O número da carreira, o 18E, já existia, mas o percurso constitui uma novidade. Está a funcionar, desde 5 de setembro, uma ligação de eléctrico entre a Ajuda e o Mosteiro dos Jerónimos, ao mesmo tempo que o trajecto habitual daquela linha – que, há décadas, vai do Cemitério da Ajuda até à Rua da Alfândega, junto ao Terreiro do Paço – se encontra cortado devido às obras de requalificação da zona do Cais do Sodré/Corpo Santo. A Carris diz que o novo percurso “liga de uma forma mais acessível e direta dois locais de elevado interesse turístico, reforçando, ainda, a oferta de serviço neste eixo”.

 

A transportadora explica ainda que a nova ligação garante uma ligação ao Calvário e Rua Primeiro de Maio, o que “permite assegurar o transbordo de passageiros para outros locais da cidade”. O serviço de elétricos no troço da Ajuda esteve suspenso desde outubro 2015, devido às obras na Calçada da Ajuda. Questionada pelo Corvo sobre o possível fim da carreira de eléctrico entre a Ajuda e o centro da cidade, a Carris garante que “o traçado atual se deve às obras”, nada adiantando sobre eventuais planos para tornar definitivo o novo trajeto do 18E – que permite fazer uma passeio pela zona ocidental da cidade, ligando, por exemplo, os Jerónimos ao Palácio Nacional da Ajuda.

 

Informação adicional: www.carris.transporteslisboa.pt/pt/electrico/18E/ascendente/

 

Texto: Samuel Alemão

 

  • Miguel Fonseca
    Responder

    Mas quem é que apanha um eléctrico entre a Ajuda e os Jerónimos?
    Isso é turístico, pá… o drama é chegares à Ajuda, porque eliminaram TODOS os eléctricos que lá chegavam, vindos do Centro.

    É esse o “Drama do Eléctrico 18”.
    E estou só a dar um exemplo básico.

    • Paulo Ramos
      Responder

      Esta a ver alguém admitir isso? A bronca que era reconhecimento que os estrangeiros são mais importantes que os residentes. Um facto há vista de todos

  • Manuel Guedes
    Responder

    Who the fuck apanha tal eléctrico?
    Eu moro em Lisboa há 30 anos e nunca pensei em apanhar tal coisa.
    Da Ajuda aos Jerónimos, vou a pé. É sempre a descer, demoras 12 minutos!

  • Paulo Ramos
    Responder

    “O trajecto actual é devido as obras”
    Só pode ser para rir os outro eléctricos passam por lá o 18 não está a vista de todos só não vê quem não quer

  • Claudia Thomé Witte
    Responder

    Achei ótimo. Mesmo não morando em Lisboa. Em julho subi dos Jerónimos até a Ajuda a pé e no calor teria sido mais agradável se esse eléctrico existisse! Para turistas é bem interessante, porque a área de Belém é muito visitada, mas nem todos sobem à Ajuda, o que acho uma pena.

    • Helena Galamba
      Responder

      Parabéns, não faz parte das pessoas do contra do Facebook.

    • Cassiano Silva
      Responder

      Podia ter apanhado o autocarro 729, cuja paragem fica defronte aos Jerónimos, e evitava apanhar tanto calor… e tinha a vantagem de pagar muito menos pela viagem. Informo-a que a viagem no eléctrico 18 custa a módica quantia de 2,75 €.

      • Carlos Andrade
        Responder

        No eléctrico 18 é 2,85€! Mas pode usar pré comprado ou passe

  • Carlos Maciel
    Responder

    Há um novo trajecto de eléctrico entre a Ajuda e o Mosteiro dos Jerónimos https://t.co/rgKzFYspdY

  • Ana Paula Sobral Cardoso
    Responder

    Samuel, obrigada pela notícia… Já me tinha perguntado o que se passaria com o E18, costumava apanhá-lo perto do Instituto Superior de Agronomia. Espero que reponham o percurso, após o termino das obras, mas este percurso mais curto é bastante útil para facilitar a ida dos turistas até ao Palácio Nacional da Ajuda, mas também para os moradores que só têm o 729 para subirem a calçada da Ajuda. E o 729 anda muitas vezes cheio (por causa dos estudantes universitários que vão para o pólo da Ajuda.

    O link para informação adicional está errado, o correcto é este:

Deixe um comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

O Corvo nasce da constatação de que cada vez se produz menos noticiário local. A crise da imprensa tem a ver com esse afastamento dos media relativamente às questões da cidadania quotidiana.

O Corvo pratica jornalismo independente e desvinculado de interesses particulares, sejam eles políticos, religiosos, comerciais ou de qualquer outro género.

Em paralelo, se as tecnologias cada vez mais o permitem, cada vez menos os cidadãos são chamados a pronunciar-se e a intervir na resolução dos problemas que enfrentam.

Gostaríamos de contar com a participação, o apoio e a crítica dos lisboetas que não se sentem indiferentes ao destino da sua cidade.

Samuel Alemão
s.alemao@ocorvo.pt
Director editorial e redacção

Daniel Toledo Monsonís
d.toledo@ocorvo.pt
Director executivo

Sofia Cristino
Redacção

Mário Cameira
Infografías 

Paula Ferreira
Fotografía

Margarita Cardoso de Meneses
Dep. comercial e produção

Catarina Lente
Dep. gráfico & website

Lucas Muller
Redes e análises

ERC: 126586
(Entidade Reguladora Para a Comunicação Social)

O Corvinho do Sítio de Lisboa, Lda
NIF: 514555475
Rua do Loreto, 13, 1º Dto. Lisboa
infocorvo@gmail.com

Fala conosco!

Faça aqui a sua pesquisa

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com