Jardim nas traseiras do Fórum Picoas ao abandono: Câmara de Lisboa vai arranjar e apresentar conta à Altice

ACTUALIDADE
Samuel Alemão

Texto

AMBIENTE

Arroios

2 Novembro, 2018

A Câmara Municipal de Lisboa (CML) vai proceder, a breve prazo, ao arranjo do espaço ajardinado situado entre as traseiras do Fórum Picoas e o Mercado 31 de Janeiro, endossando os custos à Altice. A intenção foi manifestada por José Sá Fernandes, vereador da Estrutura Verde, na passada terça-feira (30 de Outubro), na última sessão da Assembleia Municipal de Lisboa (AML), durante a qual se fizeram fortes reparos à forma como a empresa de telecomunicações estará a descurar a manutenção daquele espaço público, da qual é proprietária.

 

A censura ao comportamento alegadamente pouco zeloso do privado mereceu, aliás, um raro consenso entre os partidos ali representados, numa discussão surgida na sequência da apresentação pelo CDS-PP de uma recomendação para que a gestão e manutenção do referido espaço fossem assumidas pela autarquia. Contactada por O Corvo, a Altice diz, porém, que as suas responsabilidade se cingem “às paredes do Fórum Picoas”, desresponsabilizando-se, por isso, da manutenção da área verde. E garante que Fernando Medina até terá reconhecido, em reunião tida com a empresa, a incúria da CML na gestão daquele jardim.

O documento discutido esta semana na AML, apesar de chumbado pela maioria dos eleitos, motivou uma torrente de reparos ao estado de “abandono” em que o jardim se encontra, apenas discordando os partidos no papel que a Câmara de Lisboa deveria assumir ante tal cenário. “O espaço é de fruição pública e ninguém o consegue usar, está abandonado e cheio de dejectos caninos. Basta perguntar às pessoas que ali andam. A Altice arranja, e muito bem, o espaço em frente da sua entrada principal, mas já não faz nas traseiras. Aquilo está um nojo”, disse o deputado municipal centrista Diogo Moura na segunda da suas intervenções para defender a recomendação – texto que acabaria por ser chumbado com os votos contra do PS, PCP, PEV, BE e seis deputados independentes e a abstenção do PAN e dois independentes. A recomendação pretendia que, através de “uma compensação financeira por parte da empresa”, a CML ou a Junta de Freguesia de Arroios assumissem a manutenção do jardim.

Um desejo que motivou um acesa troca de argumentos entre esquerda e direita sobre que postura deveria a câmara municipal adoptar neste caso, em relação ao qual todos criticam o papel da Altice. A empresa terá assumido a responsabilidade da manutenção daquele espaço verde, requalificado no âmbito das obras de reformulação do Eixo Central, inauguradas no início de 2017. Passados quase dois anos sobre as obras que mudaram a face do espaço público naquela zona da cidade, e em relação às quais o CDS-PP até mostrou uma postura muito crítica, o partido vem agora apontar o alvo à multinacional das telecomunicações. “É verdade que aquelas traseiras eram um espaço completamente abandonado. Uma das coisas boas da intervenção no Eixo Central foi a criação daquele espaço ajardinado, que está completamente ao abandono”, criticou.

ocorvo02112018picoas4

Requalificado aquando das obras do Eixo Central, tem conhecido escassos cuidados desde então

Diogo Moura assegura que, no último par de anos, aquela área verde – através da qual se faz a ligação pedonal entre a Praça José Fontana e o Liceu Camões, por um lado, e a Avenida da República e traseiras do centro comercial Saldanha Residence, por outro – terá sido “mantida apenas duas vezes”. “Aquele espaço, pela sua localização, deveria ter uma manutenção adequada e prioritária. É notório o abandono a que tem sido sujeito”, acusou o eleito do CDS-PP, lamentando ainda o facto de a “Câmara de Lisboa não fiscalizar”. O deputado municipal, e residente naquela área, disse que a Junta de Freguesia de Arroios, liderada pela socialista Margarida Martins, tem assumido alguma da manutenção e os seus custos. “Por inúmeras vezes, nos últimos dois anos, a senhora presidente da junta falou com a administração da Altice e esta não cumpriu, da mesma forma que eu o fiz como morador. Eles não cumprem”, acusou. Contactada, por O Corvo, Margarida Martins confirmou as pressões sobre a Altice, mas garante que a junta se tem limitado a retirar algum lixo deixado por sem-abrigo que ali estão, como colchões.


