Mais uma acção de poda e abate de árvores realizada num jardim emblemático da cidade, mais uma polémica, mais uma torrente de críticas contundentes por parte da Plataforma em Defesa das Árvores. Desta vez, o corte de três árvores e uma poda substancial numa delas no jardim do Alto de Santo Amaro, em Alcântara, estão a merecer acusações de “crime”, alegadamente cometido pelas autoridades – Câmara Municipal de Lisboa e Junta de Freguesia de Alcântara -, por parte do grupo de activistas. Mas o presidente da junta garante ao Corvo que as intervenções realizadas são fundamentadas por relatórios técnicos e necessárias pela segurança de pessoas e de bens.

 

É a repetição de uma cena já vista noutras freguesias de Lisboa, nos últimos meses, e sempre pautada pelo acumular de fortes críticas por parte de cidadãos e associações, face ao que consideram ser o excessivo recurso a “podas violentas” e ao corte de vários exemplares do coberto arbóreo. A última destas ocasiões de denúncia teve lugar há cerca de um mês, com o alvo da contestação a ser a Junta de Freguesia de Santo António, entidade responsável pelo corte de um conjunto de tílias de grande porte no Jardim das Amoreiras. Desta vez, é a acção conjunta da CML e da Junta de Alcântara no Alto de Santo Amaro a merecer os mais fortes reparos. E não se poupa na adjectivação.

 

“Abate criminoso de árvores de grande porte”, acusa o título do comunicado emitido, nesta terça-feira (24 de Novembro), pela Plataforma em Defesa das Árvores – colectivo formado por indivíduos e associações como a Associação Lisboa Verde, o Fórum Cidadania Lx , o Geota, o Grupo de Amigos da Tapada das Necessidades ou a Quercus, entre outros. “A Plataforma em Defesa das Árvores vem denunciar o que considera ser um crime contra a cidade de Lisboa, o abate desenfreado, sem qualquer justificação, fundamento, relatório ou resposta de quem de direito, dos lódãos monumentais que compõem o notável jardim do Alto de Santo Amaro, em Alcântara”, diz o texto.

 

O documento diz ainda que “o que se passa em Lisboa, neste momento, é a ‘Lei do Faroeste’- Lisboa, terra de ninguém, onde qualquer um mutila ou mata as árvores que lhe apetece. E assim continuará até que leis e regulamentos relativos à gestão do património arbóreo sejam feitos e aprovados”. Uma referência ao futuro regulamento das intervenções no arvoredo da cidade, que a Câmara Municipal de Lisboa está a preparar e que foi apresentado por iniciativa de José Sá Fernandes, vereador da Estrutura Verdes, na sequência da chuva de críticas às juntas e à câmara, depois de uma série de intervenções polémicas ocorridas na última primavera.

 

Contactado por O Corvo, Davide Amado (PS), presidente da Junta de Freguesia de Alcântara, diz que a última intervenção no Jardim do Alto de Santo Amaro, ocorrida no sábado, 21 de Novembro, e que correspondeu ao corte de uma árvore, “é da responsabilidade da Câmara Municipal de Lisboa, mas ela era necessária e está justificada pelos relatórios fitossanitários realizados”. O autarca diz que a árvore em causa representava um perigo para a segurança dos transeuntes. “Há cerca de um mês, um tronco caiu a um metro de uma pessoa que ali passava e destruiu um automóvel”, diz.

 

O presidente da Junta de Freguesia de Alcântara afirma, por isso, que tal situação obrigava a tomar medidas. “A junta não pode ficar impávida e serena perante uma situação destas, de perigo real. O mais importante é a segurança das pessoas”, considera Davide Amado, justificando assim a intervenção no jardim, que será sujeito a obras de requalificação em 2016. O autarca diz que a junta tem feito podas em toda a freguesia e assim continuará a proceder, sempre escudada em relatórios técnicos e apoiada no parque de máquinas e nos recursos humanos da CML, por esta dispor dos meios mais adequados.

 

Texto: Samuel Alemão         Fotografia: Paulo Ramos

 

  • Claudia Tavares E Castro
    Responder

    Distância deste homem!!! 😉

  • Tuga News
    Responder

    [O Corvo] Corte de árvores polémico no jardim do Alto de Santo Amaro, em Alcântara https://t.co/cNGDj8yh4k #lisboa

  • Inês Mateus
    Responder

    🙁

  • Rosa
    Responder

    ” Presidente da Junta de Freguesia de Alcântara, diz que a última intervenção no Jardim do Alto de Santo Amaro, ocorrida no sábado, 21 de Novembro, e que correspondeu ao corte de uma árvore, “é da responsabilidade da Câmara Municipal de Lisboa,”

    É uma constante este “lavar” de responsabilidade pela parte das juntas e a intervenção sem planeamento apenas quando os acidentes acontecem. Já é tempo para as juntas assumirem as suas responsabilidades, promoverem estudos fitossanitários das suas árvores por entidades isentas, planearem os abates – eventualmente necessários- com base em conhecimento sério e com os devidos avisos e justificações à população, perceberem as causas que levaram à decrepitude das suas árvores e garantir que as más práticas que o provocaram não são perpetuadas. Não foi uma árvore apenas que foi abatida em Alcântara, esta “última intervenção” foi apenas mais uma e se nada for feito todos os monumentais lódãos do Jardim do Alto de Santo Amaro desaparecerão “como quem não quer a coisa”.

  • João Henriques
    Responder

    O arboricida volta a atacar… se calhar as 28.000 árvores que querem plantar até Março 2016 são peso na consciência (ou hipocrisia)

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com