Na semana passada, 30 nogueiras que existiam na Avenida Rio de Janeiro foram removidas, por “estarem a causar danos nos automóveis” que ali estacionavam, mas a Junta de Freguesia de Alvalade vai substitui-las por outras espécies, as Melia Azedarach, vulgarmente conhecidas por cinamomo ou amargoseiras.

 

“Nem todas foram abatidas, algumas foram transplantadas para outra zona verde da freguesia. As que cá estavam eram nogueiras, que vão ser substituídas por novas espécies, porque estas estavam a estragar muito os carros”, disse ao Corvo um trabalhador da empresa de tratamento de árvores contratada pela Junta de Freguesia de Alvalade, a Sequóia, no final do trabalho da remoção das árvores.

 

Quem passe agora naquela artéria vê os canteiros vazios e a extensão da avenida parece um deserto, mas o presidente da junta de freguesia, André Caldas, garantiu ao Corvo que eles serão de novo preenchidos, com uma outra variedade, a Melia Azedarach.

 

Na freguesia, houve quem estranhasse o desaparecimento das árvores que existiam na Avenida Rio de Janeiro, do lado fronteiro ao campo de jogos do Inatel e se questionasse o que estava a acontecer. André Caldas diz que não havia razão para tal desconhecimento, porque a junta distribuiu a alguns moradores panfletos, alertando para esta operação.

 

Segundo o presidente da junta de Alvalade, “foi feito um estudo fito-sanitário e as nogueiras estavam doentes, a ser atacadas por afídeos (piolhos das plantas), o que fazia que deitassem um líquido que danificava os automóveis” estacionados perto delas, levando a que a autarquia decidisse substituir as árvores.

 

Mas nem todas elas estariam doentes, já que o próprio André Caldas disse ao Corvo que “as árvores de maior porte foram transplantadas para outro espaço verde, na zona norte da freguesia, no Bairro Fonsecas e Calçada”, perto do Campo Grande.

 

Com o desaparecimento das nogueiras, é possível que os automóveis possam ali estacionar tranquilamente, sem receio de danos. Mas, para as pessoas, a sombra das grandes nogueiras foi-se. E quem este Verão passe naquela zona da Avenida Rio de Janeiro terá de suportar o sol, enquanto as novas árvores não ganharem porte suficiente.

 

Texto: Fernanda Ribeiro

 

  • São Lopes
    Responder

    As nogueiras são muito más para os carros, é vê-los, coitados, cheios de mossas quando lhes passam à frente de propósito causando acidentes.

  • Miguel Contreiras
    Responder
  • Hugo Brito
    Responder

    Podiam substituir os carros por bicicletas sem autorização dos donos.

    • Tiago
      Responder

      Amigo, tenho ambos e dou-lhes uso. Quanto aos “danos” causados era apenas uma goma que saia com água, sem esforço. Espero que a explicação do piolho seja verdadeira. Não foi por mim, enquanto morador nesta avenida, que as árvores foram retiradas. Quanto às que vierem, espero que sejam resistentes e que tenham a felicidade de não “incomodarem” os meus vizinhos, senão ainda sofrem o mesmo destino…

  • João Eduardo Ferreira
    Responder

    e se substituíssem as pessoas por estáutuas lindas em acrílico para melhor lavagem?

  • jjl
    Responder

    Correcção: segundo informações da própria Junta, das 11 árvores transplantadas, 8 passaram para os logradouros da Av. EUA e apenas 3 para a localização apontada pelo seu presidente.

  • Claudia Garção
    Responder

    :O

  • Responder

    Francisco Morais Sarmento afinal é isto..

  • Maria Castilho Mitó
    Responder

    🙁

  • Maria José Pinto
    Responder

    Só atropelos à natureza.

  • Isabel Garcia Pereir
    Responder

    Junta de Alvalade substitui árvores na Av. Rio de Janeiro por danificarem carros http://t.co/URpyYUsA05

  • Helena Galamba
    Responder

    Pode ser que sejam substituídas.

