O Jardim Nun’Álvares, mais conhecido como o Jardim de Santos, tem vindo a sofrer de reiterados maus-tratos por parte de muitos dos frequentadores dos estabelecimentos de diversão nocturna daquela zona. Canteiros constantemente pisoteados e usados como local de diversão, mas também como lavabos e caixotes de lixo, sobretudo para garrafas e copos; o arranque de pernadas de árvores; graffiti em troncos e, mais recentemente, a destruição do lago ali existente são alguns dos desmandos a que tem sido sujeito aquele espaço verde situado na freguesia da Estrela.

 

O alerta é lançado pela Plataforma em Defesa das Árvores, através de um comunicado que fala em “estado de calamidade” na conservação daquele jardim. Para o actual cenário, acusa o colectivo, têm também contribuído “o abate das palmeiras centenárias que ali existiam, devido à praga do escaravelho vermelho e por absoluto desinvestimento em termos de prevenção e tratamento” e a “poda inadequada (irresponsável) da monumental e exemplar bela sombra ali existente”. O grupo de activistas ambientais – formado por um conjunto alargado de associações e cidadãos – lamenta ainda a escolha daquele sítio como “local de ‘amarragem’ de uma roulotte de comes e bebes, numa opção inexplicável dada a proximidade de árvores classificadas”.

 

IMG_4539

 

Por isso, a Plataforma em Defesa das Árvores diz estar profundamente preocupada. E isto porque, apesar dos constantes avisos às autoridades sobre as más práticas e das solicitações para que se adoptem acções de prevenção e cuidados básicos, nada tem sido feito até agora. “Tememos que, continuando assim, o Jardim de Santos possa até tornar-se irrecuperável”, alerta o comunicado, concluindo que, “mantendo-se a actual situação, a Junta de Freguesia da Estrela não reúne as condições necessárias à gestão do importante património arbóreo do eixo Francesinhas/Dom Carlos I/ Jardim de Santos”. O Corvo tentou, durante a tarde de ontem (23 de Setembro), ouvir Luís Newton (PSD), o presidente da junta, sobre estas acusações, mas não conseguiu estabelecer contacto telefónico com o mesmo.

 

“Entendemos que o arvoredo – de características únicas na Europa – deste eixo deverá ser considerado como um produto turístico específico, que permite a descoberta e a compreensão do meio natural e cultural da cidade de Lisboa”, diz a Plataforma. Para que tal aconteça, a mesma entidade diz que o jardim “deverá passar a ser confiado à comunidade – grupo de agentes locais multidisciplinar a constituir -, na forma de protocolo de cooperação”. Tal solução, alega, até já estará prevista no futuro regulamento municipal de arvoredo – que se encontra em consulta pública até 30 de Setembro – e poderia contar com financiamento comunitário.

 

IMG_4548

 

Ontem (23 de Setembro), ao final da tarde, O Corvo pôde constatar a presença de um largo número de estudantes universitários à porta de um bar localizado ao lado do jardim. Em celebrações de praxes e demais rituais de início do ano escolar, bebiam cerveja em abundância e, em pequenos grupos, alguns deles vinham, depois, conviver para o espaço verde – embora a relva seja inexistente. Os copos de plástico utilizados para consumir a referida bebida estavam espalhados um pouco por todo o lado, tal como os sacos de papel de uma conhecida marca de fast-food, que tem uma loja nas redondezas.

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Jardim de Santos vítima do vandalismo http://t.co/iG9vfzNhGw

  • Tessa Goffin
    Responder

    Podiam por os caloiros a jardinar?

  • Anónimo
    Responder

    Deviam era pôr verdadeiros jardineiros a tratar do jardim, isso sim.

  • Inês Mateus
    Responder

    E o pior é que nos últimos tem sido gasto neste jardim dinheiro dos contribuintes com intervenções verdadeiramente irresponsáveis, a que se atrevem a chamar de “requalificação”. A gestão dos espaços verdes pelas câmaras e juntas está, na sua maioria, entregue a pessoas que nada percebem do assunto e que tanto podiam estar a jardinar como a pintar paredes.

  • Vasconcelos Maria Rita
    Responder

    A policia que devia patrulhar estes locais, não aparece…

  • Helena Martins
    Responder

    Eles têm medo dos vândalos!

  • Rosa
    Responder

    Se o jardim não estivesse neste estado de abandono e incúria não era vandalizado desta forma, há outros jardins em Lisboa, alguns até muito mais frequentados, que embora não sejam utilizados de forma completamente exemplar (falta comunicação e educação cívica neste sentido) não o são da forma assustadora como é este pobre Jardim de Santos, um dos primeiros jardins românticos de Lisboa onde existe o mais importante conjunto de tipuanas e belas sombras de Lisboa e onde pode ser vista a mais antiga e monumental olaia da cidade. É verdadeiramente lamentável!

  • Ana Paula Campos
    Responder

    Acompanhei a última recuperação deste jardim, todos os dias lá passava e posso dizer que ficou lindo quando ficou pronto, sentei-me a apreciar o trabalho efectuado e gostei, mas no mesmo dia à noite quando regressava vi os jovens que frequentam os bares da zona. Entretidos a arrancar as plantas , a espezinhar os canteiros. Empoleirados nas árvores e na manhã do dia seguinte era a desolação total, numa semana foram-se as plantas , os baldes do lixo estavam vandalizados e pouco restava da recuperação efetuada,. Isto é uma questão de mentalidades dos jovens que por ali vagueiam experimentem obriga-los a pagar o que estragam pode ser que mudem, até lá não existe orçamento que resista, nem polícia que nos valha.

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com