A visita ainda só ia no início e já Margarida Martins (PS), presidente da Junta de Freguesia de Arroios, se irritava. Pegando no braço de Maria Helena Campos, administradora do Metropolitano de Lisboa, e comentando a imensa sujidade junto às grelhas de ventilação, nos cais de embarque da estação de metro do Intendente, dizia-lhe: “Isto é como fazer a limpeza lá em casa. Todos fazemos limpezas e sabemos como é. Se for preciso, trazemos o Sonasol para ajudar. Como está, isto não é admissível”. A perene falta de salubridade daquela estação deverá ter os dias contados, mas a administração da empresa pública não se compromete com datas. As limitações orçamentais assim o ditam.

 

“O que nós queremos, mais que tudo, é que se faça a lavagem, a higienização e a pintura destas estações. Já há dois anos e meio que andamos a pedir à administração do Metro de Lisboa que nos dê resposta a estas questões, mas sem sucesso”, queixava-se a autarca de Arroios, perante os responsáveis da empresa, durante a visita dos deputados da comissão permanente responsável por assuntos de transportes e mobilidade da Assembleia Municipal de Lisboa, às estações da Linha Verde (Intendente, Anjos, Arroios e Areeiro), realizada ao início da tarde desta quarta-feira (22 de junho).

 

 

IMG_5707

 

A limpeza e requalificação estética das três primeiras estações – todas situadas na freguesia de Arroios e todas fundamentais à mobilidade de quem frequenta o eixo da Avenida Almirante Reis -, os impactos das obra de alargamento dos cais de Arroios e Areeiro, bem como a conclusão das obras e arranjos exteriores no Areeiro justificavam a visita – na qual esteve presente, no início, o presidente da empresa Transportes de Lisboa, Tiago Farias. Mas em pouco tempo se percebeu que a falta de manutenção e a obsolescência das estações do Intendente, Anjos e Arroios eram os assuntos que mais interesse e críticas suscitariam.

 

Tanto que as explicações de cariz histórico e de enquadramento sobre as estações, feitas por um arquitecto do Metro, deixaram impacientes Margarida Martins e o deputado João Valente (PS), ao ponto de atalharem caminho e pedirem logo ali resposta para questões que consideram “urgentes”. “Uma parte do acesso ao átrio sul da estação do Intendente está convertido numa casa de banho. Temos aqui uma questão de saúde pública e não sei se os senhores estão cientes disso. Esta estação está há 40 anos sem levar obras e isso é inaceitável”, denunciou João Valente, sem esquecer que um dos lanços das escadas rolantes de acesso ao átrio norte, recentemente reparadas, “estiveram sem funcionar meia-dúzia de anos”.

 

Margarida Martins aproveitou o embalo do colega de partido para, entre o ruído das composições que iam passando ora em direcção ao Cais do Sodré ora a Telheiras, lembrar a importância estratégica da Linha Verde para aquela parte da cidade, considerando, por isso, não ser aceitável o estado a que chegaram as estações de metro da Almirante Reis. “Quando assumi o cargo de presidente de junta, comprometi-me a dar uma visibilidade positiva a esta parte da cidade. Somos visitados, nesta freguesia, por mais de 300 mil pessoas por dia”, disse, exigindo respostas para o estado de degradação das estações.

 

IMG_5705

 

Sem se comprometer com datas, Maria Helena Campos, do conselho de administração do Metropolitano – Transportes de Lisboa, garantiu que “está a ser feito um esforço para seguir todos os planos de manutenção e há empenho para se chegar lá”. As três estações em causa serão alvo de intervenções de “modernização”, nomeadamente com a colocação de elevadores, mas a única para a qual existe um cronograma definido para a realização dos trabalhos é a de Arroios. Vai entrar em obras, a partir do segundo trimestre do próximo ano, e apenas deverá abrir portas, totalmente remodelada, no final de 2018.

