Não será inédito, mas, ainda assim, revela-se algo incomum. A Junta de Freguesia de Benfica decidiu apoiar a realização, ao final da tarde (17h) desta quinta-feira (26 de Novembro), de uma acção de protesto popular contra o que considera serem as deficientes condições de acessibilidade das pessoas com mobilidade reduzida à plataforma da estação de comboios daquele bairro lisboeta. O que começou como uma demonstração do descontentamento dos moradores do bairro do Calhariz de Benfica passou a ser uma manifestação com “o apoio total” da autarquia, segundo a presidente da junta, Inês Drummond (PS).

 

“A Junta de Freguesia de Benfica associa-se a este protesto da população, por considerar que as questões da acessibilidade e as justas reivindicações dos utentes não podem ser ignoradas durante tantos anos”, diz o comunicado emitido pela junta, no qual apela à participação da população na acção reivindicativa. “Do lado do Bairro do Calhariz, o único acesso à plataforma dos comboios é feito por uma escadaria com mais de 40 degraus. Para poderem aceder diretamente à plataforma através de um portão, os utentes têm de contactar a bilheteira com uma semana de antecedência”, explica o mesmo texto.

 

A situação, segundo explica ao Corvo Inês Drummond, presidente da Junta de Freguesia de Benfica, arrasta-se desde 2006, quando a Refer dediciu fechar, por alegadas razões de segurança, o portão que dava acesso directo à plataforma. “O bairro do Calhariz, com cerca de dois mil moradores, não tem transportes públicos. As pessoas têm que ir apanhá-los na estação ou, no outro lado, na Rua da Venezuela, sendo necessário descer e subir aquelas escadas. Para os que têm dificuldade de locomoção garantirem acesso directo à plataforma, têm de pedir a abertura do portão com uma semana de antecedência. Isto é uma aberração, uma coisa indigna”, critica a autarca.

 

Inês Drummond diz que tem tentando, nos últimos anos, obter uma mudança de atitude por parte da Refer, primeiro, e da entidade que lhe sucedeu, a Infraestruturas de Portugal (IP), depois. Mas sem particular sucesso. Aos continuados ofícios da junta, a gestora do património das ferrovias nacionais tem respondido de uma forma que em nada satisfaz junta e moradores. “A IP ainda não respondeu aos nossos ofícios. Mas a Refer dizia-nos que, por razões de segurança, não podia abrir os portões. A alternativa seria a construção de um elevador, mas que não existiam verbas disponíveis para tal obra”, diz a presidente da junta.

 

IMG_4879

 

 

A líder da autarquia de Benfica afirma que “não deixa de ser estranho que se diga que não se pode abrir o portão da estação por razões de segurança, quando, noutras estações geridas pela IP, como é o caso da estação ferroviária de Santos, não parece existir essa preocupação”. Nesse caso concreto, nota Inês Drummond, “as pessoas entram sem qualquer barreira”. A autarca critica a aparente intransigência daquela entidade, “que não responde à junta, mas já disse a alguns moradores que a solução passaria por ser a Câmara Municipal de Lisboa (CML) a construir um elevador dentro da estação”. “O que é bizarro, pois a CML não tem essa responsabilidade”, diz.

 

A eleita socialista espera, contudo, que o novo Governo do seu partido venha a ajudar na resolução desta questão, surgida há quase uma década. “Tendo em conta o elenco do executivo já anunciado, de certeza que vamos ter uma muito maior sensibilidade do novo Governo em questões desta natureza, com um forte cariz social, do que aquela que temos tido nos últimos anos”, considera.

 

No comunicado de apelo à mobilização para a acção de protesto desta quinta-feira, recorda-se que “o caso já foi objeto de todo o tipo de iniciativas: abaixo assinados, exposições à CP e à REFER, cartas à Câmara Municipal de Lisboa, ao provedor da CP, moções do Partido Socialista na Assembleia de Freguesia e na Assembleia Municipal e até perguntas ao Ministro da Tutela. Nenhuma surtiu efeito”. Em paralelo ao protesto, decorre uma recolha de assinaturas para uma petição a apresentar à Assembleia Municipal de Lisboa.

 

Texto: Samuel Alemão  

   

Comentários
  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Junta de Benfica apoia manifestação por melhores acessos à estação de comboios   https://t.co/EybnPwQ3G5 #lisboa

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com