A Junta de Freguesia de Santa Maria Maior está a proceder ao reforço da sinalização desaconselhando a entrada de tuk tuk no bairro de Alfama. Dando continuidade a uma medida iniciada, em Junho passado, durante as últimas Festas de Lisboa, a autarquia decidiu alargar o número de avisos dirigidos aos condutores daqueles veículos turísticos – que conheceram um crescimento exponencial, nos últimos dois anos -, recomendando-lhes “vivamente” que não circulem dentro do bairro, por a circulação estar “muito condicionada”. Fonte da junta confirmou ao Corvo a colocação recente, nas entradas de Alfama, de duas dezenas de painéis deste género.

 

A mensagem é em tudo idêntica à das placas já antes colocadas pela junta. Mas se essas solicitavam aos condutores dos tuk tuk que se abstivessem de penetrar pelas ruas daquele bairro típico durante o período das festas, as novas placas deixam cair a referência ao momento. Pura e simplesmente, aconselham a que não se entre em Alfama, qualquer que seja o momento. Uma medida que vem confirmar o empenho da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior em combater o incómodo causado pela abundante circulação destes veículos – e que levou, recentemente, o presidente da autarquia, Miguel Coelho (PS), a assinar uma petição contra a “invasão” daqueles triciclos motorizados e a apelar à restrição da sua circulação nos bairros históricos de Lisboa.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Maria Papoila
    Responder

    a imagem ilustra bem o efeito, ou não, da sinalização “anti tuk-tuk” 😉

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Junta de Santa Maria Maior reforça sinalização “anti-tuk tuk” em Alfama http://t.co/JpCOSfEkhU

  • Sofia Coelho
    Responder

    Eu noto é cada vez mais a entrar!
    Falta referir que essa rua da fotografia é de acesso condicionado (apenas residentes) e que os tuk tuk entram livremente porque ao contrário dos outros veículos, conseguem entrar sem ter cartão de acesso ou ter que entrar em contacto com a EMEL pelo intercomunicador, isto porque pela sua dimensão, passam entre os pilaretes. Seria bem fácil à junta de impor uma circulação mais restrita se assim o desejassem.

  • Sofia Coelho
    Responder

    Apenas os tuk tuk eléctricos, que são maiores, teem que ir ao intercomunicador, mas esses devem ser os únicos que pouco incomodam.

  • Gerardo Lima
    Responder

    ou é proibido ou não é; essas placas são demagogia pura, porque não regulam nada — e duvido que sejam legais, do ponto de vista do código da estrada; o estatuto dos tuk tuks deveria era ser revisto

  • Responder

    Creio que isto é uma boa forma da Junta de Freguesia lavar as mãos. Isto não dá em nada pois continuam a circular no Bairro. Enquanto não existir estatuto tudo é igual!.

  • José Martins
    Responder

    Estes sinais não constam do Regulamento de Sinalização Rodoviária, como tal, são LIXO pago pelos contribuintes. Enfim…

  • Diogo Félix
    Responder

    Acho que só ao tiro é que isto vai lá…

  • João Paulo Gregório
    Responder

    Boa! Andem a pé q faz bem à saúde!

  • daniela
    Responder

    Bom dia!
    infelizmente há muito tempo que já não passeava e me deleitava pelas ruas de alfama, que sempre foi dos meus sitios preferidos para viver a cultura, passado e presente de lisboa. contudo fiquei perplexa com a invasão de tuk tuks. Para mim pareciam abelhas para cima e para baixo, perturbando o sossego só quebrado por carros e eletricos, e alterando aquela ideia idílica que tinha da zona. Bem sei que é um trabalho, e uma fonte de rendimento para alguém, mas caramba, fiquei perplexa com tamanha invasão!

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com