  • Filipe Viegas
    Responder

    Mas são estúpidos ou quê? http://t.co/Vd02i0fw6G

  • José António Estorninho
    Responder

    Nos últimos tempos as árvores de Lisboa têm sido vítimas de um preconceito inexplicável.

  • Eduarda Nunes Dos Santos
    Responder

    🙁

  • Emília Paula Cardoso
    Responder

    Má decisão!

  • Paulo Ramos
    Responder

    Afinal o predador de árvores (vereador Vasco Franco) deixou descendentes na CML

  • Jaime Guedes
    Responder

    Unbelievable!!!

    • Rui da Palma
      Responder

      In my country we have a similar expression: “inacreditável”.

  • Manuel Rendeiro
    Responder

    Muito má decisão. Quem decidiu o corte não gosta do bairro de Alvalade.

  • João Santos
    Responder

    O sacrossanto automóvel impôs a destruição de dezenas de árvores. http://t.co/TwkZTWwuIq

  • Luís Paixão Martins
    Responder

    A EMEL intervém nas avenidas. As ruas dos bairros residenciais transformam-se em garagens selvagens. http://t.co/beoLD8tBSs

  • Mário Rui André
    Responder

    EMEL ganha 30 novos lugares de estacionamento!

    Removidas árvores na Av. Rio de Janeiro por danificarem carros http://t.co/pfif9Xq1Ln

  • Luís Paixão Martins
    Responder

    Moro num parque de estacionamento selvagem. Até há pouco era um bairro residencial. Mas, desde que a EMEL se… http://t.co/uuWyT9n4aW

  • ????
    Responder

    Este presidente de junta foi eleito ou não? Antes de elegerem estes cretinos é que devemver muito bem onde poem o voto.

  • Rosa
    Responder

    Um carro sujo não é um carro danificado, e para além disso este problema que algumas nogueiras têm durante o Verão é perfeitamente tratável, basta desinfectar atempadamente a árvore, procedimento que as juntas parecem desconhecer mas que qualquer pessoa que saiba o que é uma árvore de fruto conhece bem. As Juntas não estão minimamente preparadas para preservar o património arbóreo da cidade esta tranferência de competências da CML para as juntas vai ser (está a ser) uma calamidade para as árvores de Lisboa.

  • Helder Careto
    Responder

    Junta de Alvalade substitui árvores na Av. Rio de Janeiro por danificarem carros http://t.co/W5okJKC85R

  • Helder Careto
    Responder

    Junta de Alvalade substitui árvores na Av. Rio de Janeiro por danificarem carros http://t.co/wfiXMjpXTW

  • Ana Azevedo
    Responder

    Era cada rasteira que elas passavam aos automóveis!!!!!!!!!

  • Maria João Nunes
    Responder

    E as árvores que ha muito foram abatidas na Av. do Brasil? Quando é que serão plantadas novas? E as três árvores que foram abatidas há já alguns anos entre o restaurante “Sem Palavras” e a papelaria “Lucrécia”, na Av. Rio de Janeiro?
    Uma cidade sem árvores nas suas ruas é uma cidade sem vida.

  • Amadeu Salvador
    Responder

    Sempre que leio noticias destas a minha alma entristece. Se estão doentes têm de ser tratadas, tal como qualquer outro ser vivo. Doentes mesmo estão as pessoas e ninguém as abate!

  • António Manuel Santo
    Responder

    Junta de Alvalade substitui árvores na Av. Rio de Janeiro por danificarem carros http://t.co/2lcyf2Ei8i

  • Paulo Moniz
    Responder

    Junta de Alvalade substitui árvores por danificarem carros – ou “O Império de Nogueiras ContrAtaca” – http://t.co/BquSUgzWTm

  • Carlos
    Responder

    Ninguém se incomoda com o facto de enves de a junta pagar a pulverização ou limpeza do piolho etc… vá pagar muitas vezes mais pela remoção e substituição das ditas nogueiras? Isto é má gestão… isto leva a dívidas conhecidas por todos… isso junta-se a esta equação do desprezo pelo intelecto que cá se vincula.

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com