 

A proposta dos centristas para que a CML ou a Junta de Arroios, através da delegação de competências, assumam a gestão e manutenção daquela área ajardinada, em troca de uma compensação financeira por parte da Altice, foi recebida com cepticismo à esquerda. “Esta solução seria abrir a porta para outros serviços e entendimentos que não podemos aceitar. Abriria um precedente em relação a um espaço que é privado, que seria tratado mediante recompensa por parte dessa entidade privada, parece-nos errado”, afirmou o deputado comunista Modesto Navarro, justificando o voto contra da sua bancada. “O que a câmara tem a fazer é com que a Altice cumpra as suas responsabilidades para aquilo que é privado”, defendeu.

 

 

Uma posição subscrita também pelo PS, que, através do deputado José Borges, manifestou espanto com o facto de o CDS-PP pedir que seja a câmara ou a junta a “fazer algo porque a própria empresa não quer fazer ou não sabe fazer”. O eleito socialista, que é presidente da Junta de Freguesia de Alvalade, fez, porém, elogios à recomendação em apreciação, recorrendo à ironia. “Demonstra uma coisa que é muito importante para nós, o CDS reconhece a excelência da capacidade da CML e do actual executivo de fazer esta obrigação melhor do que outro privado qualquer”, disse. Os socialistas defenderam que que a Altice “tem de cumprir as suas obrigações relativamente à propriedade”. Algo reforçado também pelo deputado independente (ex-BE) Rui Costa, o qual sugeriu a possibilidade de expropriação do terreno, caso a empresa persista em incumprir na manutenção.

 

Um cenário criticado por Luís Newton (PSD), presidente da Junta de Freguesia da Estrela, para quem a Câmara de Lisboa estará a revelar fraqueza na sua função fiscalizadora. “A câmara deveria punir, mas não o faz. Por isso, temos de passar a uma próxima fase. Como a direita não acredita em expropriações, se calhar, o melhor é encontrar o modelo que garanta o ressarcimento financeiro pela actividade do Estado”, sugeriu, referindo-se a uma área que, neste momento, se encontra parcialmente vedada por tapumes, junto às traseiras do Mercado 31 de Janeiro – situação relacionada com as obras de construção da futura Loja do Cidadão, que deverá abrir no próximo ano no piso superior do mercado.

 

 

Após a troca de argumentos, e sendo já claro que a recomendação do CDS-PP não seria aprovada, o vereador José Sá Fernandes pediu a palavra para, numa curta declaração, anunciar a estratégia a adoptar. “A Câmara de Lisboa tem procurado que aquele espaço seja arranjado. A alternativa que está a ser estudada e, em breve, deve ser aplicada, é a de a própria câmara arranjar o espaço e apresentar a conta à Altice”, informou.

 

Questionada por O Corvo, a Altice respondeu, já na manhã desta sexta-feira (2 de Novembro), negando qualquer obrigação relativa aquele espaço. “A propriedade da Altice acima do solo confina-se às paredes do ‘Forum Picoas’, sendo que o jardim é propriedade da Camara Municipal de Lisboa. Portanto, a responsabilidade pela manutenção dos referidos espaços cabe em primeiro lugar à Camara Municipal”, diz a empresa na resposta enviada. “Muito lamentamos tais declarações que demonstram forte desarticulação interna, pois este tema foi colocado pela própria Altice Portugal em audiência com o próprio Presidente do Município em que este se penitenciou pelo estado em que se encontram estes espaços verdes. A Altice Portugal sempre se demonstrou disponível para o encontro de uma solução, sendo que, até ao momento, não obteve qualquer resposta às pretensões e preocupações deixadas em sede de audiência”, acrescenta a multinacional.

 

* Nota redactorial: texto actualizado às 11h45 de 2 de Novembro, acrescentando a resposta da Altice. 

MAIS ACTUALIDADE

COMENTÁRIOS

Comentários
  • miguek
    Responder

    Se o Sá Fernandes fizer nesse espaço o mesmo que fez no Adamastor e no Príncipe Real então é melhor estar quieto

Deixe um comentário.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Send this to a friend