 

O projecto de execução do alargamento do cais da estação de Arroios dos actuais 70 metros de extensão para os 105 encontra-se em fase de revisão. Com um duração de 16 meses, e um custo previsto de cinco milhões de euros, as obras garantirão o alargamento do cais através da conquista de espaço por baixo dos actuais átrios da estação. A intervenção será fundamental para acabar com o actual constrangimento de não se poder usar composições com seis carruagens na Linha Verde, uma vez que a estação de Arroios – tal como Areeiro antes de feita a ampliação do cais – não permite mais que quatro carruagens. Desde 2012, e por razões de poupança, as composições desta linha apenas circulam com três carruagens.

 

IMG_5704

 

A administradora do metro informou os deputados municipais que as obras do átrio norte da estação do Areeiro – por terminar há mais de três anos, devido a alegado incumprimento dos prazos contratuais por parte do empreiteiro – têm um novo projecto “praticamente concluído” e “deverão arrancar no primeiro trimestre do próximo ano”, tendo uma duração prevista de 10 meses. Estarão terminadas no final de 2017. Antes disso, porém, haverá lugar a arranjos do correspondente espaço exterior, que há muito se encontra numa situação desordenada. Decorrem negociações sobre esse assunto com a Câmara Municipal de Lisboa, explica o Metropolitano.

 

No início da visita dos deputados da Assembleia Municipal, Tiago Farias, o presidente da Transportes de Lisboa, reconheceu que “a Linha Verde é das mais importantes da rede” e que, por isso, a empresa está empenhada em melhorar as condições de funcionamento. Lembrando que as estações centrais da linha são das mais antigas do sistema, Tiago Farias salientou, porém, que “a maior parte já não cumpre os critérios, nomeadamente ao nível das acessibilidade para todos”, razão pela qual serão dotadas de elevadores. “Precisam de ser modernizadas”, reconheceu.

 

  • Francisco Braz Teixeira
    Responder

    Reabilite as casas degradadas, reabilite as casas vazias, reabilite os sem abrigo, reabilite a Junte de Arroios!

    • Rogério
      Responder

      Francisco, está a ver se ganha o prémio da palermice?

  • Ines C. Paulo
    Responder

    Os sem abrigo que querem ser “reabilitados” têm ajudas nesse sentido. Franscisco ajudar umas causas n implica a negligência de outras.

  • Xana Fidalgo
    Responder

    Tem mto mau aspecto, sim sr

  • Rodrigo Saraiva
    Responder

    Se fosse só de agora. Sempre foi a pior estação.

  • Responder

    cuidado com os azulejos……a maralha que lá passa então….

  • Patrícia Alves
    Responder

    Olha, Sara

  • João Castelhano
    Responder

    Para quem passa o dia no metro faz sentido…

  • js
    Responder

    Diria alongamento e não alargamento, seria mais claro.

  • Martha Tavares
    Responder

    é preciso obra urgente sim!!

  • Man Next Door
    Responder

    Junta de Arroios pede reabilitação urgente das estações de metro da Almirante Reis https://t.co/dlVZTaaxn7

  • Sofia Cipriano
    Responder

    As estações estão imundas! Caixotes de lixo cheios, lixo pelo chão, sujidade de meses (chão, paredes,etc..). Até tenho nojo de me sentar em alguns lugares.

  • Tomas Carvalho
    Responder

    só para vocês Beatriz André e Ana Salvado

  • Helena Martins
    Responder

    É verdade, precisam de ser reabilitadas, mas em Roma são muito piores!

  • Carlos Tomé Sousa
    Responder

    Já agora a reposição do número de carruagens normal. É um carnaval diário de gente na estação da Alameda a correr para aceder às carruagens que páram ao fundo da plataforma e vai ali tudo enlatado 😛

  • Felix
    Responder

    Gostava de saber o nome do jardim em frente à igreja de arroios o qual se encontra presentemente em obras.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com