Junta da Estrela pediu à câmara para deixar bares de Santos abertos até às 4h

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

David Clifford

Fotografia

VIDA NA CIDADE

Estrela

19 Dezembro, 2014

Ao recuo na hora de encerramento dos bares, que entrará em vigor a 23 de Janeiro, a junta contrapôs com polícias gratificados nos “dias mais problemáticos”, o encerramento do Jardim de Santos e diversas alterações no espaço público. O que inclui cortar o trânsito em alguns locais. E diz que a proposta resulta da auscultação de moradores e comerciantes.

 

A Junta de Freguesia da Estrela (JFE) tornou ontem público o seu pedido à Câmara Municipal de Lisboa (CML) de exclusão da aplicação à zona de bares de Santos das restrições impostas pelos novos horários de funcionamento desses estabelecimentos, a aplicar ali, mas também no Cais do Sodré e na Bica, a partir de 23 de Janeiro. Depois desta data, anunciou também ontem a câmara, os bares serão obrigados a fechar portas, de domingo a quinta-feira, às 2 horas, e às sextas-feiras, sábados e véspera de feriados, às 3 horas. Neste momento, podem estar abertos até às 4h.

 

As pretensões da junta social-democrata são fundamentadas num projecto, anunciado nesta quinta-feira por esta autarquia, que prevê o “recurso a agentes gratificados para assegurar a presença nos horários e dias identificados como mais problemáticos, obras para encerrar o Jardim Nuno Álvares e reorganização do espaço público com cortes de zonas de acesso automóvel e zonas de esplanada para ordenar o espaço público”. O projecto é o resultado, diz a JFE em comunicado, de um acordo agora estabelecido com moradores e comerciantes.


 

A proposta, que prevê também “um reforço do horário de intervenção das equipas de higiene urbana da Junta, com respetivos meios e recursos”, resultará do investimento dos proprietários e da Junta de Freguesia da Estrela, diz o comunicado. No mesmo texto, adianta-se que a solução aguarda parecer por parte do vereador Duarte Cordeiro, detentor do pelouro da Higiene Urbana, “uma vez que implica a exclusão da zona de Santos do referido Despacho”. 

 

“O Presidente da Junta de Freguesia da Estrela, Luís Newton, esclarece que o problema está na ocupação descontrolada do espaço público e não apenas nas alterações a ser feitas no mesmo, pelo que a penalização dos intervenientes neste debate pode resultar numa punição sem sentido”, diz o comunicado, explicando que a decisão da junta nasceu da constatação, após auscultar comerciantes e moradores sobre o novo regulamento de horários anunciado a 30 de Outubro pela CML, de que o mesmo “não ia ao encontro das necessidades de ambos”.

 

Apesar de o comunicado da junta, emitido ao início da tarde desta quinta-feira (18 de Novembro), dizer que a mesma espera a resposta do vereador, poucas horas depois, Luís Newton afirmava à agência Lusa, em declarações reproduzidas por diversos jornais, que a proposta teria sido declinada por Duarte Cordeiro.

 

O texto enviado aos jornalistas diz que a maior parte do ruído resulta da ocupação do espaço público e da forma como o mesmo é desfrutado. E acrescenta: “Será também importante destacar que os níveis de insegurança e de insalubridade públicas daí resultantes confirmam que este é o triângulo que potencia situações muito negativas e resultam num conjunto de consequências para a qualidade de utilização e fruição dos espaços públicos da freguesia”.

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografias & Fotografia

Paula Ferreira
Fotografía

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Send this to a friend