estes Bairros, para bom entendedor.
    Por que motivo não temos acesso aos mais básicos dos Serviços Públicos?

    Denunciem isso.

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Junta do Lumiar diz estar para breve arranjo de lago degradado em Telheiras https://t.co/MvVQVQNfrm #lisboa

  • Pedro
    Responder

    Admira o corvo não ir pedir a opinião do vereador do CDS…

  • BELIZARIO P. MARTINS
    Responder

    Junta do Lumiar diz estar para breve arranjo de lago degradado em Telheiras | O Corvo | sítio de… https://t.co/8cqSkkKmAx

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com