Desde o ano passado que o principal serviço de consulta de publicações periódicas se encontra interrompido. A câmara disse que iria abri-lo este ano na Lapa, mas mudou de ideias. Vai agora funcionar, de forma provisória, num pequeno espaço de outra zona da cidade. Apenas com o serviço de leitura e parte do acervo.

 

Texto: Francisco Neves

 

Encerrada há um ano, a Hemeroteca Municipal de Lisboa deverá reabrir ao público em Março de 2015, num edifício situado na zona das Laranjeiras.

 

O serviço, criado há 83 anos e detentor de milhares de jornais e revistas, fora instalado em 1973 no Palácio dos Marqueses de Tomar, prédio municipal classificado da Rua de São Pedro de Alcântara (na fotografia), no centro de Lisboa, entretanto entregue à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

 

Quando foi encerrada, a Câmara Municipal de Lisboa (CML) prometeu reabrir a Hemeroteca, em 2014, no antigo Complexo Desportivo da Lapa, fazendo para isso obras de adaptação. Segundo fonte municipal, a ideia foi, no entanto, abandonada e o município encara agora uma solução provisória, num local ainda mais afastado do centro – as Laranjeiras.

 

O novo espaço é menor que o de São Pedro de Alcântara e, por isso, muito do espólio da Hemeroteca, que se encontra encaixotado num armazém da Câmara, não irá para as Laranjeiras. Aqui ficará apenas o serviço de leitura e uma parte do acervo, o que obrigará o público a uma requisição prévia – e a um compasso de espera para consultar jornais que ali não se encontrem. Esta é a opção que deverá vigorar até serem construídas instalações próprias, segundo a mesma fonte.

 

O Corvo pediu informações à vereadora da Cultura, Catarina Vaz Pinto, mas esta disse apenas que tencionava fazer um anúncio público sobre o futuro da Hemeroteca, sem especificar quando.

 

O encerramento de Hemeroteca Municipal sem que houvesse uma sede alternativa foi criticado por utentes e objecto de protesto na Assembleia Municipal de Lisboa, em Novembro do ano passado.

 

Em resultado de uma permuta, a antiga sede da Hemeroteca passou para as mãos da Misericórdia de Lisboa, que ali deverá instalar serviços da revista “Brotéria”, publicada pela Companhia de Jesus e sediada numa moradia na zona da Lapa. No entanto, a transição também está demorada.

 

António Júlio Trigueiros, membro da direcção da revista e seu bibliotecário, disse não saber quando irá a “Brotéria” para o prédio nas imediações da Igreja de São Roque. “As obras ainda não começaram porque a Misericórdia estará à espera de licenciamento camarário”, disse.

 

A Companhia de Jesus assinou com a Misericórdia um protocolo que inclui um contrato de comodato para ocupar gratuitamente o edifício por 25 anos.

 

Segundo António Trigueiros, os jesuítas pretendem abrir ali um centro cultural e instalar uma das maiores bibliotecas privadas de Lisboa, com 170 mil volumes. “A biblioteca ficaria mais acessível ao grande público e poderemos organizar uma série de iniciativas culturais, uma das quais será um ciclo de conferências sobre fé e ciência, em 2015”, referiu.

  • Luís Pinheiro de Almeida
    Responder

    Nas Laranjeiras, mas onde? É longe do centro, mas é perto de minha casa… eheh!

  • Alvaro
    Responder

    Laranjeiras é bem servida de transportes públicos. Desde que as condições do espaço fossem adequadas, não vejo que a localização possa constituir um entrave. Longe do “centro” seria, p.e., Pedrouços, Serafina…

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com